Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Da moda à gastronomia, ícones de outros tempos retornam à vida do carioca

Onda nostálgica impulsionada pela busca da sensação de aconchego se intensificou na pandemia, trazendo de volta do ovo de codorna com molho rosé a Pantanal

Por Renata Magalhaes Atualizado em 17 jun 2022, 09h19 - Publicado em 17 jun 2022, 06h00

Ovo de codorna com molho rosé: sim, de volta ao Chanchada Bar -

Ovo de codorna com molho rosé: sim, de volta ao Chanchada Bar

Exibida há mais de três décadas pela extinta TV Manchete, Pantanal, novela de Benedito Ruy Barbosa, se tornou, no atual remake da trama, um fenômeno que perpassa gerações e classes sociais. A releitura global, assinada pelo neto do autor, Bruno Luperi, vem batendo recorde atrás de recorde de audiência e de engajamento nas redes sociais. Tamanho sucesso fez a emissora colocar no radar a reedição de outro clássico, Xica da Silva, de 1996. O frenesi em torno da lenda de Maria Marruá, a mulher que vira onça, finca raízes em uma tendência mundial que ecoa no Brasil: ícones de outros tempos estão retornando sob o embalo de uma onda nostálgica que aflorou com força na pandemia e persiste depois dela. Do entretenimento ao consumo, passando por gastronomia, moda, música e decoração, percebe-se uma busca pelo conforto proporcionado por aquilo que nos é familiar. “Enquanto a expectativa de mudança em um futuro causa ansiedade, o passado é um terreno conhecido. Por isso, esse olhar para trás nos acompanha, como um eterno vale a pena ver de novo da vida”, explica Carol Fernandes, coordenadora do laboratório de tendências da Casa Firjan.

Só sucesso: Pantanal bateu recorde de engajamento nas redes sociais
Só sucesso: Pantanal bateu recorde de engajamento nas redes sociais ./TV Globo
Versão disco: hits de 1980 embalam festas como a Carnageralda -
Versão disco: hits de 1980 embalam festas como a Carnageralda CARNAGERALDA DISCO/Divulgação

Durante o isolamento pandêmico, tal “viagem no tempo” acentuou-se como poucas vezes se viu. E a ciência foi investigar as razões, trazidas à luz em um estudo conduzido por pesquisadores das Universidades de Southampton, na Inglaterra, e de Zhejiang, na China. Ele mostra que a lembrança de vivências que deixaram saudade eleva a sensação de felicidade e suaviza o peso da solidão. Além disso, diferentes gerações, forçadas a conviver sob o mesmo teto, começaram a trocar experiências, o que intensificou o interesse pelo passado. “Pude assistir ao tricampeonato do Ayrton Senna com os meus filhos e essas retrospectivas me inspiraram a resgatar outras memórias”, lembra o produtor Peck Mecenas, pai de dois meninos, de 7 e 14 anos. E assim ele pôs de pé o Rock Brasil 40 Anos, primeiro grande evento-teste no Rio pós-Covid-19, realizado em novembro, com shows de ícones da música nacional dos anos 1980. Depois de rodar o país e retornar para uma segunda etapa na cidade, o projeto provou o apelo do saudosismo ao reunir mais de 365 000 pessoas e ganhará sequência em 2023, com outro festival, batizado de Gangue 90, que vai contemplar a trilha sonora da década seguinte.

