Clique e assine por apenas 4,90/mês
Beira-Mar Por Blog Notícias sobre celebridades, famosos, sociedade e pessoas interessantes do Rio de Janeiro

Luiz Marcelo Magalhães quer acabar com indicação política no TCE

Leia mais na coluna Beira-mar da semana

Por Daniela Pessoa - 15 dez 2017, 14h28
Felipe Fittipaldi/Veja Rio

Sob os holofotes desde o começo do ano em meio a denúncias de esquemas de corrupção envolvendo indicações políticas para os cargos de conselheiro, o Tribunal de Contas do Rio assiste ao crescimento de um movimento contrário ao atual sistema de indicação de seus membros, o MUDA TCE-RJ. Hoje, o governador escolhe livremente pelo menos três agentes que vão fiscalizar os 100 bilhões de reais aplicados no estado e na capital. Segundo Luiz Marcelo Fonseca Magalhães, presidente do Sindicato dos Servidores do Tribunal de Contas do Estado, já passou da hora de a sociedade exigir mudanças (há uma petição on-line no site da campanha). “A Operação Lava-Jato tem revelado como a corrupção é sistêmica. Se as instituições não se aprimorarem, isso não vai acabar nunca”, avalia Magalhães. “Do jeito que está, precisamos repensar se vale a pena manter uma estrutura de fiscalização dessas”, provoca.

Publicidade