Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Daniela Alvarenga Por Daniela Alvarenga, médica, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia

Alto lá, Jennifer Lopez!

Para vender produtos com azeite, cantora nega ter usado botox e contribui para estigmatização da beleza

Por Daniela Alvarenga Atualizado em 11 dez 2020, 10h30 - Publicado em 11 dez 2020, 10h29

Que Jennifer Lopez é uma força da natureza não se discute. Aos 51 anos, com uma carreira consolidada, ela mostra ao mundo que os 50 são os novos 30, como já escrevi aqui. O corpo segue perfeito e a pele parece estar melhor do que duas décadas atrás. Como ela conseguiu esta proeza? Com boa genética, fato, com muito esforço e disciplina, certamente, e orientada por excelentes profissionais, acredito. Até aí, tudo bem. Qual não foi minha surpresa ao ler uma declaração da cantora dizendo que nunca fez uso de toxina botulínica ou qualquer procedimento injetável. “Não sou dessas”, disse ela. Alto lá, Jennifer!

A polêmica declaração foi feita pela cantora durante uma entrevista via Zoom para o lançamento de sua marca de cosméticos, a JLo Beauty, que tem o azeite de oliva como princípio ativo. “Eu nunca fiz botox até hoje. (…) Tenho uma abordagem mais natural para cuidar da pele (…) Eu não quero ter que ir para agulhas em algum momento”, ela afirmou. Não há nada de errado em vender cosméticos mais naturais e falar dos benefícios dos produtos.

A questão é: todo dermatologista sabe que não é possível chegar aos 51 anos com esta qualidade de pele, sem rugas, com as estruturas faciais bem posicionadas, sem uma força tarefa de cuidados e de procedimentos estéticos. Aos 50, todos nós já temos envelhecimento ósseo, que diminui a estrutura do rosto, consumo dos compartimentos de gorduras profundas e superficiais da face, flacidez muscular e diminuição importante da produção de colágeno levando a um “derretimento” da pele, além de manchas, rugas e perda de viço. Mesmo que ela tenha feito cirurgia plástica – ela não falou se fez ou não – é impossível ter esta qualidade de pele sem tratamento cosmiátrico dermatológico.

Sou admiradora da Jennifer, ela é realmente uma mulher inspiradora. Mas é uma pena que ainda hoje mulheres que são referência como ela se sintam acuadas em realmente dizer o que fazem em relação à beleza. É uma pena elas não se sentirem seguras para contar o que elas fazem até para que pessoas “normais”, as ditas anônimas, possam ter parâmetro de quanto custa, não só financeiramente mas também em dedicação e empenho, ter uma pele assim.

Jennifer não chegou aos 50 assim de um dia para o outro. Certamente cuidou da pele em cada fase da vida, escolhendo profissionais alinhados com o conceito estético dela, de uma aparência mais natural. E juntos eles fizeram um trabalho excelente. Estão de parabéns. Mas, cá para nós, azeite de oliva NÃO! Aqui no Brasil então, país de peles mais oleosas, além do envelhecimento, a acne viria de bônus. Esta postura de dizer que não fez botox ou qualquer procedimento injetável faz parecer que as mulheres famosas “naturalmente” bonitas estão envelhecendo bem porque são dotadas de um “super poder genético” que não está ao alcance de pessoas não famosas. Se elas não dizem, eu como dermatologista posso afirmar: as celebridades que estão envelhecendo bem, certamente estão com procedimentos adequados, profissionais bem escolhidos e com uma disciplina de cuidados intensa. 

Ainda hoje isso é bastante comum entre celebridades: não contar sobre os cuidados estéticos como se isso fosse diminuir ou desmerecer a beleza delas. Omitir todo o esforço por trás de um corpo em forma, de uma pele exuberante, de cabelos volumosos pode alimentar em suas admiradoras uma enorme frustração, uma vez que podem seguir a mesma receita “natural” ou “sem esforço” sem jamais alcançar os mesmos resultados. Pergunto: qual é o problema em se tratar? Penso que é exatamente o contrário: é uma pena que nem todos tenham acesso a tratamentos de excelência, porque são realmente maravilhosos. 

Médicos e cientistas do mundo inteiro estudam a fundo para oferecer a cada ano tratamentos mais eficientes. A evolução da cosmiatria é louvável. São tantas as novidades e os profissionais de ponta que se dedicam a oferecer o melhor aos pacientes sabendo hoje que a melhora está diretamente relacionada à prevenção e aos cuidados, que nós, dermatologistas, ficamos mesmo decepcionados quando vemos uma declaração dessas. A falta de reconhecimento em um trabalho bem feito é muito triste. 

Continua após a publicidade

Nos Estados Unidos, o dermatologista Corey L. Hartman ironizou o negacionismo de Jennifer em seu Instagram: “Acho que Jennifer Lopez provavelmente está ‘esquecendo’ que ela já fez botox, mas tenho certeza de que ela usou mais do que azeite para manter esse brilho. Eu realmente pensei que havíamos superado a negação do botox e julgado os outros por escolhas pessoais quando se trata de procedimentos cosméticos. Não vamos voltar a estigmatizar o botox. Os benefícios preventivos e terapêuticos são comprovados. Cada um na sua. E boa sorte para JLo com o azeite. Não acreditamos em você, mas ainda te amamos, Jenny”.

Veja bem, ninguém é obrigado a dizer o que faz e o que não faz. Não há problema algum em não contar sua receita de beleza. Também não há problema algum em aceitar o envelhecimento natural da pele sem tratamentos. O que uma cantora faz ou deixa de fazer é problema dela. O que me causa espanto é ver ainda hoje mulheres consideradas ícones ainda se sentirem na obrigação de não revelar,  omitindo, que sua beleza tem ajuda da tecnologia, de bons profissionais e de muita dedicação.

Não falar sobre o assunto é contribuir para estigmatizar a toxina botulínica e tantos outros tratamentos de alta tecnologia, que estão a serviço da mulher contemporânea. É tão digno dividir com os outros o que se faz, quando se quer falar de receita de beleza. Falar sobre o assunto sem tabus é encorajar outras mulheres a se aceitarem, a não se compararem e a seguirem a receita verdadeira de beleza, caso queiram e possam. Além da certeza de que o resultado virá! 

 

 

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade