Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Beco do Becoza Por Juarez Becoza, repórter de gastronomia popular e caçador de botequins

Cachambeer: o botequim mais alegre do Rio se reinventa na pandemia

A casa das costelas no bafo segue fechada ao público, mas faz tanto sucesso com o delivery que já pensa em abrir uma filial exclusiva para entrega

Por Beco do Becoza Atualizado em 1 set 2020, 17h37 - Publicado em 1 set 2020, 10h47

Passar na porta do Cachambeer sem ver aquela aglomeração de gente de copo na mão em torno das costelas no bafo que assam nas churrasqueiras da calçada é muito estranho. Mais ainda notar, em plena tarde de sábado de sol, as portas arriadas, as varandas vazias, as cadeiras empilhadas e aquele silêncio ensurdecedor no salão engordurado que já foi um dos mais barulhentos e felizes da cidade. Sim, caro leitor: diferente da maioria dos bares mais populares do Rio, o Cachambeer segue fechado por causa da pandemia, e ainda sem prazo para reabrir. Mas a causa não é apenas sanitária. Nem exatamente financeira. É mais, eu diria, filosófica.

“O Cachambeer é um bar alegre demais pra esse baixo astral todo que a gente tá vivendo. Aglomeração faz parte do nosso DNA. Aqui é lugar de gente em pé de copo na mão, de abraço, de fumaça… Todo mundo falando alto, perdigoto voando geral. Enquanto não puder ter isso de novo, não tem sentido abrir”, diz Marcelo Novaes, o dono da casa, daquele jeito bem humorado e 100% carioca que lhe é peculiar e o fez virar o banqueteiro oficial da Gávea Pequena nos tempos do prefeito Eduardo Paes.

Mas enquanto fala, Marcelo também trabalha. Ajuda sua equipe a empacotar pletoras de costelas, pastéis, sanduíches, risotos, palmitos “in natura”, “infartos completos” e mais uma imensa variedades de pratos e petiscos sem miséria que saem sem parar da cozinha do bar. É que, “graças” ao Covid, o Cachambeer descobriu o delivery. E não pretende deixá-lo jamais.

O serviço de entrega do bar começou única exclusivamente por causa da pandemia. Uma necessidade momentânea. Mas virou um sucesso tão sem precedentes que Marcelo já planeja investir numa nova cozinha, exclusiva para entregas, para funcionar em definitivo mesmo depois que o bar reabrir. “Delivery nunca passou pela minha cabeça antes da pandemia, porque o bar era tão movimentado que a gente não via espaço pra isso. Mas agora, além da necessidade, estamos descobrindo um potencial imenso nesse serviço. É claro que o faturamento não é o mesmo, mas é o que está nos salvando no momento, e está sendo um sucesso. A gente tá curtindo muito essa parada de delivery. Em breve vai rolar um Cachambeer Express por aí. Aguardem…”, diz Marcelo.

Para tocar o serviço, o empresário vem usando sua própria equipe de garçons, que entregam a pé, de bicicleta e, eventualmente, de moto. Os pedidos podem ser feitos pelo Delivery Direto e pelo Ifood. Mas o cuidado extremo com a qualidade da entrega – que prioriza os próprios funcionários aos motoqueiros terceirizados – é uma das razões do sucesso do delivery do Cachambeer, que também por causa disso não é muito abrangente. Cobre a área do grande Méier e imediações, parando na Tijuca.

Mas quem mora na Zona Sul e quer matar saudade – ou conhecer pela primeira vez – as famosas costelas do bar, não há com o que se lamentar. Elas e outras iguarias da casa fazem parte do cardápio do Liga dos Botecos, em Botafogo, de onde Novaes é sócio junto com os donos do Bar do Momo, do Botero e do Bar da Frente. O Liga já reabriu, em horário reduzido, e também está fazendo entregas.

Enquanto isso, no subúrbio, Marcelo, Luizinho, Rafael, João e grande equipe seguem aquecendo o bafo, fazendo e entregando o comidão. Mas, apesar do sucesso, morrendo de saudade de voltar a ver os perdigotos voando.

Cachambeer:
Rua Cachambi 475, Cachambi.
Tel.: 3042-1640
Delivery diariamente, pelo Delivery Direto (@cachambeer) e pelo Ifood (área de entrega limitada à Zona Norte).

Continua após a publicidade
Publicidade