Clique e assine por apenas 4,90/mês
Beira-Mar Por Blog Notícias sobre celebridades, famosos, sociedade e pessoas interessantes do Rio de Janeiro

Associação Comercial do Rio elabora plano de segurança pro estado

Primeira presidente mulher da ACRJ, Angela Costa opina sobre pautas pulsantes na cidade, como segurança, IPTU, camelôs e propina

Por Daniela Pessoa - 19 set 2017, 15h21

Eleita em maio deste ano a primeira presidente mulher da Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ), Angela Costa, de 64 anos, está virando a casa de cabeça para baixo. A começar pela organização do caixa e pela reforma dos conselhos da instituição, responsáveis por formular propostas para alavancar o setor. “Comigo não tem moleza. Quem está aqui é para trabalhar”, afirma a industrial, dona de uma tradicional empresa de embalagens de papelão. Para estimular a turma, ela implementou uma agenda de palestras com convidados que vão do ex-presidente FHC ao ex-técnico Bernardinho. Na semana passada, recebeu Luiza Trajano. A empresária do Magazine Luiza se ofereceu para ajudar na criação de um grupo de fomento ao empresariado feminino. A seguir, o que Angela tem a dizer sobre pautas pulsantes na cidade:

› IPTU: “O aumento do IPTU pode matar o comércio, um grande gerador de recursos para o estado. Elevá-lo torna o risco de inadimplência maior e contribui para a alta dos preços. Falta visão estratégica ao prefeito e sua equipe”

› Segurança: “Estamos montando um plano de segurança para oferecer ao governo do estado. Quem está coordenando a estratégia é o Paulo Lacerda, ex-diretor-geral da Polícia Federal e da Abin”

› Camelôs: “Depois que o Crivella falou que não poderia tirar os trabalhadores ilegais das ruas por causa da crise, ele nos chamou e disse que o entendemos mal. Agora, o prefeito está pelo menos delimitando a área dos ambulantes. Já estávamos ficando sem calçadas para andar”

Continua após a publicidade

› Propina: “Joalherias não podem emitir notas frias, assim como empresários não podem ceder a agentes corruptos. Mas a verdade é que a carga tributária em cima dos comerciantes é muito pesada. Às vezes, o empresariado sonega a fim de sobreviver. Não tem jeito”

Publicidade