Clique e assine por apenas 4,90/mês

Quarentena: Justiça reduz mensalidades do Santo Agostinho em 30%

"Pandemia decorrente do coronavírus também gera repercussões financeiras e econômicas imediatas a todos da sociedade", diz um trecho da sentença

Por Cleo Guimarães - Atualizado em 18 abr 2020, 09h52 - Publicado em 17 abr 2020, 20h51

O Tribunal de Justiça do Rio concedeu nesta sexta-feira (17), numa ação de revisão contratual de prestação de serviços educacionais, a tutela de urgência para reduzir em 30% a mensalidade cobrada pelo Colégio Santo Agostinho do Novo Leblon, unidade da tradicional escola católica na Barra da Tijuca. A redução será aplicada a partir do próximo vencimento e valerá enquanto a escola permanecer fechada, por causa da pandemia de coronavírus. Por enquanto, os beneficiados são quatro alunos cujos pais decidiram recorrer à Justiça para não pagar o valor integral durante o período em que não há aulas presenciais.

Santo Agostinho e Santo Inácio ignoram crise e mantêm mensalidade integral

“A probabilidade da existência do direito vem da interrupção dos serviços (…) que efetivamente está implicando em redução de algumas despesas por parte da Ré, como luz, água etc. Quanto ao dano de difícil reparação, pode ocorrer se não decidido com urgência, pois a pandemia decorrente do coronavírus, COVID-19, não só provoca impactos no sistema de saúde do País, como também gera repercussões financeira e econômica imediatas, a todos da sociedade“, diz um trecho da decisão, proferida pelo juiz Marco Antônio Cavalcanti de Souza, da 4ª Vara Cível do Fórum Regional da Barra. Cabe contestação em até quinze dias por parte do colégio, que será intimado por um oficial de justiça de plantão. 

Colégios religiosos são foco de resistência a desconto na mensalidade

Continua após a publicidade

+ Para assinar o conteúdo digital de VEJA RIO, clique aqui.

Publicidade