Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Fabiane Pereira Por Fabiane Pereira, jornalista

Martinho da Vila: política e música de mãos dadas

"Canta, canta, minha gente, deixa a tristeza pra lá. Canta forte, canta alto que a vida vai melhorar". Ele é convidado da websérie “Pelas Quadras do Samba”

Por Fabiane Pereira Atualizado em 23 mar 2021, 12h49 - Publicado em 23 mar 2021, 12h43

Um dos principais representantes da música popular brasileira, Martinho da Vila é meu sétimo convidado na websérie “Pelas Quadras do Samba” que, durante o mês de março, tem ido ao ar no meu canal no Youtube, o Papo de Música.

Foi em setembro de 1967, em São Paulo, no terceiro Festival de Música Popular Brasileira, que Martinho deu os primeiros passos de sua carreira, popularizando o Partido-Alto. Ao lado de Gilberto Gil, Caetano Veloso e Erasmo Carlos, Martinho integrou a seletiva lista dos únicos dez nomes que, entre os quarenta inscritos, teriam suas músicas defendidas pelo próprio autor. “O festival era muito forte e importante, todos os artistas gostariam de participar. A direção falou: os compositores mandam as músicas e os cantores interpretam. O [cantor] Jamelão foi escolhido para defender a minha composição, ‘Menina Moça’. Ele era uma grande estrela da época e viajou chegando muito próximo [do horário] da apresentação. Como ele não sabia [a música], tiveram a ideia de eu ir com ele e aí a gente cantou juntos. Aí, virei artista e o contador dançou”, brinca o cantor que, na época, trabalhava com contabilidade.

Apesar de sua música ter sido eliminada na terceira chamada, Martinho acabou ganhando muito mais, um legado no samba. Hoje, mesmo enfrentando os impactos da pandemia, o cantor mantém a positividade como única saída. “Nós estamos num momento em que os negacionistas, os raivosos, os pessimistas estão crescendo muito, mas a gente tem que resistir, porque cada ação gera uma reação. Uma ação boa gera uma reação boa, então nós temos que ser otimistas. Os otimistas foram os que mudaram o mundo”, afirma o artista vascaíno – que mesmo com o time rebaixado, também segue esperançoso.

 

Martinho da Vila é o convidado do Papo de Música
Martinho da Vila é o convidado do Papo de Música esta semana divulgação/Internet

A música é, justamente, por onde Martinho constrói essa esperança e leva suas mensagens políticas e de afeto. “As
escolas de samba, com suas músicas e seus temas, [também] ajudam muito a educar o povo brasileiro. Numa época em que desfilavam com temas da história do Brasil ensinadas no ensino primário, como a abolição, a independência, etc., acabavam por ajudar as crianças nas escolas. O terceiro samba-enredo que eu fiz, lá atrás, em 1980, foi sobre Machado de Assis e eu não sabia nada dele na época, então botamos ele como enredo e foi uma aula”, conta.

Autor de mais de dez sambas-enredo da Vila Isabel e dois discos dedicados à escola, o compositor dá a letra da forma como cria as composições: “É uma música para se fazer pensando e não é para ser cantada individualmente, mas, sim, coletivamente. Depois, tem que se pensar que é uma música para cantar em movimento, então ela precisa movimentar as pessoas”, comenta o artista que, ao lado de Arlindo Cruz, Tunico da Vila, Leonel e André Diniz, assina a composição de “A Vila canta o Brasil, celeiro do mundo – Água no feijão que chegou mais um”, o último samba-enredo campeão da escola, no Carnaval de 2013. “O samba-enredo precisa ter alegria, porque é Carnaval, mas seguido de uma dose intensa de emoção”, complementa.

Continua após a publicidade

 

 

Essa dose de emoção que Martinho destaca inclui atravessar temas políticos. “A maioria das minhas músicas, dos meus sambas e das coisas que falo estão envolvidas com o fator político. Se eu contar simplesmente uma história, já entra política no meio. Os sambistas, mesmo os mais românticos, trazem ali embutido uma mensagem. É difícil ter um samba alienado”, declara. Apesar disso, o compositor ressalta a naturalidade com que as mensagens políticas entram em seus versos e acredita que “o compositor não pode pensar em fazer um ‘samba político’. Ele tem que se preocupar em fazer uma música, uma composição boa que tenha as coisas principais: riqueza melódica e poética, e, a partir desse parâmetro, ele pode falar que tal música pode ser de tema político”, finaliza.

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade