Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Bruno Chateaubriand Por Bruno Chateaubriand, jornalista

Ginasta do Flamengo entra para a história mundial da modalidade

Lorrane Oliveira, integrante da seleção brasileira de ginástica artística feminina, entra para a história no seu esporte

Por Bruno Chateaubriand Atualizado em 25 jun 2021, 00h07 - Publicado em 24 jun 2021, 20h13

Lorrane Oliveira, atleta do clube de regatas do Flamengo, entrou para a história da ginástica artística mundial. A jovem integrante do Time Flamengo, de 23 anos, acaba de colocar seu nome no código de pontuação da modalidade em ginástica de solo.

Na ginástica artística existe um código de pontuação para se classificar a dificuldade de cada elemento executado pelos atletas. O Brasil já registrou no código de pontuação alguns movimentos ao longo da história. O mais famoso ocorreu, em 2003, quando Daiane dos Santos, homologou o duplo twist carpado, que passou a se chamar Dos Santos. Hoje, a ginasta que está competindo, juntamente às atletas do Rio de Janeiro, Rebeca Andrade e Flávia Saraiva, na Copa do Mundo da modalidade em Doha, no Catar, fez uma evolução do dos Santos. Ela executou um duplo twist carpado com meia volta, que passa a se chamar Oliveira, e terá um valor F no código de pontuação.

“Isso demonstra a importância do Flamengo como maior formador da ginástica artística feminina do Brasil. São investimentos de anos e anos de trabalho. O clube investe em um ginasta desde os seis anos de idade”, diz Georgette Vidor, coordenadora da modalidade no Clube.

Lorrane Oliveira se classificou em quarto lugar para as finais em ginástica de solo que ocorrem no sábado. As outras ginastas do Flamengo foram bem na competição; Flavia Saraiva se classificou em terceiro na trave de equilíbrio e Rebeca Andrade em primeiro nas barras paralelas e em segundo na trave. Rebeca e Flavia serão as únicas representantes do país, na modalidade, nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

 

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade