Por trás das grades

Na crônica de Manoel Carlos da semana, o desabafo real de uma mãe sobre a filha que está namorando um presidiário

Uma amiga, a quem vou dar o nome de Isabel, está vivendo um drama familiar, pequeno ainda, mas que pode caminhar para um desfecho imprevisível.

— Juro que não há o mais tênue sinal de preconceito na minha objeção a esse namoro.

— Tenho certeza disso, Bel. Você tem a cabeça aberta. E o Fábio também.

Fábio é o marido da Bel. Ela torceu o nariz sutilmente:

— Obrigada pela “cabeça aberta”. Faço um grande esforço para manter acesa essa tênue chama de juventude que me restou. Quanto ao Fábio, você sabe, homem é homem, morre mas não perde a pose. E por isso mesmo não se conforma com o que está acontecendo. Balançou e perdeu o rumo. Uma hora quer comprar uma arma e matar todo mundo. Outra hora chora, esmurra as paredes, diz que vai saltar da Ponte Rio-Niterói…

— Posso imaginar…

Ficamos pensativos por um pequeno tempo… Ela percebeu que eu não tinha o que dizer. Afinal, trata-se de um assunto delicado.

Vocês, leitores, devem estar querendo saber a razão dessa história. Eu conto. O problema que vem amargurando meus amigos tem nome: Flávia, filha única do casal, que vai completar 18 anos.

— E…?

— Flavinha se apaixonou por um rapaz que está preso, Kiko…

— Kiko?

— Esse rapaz que participou de um assalto no Museu de Arte alguns anos atrás.

— Já sei, já sei — e lembrei do caso —, saiu até no Jornal Nacional.

— Esse mesmo — confirmou ela. — Foi condenado, está preso.

— Mas como é que ela se apaixonou por um presidiário?

— Ela está fazendo estágio na redação de um jornal. Quer porque quer ser jornalista. Pois bem: lá no jornal pediram uma pesquisa sobre jovens encarcerados e ela foi escolhida para tocar esse trabalho.

— E aí, claro, a proximidade…

— Insegura como ela é, o rapaz é bonitão, fama de Robin Hood, deve ter uma boa conversa, foi sopa no mel. Estou aflita, ela quer levar o rapaz lá em casa… e não sei o que pode acontecer…

— Mas ele não está condenado, preso, atrás das grades?

— Mas vai sair. Foi beneficiado por uma lei — não sei o nome.

— Progressão de pena?

— Não sei se é isso, mas pode ser.

— Caramba, Bel, que situação. Se eu puder ajudar em alguma coisa…

— Talvez possa. Você escreve para a TV, faz novela… inventa aquelas histórias mirabolantes… Quem sabe pode vir aqui em casa…

Dei mil razões para não ir, mas ela foi irredutível, encantadoramente irredutível, e eu fiquei de pensar. Voltou na semana seguinte.

— Preciso mesmo da sua ajuda. O aniversário dela é daqui a dez dias. Dezoito anos! Vai receber alguns amigos lá em casa e quer que o Kiko jante entre nós.

E vi quando os olhos dela lacrimejaram.

Não sou de resistir a lágrimas de mulher. Resolvi que vou ao jantar e depois conto a vocês o que aconteceu. Como sou novelista de TV, faço esta crônica em dois capítulos.

Aguardem o próximo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s