Continua após publicidade

Rainha da Mangueira encena Jesus mulher e não samba na Avenida

Com o propósito de levantar a bandeira do feminismo e criticar a objetificação da mulher, Evelyn Bastos entrou coberta na Avenida

Por Marcela Capobianco
Atualizado em 23 fev 2020, 23h57 - Publicado em 23 fev 2020, 23h55

Apostando no bicampeonato, a Mangueira traz um enredo provocador sobre Jesus Cristo: ‘Como seria se o Salvador nascesse na favela, numa família negra?’. A rainha de bateria Evelyn Bastos encarnou, no desfile, uma figura feminina de Jesus. Coberta por um manto de cor roxa, todo bordado, ela não sambou, em sinal de respeito. “Muitas pessoas têm preconceito com o samba, a minha dança é sexualizada. Então, em respeito a quem ainda não entende a nossa cultura, vou andar pela Sapucaí, simplesmente levantando a bandeira de um Jesus feminino. Tenho certeza de que, quando chegar à dispersão, serei muito mais experiente. Quero provar que rainha de bateria pode vestir o que quiser e levantar a bandeira do feminismo.”

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.