Clique e assine por apenas 4,90/mês
Beira-Mar Por Blog Notícias sobre celebridades, famosos, sociedade e pessoas interessantes do Rio de Janeiro

André Brasil, nadador paralímpico, participa de evento-teste com atletas sem deficiência e fala sobre superstição

Até quarta (20), o Rio sedia o Troféu Maria Lenk de natação, evento-teste para os Jogos Olímpicos, com atletas de onze países. A competição tem a participação de três nadadores paralímpicos, entre eles o carioca André Brasil, que na sequência disputa o classificatório da natação paralímpica na busca por uma das 32 vagas para a Rio […]

Por Daniela Pessoa - Atualizado em 25 fev 2017, 17h34 - Publicado em 15 abr 2016, 01h00
Fabiano Accorsi

André Brasil: rock antes de entrar na piscina (Crédito: Fabiano Accorsi)

Até quarta (20), o Rio sedia o Troféu Maria Lenk de natação, evento-teste para os Jogos Olímpicos, com atletas de onze países. A competição tem a participação de três nadadores paralímpicos, entre eles o carioca André Brasil, que na sequência disputa o classificatório da natação paralímpica na busca por uma das 32 vagas para a Rio 2016. Brasil falou à coluna sobre o desafio.

Qual é o seu objetivo ao competir com nadadores olímpicos, e não paralímpicos? Competir com atletas sem deficiência é sempre um estímulo maior, uma busca por um resultado diferenciado. Vou pôr meu corpo à prova.

Como está sua rotina de treinamento? São, em média, dois treinos por dia, de segunda a sexta, e no sábado pela manhã. Estou bastante motivado, quero ser o primeiro atleta paralímpico a nadar abaixo da casa dos cinquenta segundos. Ainda não tirei esse sonho da cabeça.

Tem algum amuleto ou superstição antes de cair na água? Tenho uma seleção de músicas que ouço antes de competir. The Pretender, da banda Foo Fighters, toca sempre por último, porque me deixa pilhado.

Continua após a publicidade

Muita gente diz que a Olimpíada não deveria acontecer num país cheio de problemas como o Brasil. Qual a sua opinião? Fico triste por não estarmos vivendo um bom momento, mas penso muito no legado dos Jogos. Espero que saibam aproveitá-lo, porque não gostaria de ver a cidade virar chacota e ser largada às traças como aconteceu com Atenas, na Grécia.

LEIA MAIS NA COLUNA BEIRA-MAR DA SEMANA:

+ Alinne Moraes faz seu primeiro trabalho de dublagem no cinema: “Quero continuar no ramo”

+ Mãe de Luciana Gimenez compra briga com furões de fila em evento: “Sou brasileira com educação europeia”

+ Paulo Ricardo está de olho na estratégia de Anitta nas redes sociais para conquistar o público jovem

+ Diretor do Guia Michelin vem ao Rio para lançar nova edição e fala sobre a gastronomia brasileira

Continua após a publicidade
Publicidade