Está na moda: o shortinho de lycra da Bad Boy viralizou após clipe -
Está na moda: o shortinho de lycra da Bad Boy viralizou após clipe – Reprodução/Instagram
Continua após a publicidade

Foi uma banda das antigas, aliás, que despertou a veia nostálgica do restaurateur carioca Eduardo Araújo. Quando uma amiga na casa dos 20 e poucos anos começou a ouvir o grupo Depeche Mode, formado em 1980 na Inglaterra, ele resolveu pesquisar e descobriu um movimento nascido na Coreia do Sul chamado “newtro” (mistura da palavra “novo”, em inglês, com retrô), baseado na repaginação das ondas do passado. “Tinha tudo a ver com a proposta de resgate que eu busco para os meus bares, sempre com um olhar renovado”, conta ele, à frente de quatro espaços na cidade invariavelmente lotados. No Chanchada, em Botafogo, ele introduziu há pouco o ovo de codorna com molho rosé — agora marinado no shoyu. Mesmo trivial, virou um dos petiscos mais vendidos da casa. O sucesso de clássicos que atravessam as décadas se repete em seus outros negócios. Próximo dali, no Quartinho Bar dá para pedir um dry martini servido com azeitona na taça cupê, à la James Bond. No Café 18 do Forte, em Copacabana, o bloody mary vem com um enorme camarão, como nos coquetéis de outrora, enquanto o gastrobar Pope, em Ipanema, dispõe de carta só de negroni — drinque muito apreciado lá atrás que se tornou o mais pedido no mundo em 2021, segundo a publicação britânica Drinks International.

Nos embalos dos anos 80: a Blitz foi atração do festival Rock Brasil 40 Anos -
Nos embalos dos anos 80: a Blitz foi atração do festival Rock Brasil 40 Anos – Ricardo Nunes/Divulgação

Uma busca nos sites de comércio eletrônico fornece mais evidências de que produtos que até há pouco pareciam restritos ao universo dos colecionadores atraem renovada atenção. Após o início da pandemia, o Buscapé registrou um aumento de 139% no interesse por ofertas de vitrola e toca-discos. “Eu gosto do ritual que envolve um vinil, ouvir música vira uma experiência e a qualidade sonora nos transporta para outros tempos”, diz Daniel Martins, ex-baterista da banda Medulla e novo assinante do Noize Record Club, um clube de assinatura de vinis que viu aumentar em 200% o número de inscritos desde o início da pandemia. Letreiros de neon em alta na decoração, câmeras analógicas a tiracolo e noitadas com repertórios temáticos de distintas gerações são mais alguns exemplos da mania nostálgica que se espraia pela cidade. “Tem uma trinca que sempre deixa a pista cheia: Donna Summer, Thelma Houston e Sister Sledge”, lista Rosana Rodini, uma das sócias da festa Carnageralda, que já teve duas edições disco, com frequentadores que chegam montados a caráter com looks dos anos 1980. “Existe uma memória afetiva em torno desse tempo que faz o público se conectar”, acredita.

Mania nostálgica: Daniel Martins virou assinante de clube de discos de vinil -
Mania nostálgica: Daniel Martins virou assinante de clube de discos de vinil – Leo Lemos/Divulgação

Atire o primeiro chinelo Kenner o trintão que não teve suas memórias atiçadas pelo vídeo compartilhado nas redes das dançarinas Aline Maia e Juliete rebolando em Madureira ao som de Tati Quebra Barraco e DJ Marlboro. Hoje com mais de 3 milhões de visualizações, a gravação foi feita com o funk Montagem Guerreira, que alcançou a fama no início dos anos 2000. A dupla ainda vestia o shortinho de lycra inspirado na marca Bad Boy, clássico incontestável de quem viveu naquela época, usado também pela cantora Anitta em sua última festa de aniversário, em Los Angeles.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui 

“Nosso cérebro tende a registrar mais as coisas boas, por isso algumas memórias são até um pouco distorcidas da realidade. A nostalgia vem como uma descarga de dopamina que nos dá a oportunidade de reviver as coisas boas do passado”, esclarece a psiquiatra Analice Gigliotti. “É o que acontece quando colegas de turma se reúnem ou sentimos um cheiro de que gostávamos muito”, acrescenta. Isso ajuda a explicar o burburinho que o retorno de outros xodós do carioca, como o Tivoli Park e a loja de departamento Mesbla, provocou nas redes sociais. Recordar também é viver.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 12,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)