Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Como a corrida tem transformado a vida de mulheres do Complexo da Maré

Repórter e apresentadora Carol Barcellos está à frente de projeto que incentiva a prática entre mulheres da comunidade

Por Renata Magalhaes Atualizado em 13 jul 2022, 21h32 - Publicado em 15 jul 2022, 08h00

Era 1967, e Kathrine Switzer cravou seu nome na história ao se tornar a primeira mulher a completar a Maratona de Boston. Pelo regulamento, qualquer um poderia se inscrever na competição, mas tradicionalmente apenas homens participavam das corridas de rua. O feito rendeu um emblemático registro, em preto e branco, de um dos diretores da prova tentando retirar à força — isso mesmo — a jovem americana da pista. Meio século depois, seu legado continuou sendo fonte de inspiração mundo afora.

Compartilhe essa matéria via:

“Durante uma entrevista, Kathrine me desafiou a encontrar uma forma de devolver ao esporte um pouco do que ele tinha me dado”, lembra Carol Barcellos, apresentadora e repórter da TV Globo há quase duas décadas. Carol então procurou a área de Responsabilidade Social da empresa, que a colocou em contato com a ONG Luta pela Paz, fundada no Complexo da Maré, com a qual lançou o projeto Destemidas.

O objetivo é transformar a vida e empoderar mulheres da comunidade através da corrida. “É muito bonito ver a confiança que um ato tão simples, como colocar um pé na frente do outro, desperta em cada uma delas”, entusiasma-se Carol.

“É muito bonito ver a confiança que um ato tão simples, como colocar um pé na frente do outro, desperta em cada uma. Isso se reflete em vários âmbitos da vida delas”

É claro que a corrida traz inúmeros benefícios à saúde, como melhorar a condição cardíaca e ajudar no sistema respiratório, mas a missão do Destemidas vai ainda mais longe: “É sobre acolhimento, parceria e autonomia. Quero mostrar novas perspectivas de um mundo que é grande, fazer com que elas acreditem que podem sempre mais”, afirma Carol, que já superou a marca de 250 quilômetros percorridos numa maratona do árido Deserto do Atacama.

Além de dois treinos semanais, realizados em uma quadra poliesportiva na Maré, as quase cinquenta mulheres que já participaram do projeto se reúnem em encontros mensais em algum ponto da cidade — Aterro do Flamengo, Lagoa Rodrigo de Freitas e Praia de Copacabana estão entre eles. Elas também recebem acompanhamento de preparador físico, nutricionista e psicólogo.

“Já me questionei se esse trabalho fazia sentido e se tinha mesmo impacto e, sim, o retorno é bastante positivo. Elas conquistam uma segurança que se reflete em vários âmbitos da vida delas”, celebra Carol. Como se vê, ela soube aproveitar muito bem os conselhos de Kathrine.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 12,90/mês