Clique e assine por apenas 4,90/mês

A fase áurea de Peçanha, o PM pouco ético do ‘Porta dos fundos’

Interpretado por Antonio Tabet, policial preconceituoso e estereotipado é estrela de filme e faz sucesso entre os 'companheiros de farda' que ironiza

Por Cleo Guimarães - Atualizado em 14 ago 2020, 19h36 - Publicado em 14 ago 2020, 07h00

Os esquetes do Porta dos Fundos ficaram pequenos para o sucesso de Peçanha, o “sargento-tenente-major” politicamente incorreto e eticamente condenável interpretado por Antonio Tabet. Prestes a protagonizar na Amazon Prime o longa Peçanha contra o Animal, o personagem — inspirado no estereótipo dos PMs cariocas — estrela também um vídeo que abre as sessões de cinema em uma rede de drive-ins, explicando os protocolos de segurança aos “elementos que estiverem embarcados no veículo”. “Ele acha que fala difícil”, diverte-se Tabet.

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Peçanha faz bicos para milicianos em dias de folga, enquanto luta, sem muito sucesso, para ser menos homofóbico e racista. Apesar disso (ou por isso mesmo), tem índice altíssimo de popularidade entre os próprios policiais que ironiza. “Eles adoram. Quando me reconhecem, pedem para tirar foto. Outro dia, numa blitz, um deles me disse: ‘Você é igualzinho ao meu chefe’”, conta Tabet.

Denilson Baniwa: a arte indígena ganha o mundo

Juliana Paes e o fim da ditadura dos cabelos lisos

Jéssica Ellen: vem aí o segundo CD da atriz de Amor de Mãe

Rodrigo Hilbert: Justiça arquiva processo de maus-tratos a animal

Continua após a publicidade
Publicidade