Clique e assine por apenas 3,90/mês
Beira-Mar Por Blog Notícias sobre celebridades, famosos, sociedade e pessoas interessantes do Rio de Janeiro

Rock in Rio 2017: camarote VIP tem pouco mimo e muito merchan

Há até mesmo o estande de uma consultora imobiliária de Portugal que vende apartamentos de luxo na terrinha

Por Daniela Pessoa - Atualizado em 23 set 2017, 18h26 - Publicado em 23 set 2017, 18h19

Ser VIP já não é mais o mesmo no Rock in Rio, onde, nos tempos áureos, se recebia até massagem grátis nos pés. Bebida quente, espumante acabando muito antes do esperado e um paredão separando os vips dos vipões foram alguns dos percalços do camarote deste ano no festival, que oferece poucos brindes para muito merchandising. Logo na entrada, mocinhas bonitas anunciam o Rock in Rio Lisboa 2018 e alguns pacotes de viagem que incluem desde wine experience até surf experience em Portugal.

Perto dali fica a lojinha de produtos oficiais do evento e ainda uma tabacaria, onde o maço é vendido a 8 reais. O mais inusitado, no entanto, é o estande de uma consultoria imobiliária de luxo em Portugal, que vende imóveis de alto padrão no país europeu. Em apenas um dia de festival, foram computados 30 interessados na compra de uma casa ou apartamento sofisticado por lá. Os brasileiros desembolsam em média  700 000 euros por um lar de dois a três quartos, com cozinha já equipada com itens como fogão, micro-ondas e máquina de lavar. Outra curiosidade: por gosto pessoal dos brasileiros, os imóveis de Portugal agora são construídos com mais de uma suíte, sala ampla integrada à cozinha e porta blindada. “Aqui não precisa disso, mas é difícil tirar esse ranço da insegurança deles”, diz a portuguesa Patricia Barão, diretora da empresa.

estande portugal camarote vip rock in rio
VEJA RIO/Veja Rio
Entre os poucos mimos oferecidos na área VIP estão penteado e maquiagem em dois estandes patrocinadores sempre lotados, além de uma bolsa de vinil personalizada no formato de uma guitarra. São distribuídas cerca de 145 por dia num espaço que recebe 5 000 pessoas no mesmo período. Resultado: confusão, é claro. Há quem se amontoe para conseguir levar uma para casa. Como diria Sandra Annenberg, que deselegante.
bolsa guitarra rock in rio 2017
VEJA RIO/Veja Rio

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade