Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Sean Penn, o exemplo: ator investe 10 milhões para ajudar Rio na pandemia

ONG criada pelo americano entrará em ação para aumentar a capacidade de testagem da população carioca e comprar medicamentos

Por Da Redação 26 abr 2021, 12h19

Criada por Sean Penn em 2010 para ajudar as vítimas do terremoto do Haiti, a ONG Core (sigla em inglês para Community Organized Relief Effort) vai investir 10 000 000 em iniciativas para tentar frear a escalada do coronavírus no Rio. Pelo menos cinco polos de vacinação contra a Covid-19 serão criados na capital na primeira fase de uma parceria da ONG com a prefeitura, que inclui também ações para a testagem da população e a compra de medicamentos e kits intubação.

Covid-19: Rio vacina grupos prioritários entre 59 e 57 anos nesta semana

Integrantes da Core desembarcam nesta segunda (26) na cidade, e a previsão é que no sábado (1) o posto de vacinação do Parque Olímpico, na Barra, comece a ter sua capacidade de atendimento ampliada, assim como o posto da quadra da Portela, em Madureira.

Baía de Guanabara vira Havaí e surfistas pegam as maiores ondas do Brasil

Macropolos serão criados também na UPA de Manguinhos, na quadra da Mocidade, em Padre Miguel, e na Vila Olímpica do Alemão. Esta vai ser a primeira iniciativa da organização durante a pandemia fora dos Estados Unidos, onde vem atuando fortemente em parceria com os governos locais.

Rio registra madrugada mais fria do ano pelo segundo dia consecutivo

No Rio, a Core ficará responsável pelas estruturas e pela contratação de pessoal para atuar nestes macropolos, o que deve ser feito em caráter de urgência. A preocupação maior é com a ampliação das faixas etárias que serão imunizadas e a inclusão da população mais jovem, o que aumentará consideravelmente o contingente a ser vacinado. É preciso, então, adequar a oferta à procura.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade