Continua após publicidade

Morre a atriz Léa Garcia, prestes a ser homenageada no festival de Gramado

Com mais de cem produções no currículo, atriz de 90 anos ainda estava na ativa e negociava para atuar no remake da novela Renascer, da TV Globo

Por Redação VEJA RIO Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 15 ago 2023, 12h19 - Publicado em 15 ago 2023, 12h18

Prestes a ser homenageada com o Troféu Oscarito durante a 51ª edição do Festival de Cinema de Gramado, no Rio Grande do Sul, a atriz Léa Garcia morreu na madrugada desta terça (15). A artista de 90 anos sofreu um infarto agudo do miocárdio, segundo o Hospital Arcanjo São Miguel, para onde a atriz foi encaminhada, mas chegou sem vida.

+ Os próximos passos de Preta Gil no tratamento após retirada de tumor

A morte foi anunciada no perfil oficial da atriz no Instagram (veja o post abaixo). Nos comentários da publicação, artistas e personalidades expressaram a dor em perder Léa e exaltaram o seu grande legado. “Não estou acreditando… Fique com Deus”, escreveu a atriz Laura Cardoso, que será também homenageada pelo festival com o Oscarito. “Tristeza profunda pela passagem de Dona Léa. Consola saber que ela partiu sendo amada, reverenciada, num dos templos do ofício que escolheu. Viva Dona Léa!”, comentou a jornalista Flávia Oliveira.

View this post on Instagram

A post shared by Léa Garcia (@leagarciaeumesma)

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

Com nove décadas de vida e mais de setenta anos de trajetória artística, Léa Garcia somava mais de cem produções de teatro, cinema e televisão no currículo. A atriz carioca, nascida na Praça Mauá, consolidou sua carreira com papéis memoráveis em produções como Selva de Pedra, Xica da Silva, O Clone e Escrava Isaura, o maior sucesso de sua carreira. Em 1957, foi indicada ao prêmio de melhor interpretação feminina no Festival de Cannes por sua atuação em Orfeu Negro, ganhador em 1960 do Oscar de melhor filme estrangeiro.

Em nota, o Festival de Cinema de Gramado ressaltou que a artista “foi peça fundamental na quebra da barreira dos personagens tradicionalmente destinados a atrizes negras” e que se tornou “uma referência para jovens atores e admirada pela qualidade de suas atuações”. A atriz ainda estava ativa na atuação, tendo participado dos longas Barba, Cabelo e Bigode, Pacificado e O Pai da Rita em 2022, e estava em negociações com a TV Globo para atuar no remake da novela Renascer. 

Continua após a publicidade

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

No festival, Léa já havia conquistado quatro Kikitos, com Filhas do Vento, Hoje tem Ragu e Acalanto. Confira abaixo a nota completa do evento:

View this post on Instagram

A post shared by Festival de Cinema de Gramado (@festivaldecinemadegramado)

Continua após a publicidade
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Tudo o que a cidade maravilhosa tem para te
oferecer.
Receba VEJA e VEJA RIO impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.