Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

‘Senti no bolso’, diz Vera Fischer sobre filme censurado por Xuxa

Atriz era coprodutora de Amor, Estranho Amor, longa que a apresentadora conseguiu tirar de circulação por décadas; 'Pena que público só viu por um tempo'

Por Cleo Guimarães 26 nov 2020, 12h43

Fora de circulação há quase trinta anos por causa de uma disputa judicial entre Xuxa e a distribuidora do filme, Amor, Estranho Amor pode ser relançado – e Vera Fischer é uma das maiores entusiastas da ideia. Em entrevista que vai ao ar nesta quinta (26), no Canal Brasil, ela conta a Simone Zuccolotto sobre sua frustração em relação à censura imposta pela apresentadora. “Eu senti muito até porque era coprodutora do filme. O produtor principal era o Anibal Massaíni e nós sentimos no bolso”, contou. “Mas eu acho que vão querer lançar novamente nos cinemas ou nas plataformas. E vai ser um ganho”.

“Fui assediada pela minha terapeuta”, conta Xuxa

No longa, dirigido por Walter Hugo Khouri (1929-2003) e lançado em 1982, Vera interpreta uma prostituta de luxo que é obrigada a hospedar o filho por uma noite no bordel em que mora e trabalha. Xuxa, então com 18 anos, vive Tamara, também prostituta, que se envolve com um garoto de 12 anos. Tarcísio Meira, Mauro Mendonça e Otávio Augusto participaram do filme. “Tinha um elenco enorme. Pena que o público só viu por um tempo”, lamenta Vera na entrevista.

Coronavírus: Crivella ameaça dar voz de prisão a quem descumprir regras

Não é a primeira vez que a atriz se mostra incomodada com a atitude de Xuxa. “Pelo fato de termos atores muito importantes no filme, não só eu, mas Tarcísio Meira, Íris Bruzzi, Mauro Mendonça, entre outros, eu achei um desrespeito a esses profissionais”, disse Vera, em 2019, durante o Festival de Cinema de Vitória.

Continua após a publicidade

‘Me respeite!’: Sandra de Sá acusa Crivella de usar sua voz em campanha

Em entrevista recente à Globo, Xuxa falou sobre seu novo posicionamento em relação a Amor, Estranho Amor – o assunto foi tabu durante muitos anos para a apresentadora. “Quem não viu o filme, por favor, veja”, recomendou. “Porque ele fala de uma coisa muito atual, que é a exploração infantil. Não é minha realidade, mas é a realidade de muita gente. Então, antes de as pessoas me criticarem, elas  deveriam saber que isso existe, diariamente, nesse país e no mundo todo, mas, principalmente, nesse país.”

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Ela também fez questão de enfatizar que as cenas de sexo com o ator de 12 anos são ficção. “Eu não transei, aquilo é ficção. É ficção! Senão, o Arnold Schwarzenegger deveria estar preso, porque matou um monte de gente nos filmes dele”.

 

Continua após a publicidade
Publicidade