Clique e assine por apenas 4,90/mês

Camarote Arara por Veja Rio: estreia nota 10 no Carnaval

A animação madrugada adentro dos convidados que sacudiram o espaço mais badalado da Sapucaí nas três noites de desfile do Grupo Especial

Por Redação VEJA RIO - Atualizado em 9 mar 2020, 10h31 - Publicado em 6 mar 2020, 17h57

Muito neon em alusão aos anos 80, menu assinado por Alex Atala com pitadas de Claude Troisgros e Daniel Boulud (o estrelado chef francês radicado em Nova York), bebidas para os mais ecléticos paladares e atrações musicais de primeira entre uma escola e outra. A jovem sambista Thais Macedo comandou os shows e recebeu no palco estrelas como Criolo, Marcelo D2, Jorge Aragão, Mart’nália, Xande de Pilares, Monarco, Roberta Sá. Assim foi a estreia do Camarote Arara por VEJA RIO na Sapucaí, que recebeu 1 200 convidados por dia no espaço nobre localizado no setor 8 do Sambódromo, bem em frente ao segundo recuo da bateria, onde o desfile ferve. “O objetivo era promover uma festa que não ofuscasse toda a beleza da avenida, que deve ser o foco. Acho que conseguimos”, disse Malu Barretto, responsável, ao lado do sócio Pedro Igor Alcântara, pelo Baile da Arara, festejo que começou despretensiosamente, entre amigos, e se tornou o evento de maior burburinho da folia carioca.

O trabalho teve início há quatro meses, quando a dupla se debruçou sobre o desafio de dar forma ao camarote. Das camisas assinadas pela Osklen aos acessórios da estilista Isabela Capeto, dos drinques servidos no bar da Tanqueray ao banho de purpurina da Stella Artois, eles supervisionaram todos os detalhes. O clima era de folia em grau máximo — leia-se: convidados sambando incansáveis até o sol nascer (e mesmo além disso) durante os três dias de desfiles do Grupo Especial na Marquês de Sapucaí. No sábado das campeãs, no dia 29, nem a tempestade que despencava sobre a cidade diminuiu a euforia entre os que ocupavam a frisa, debaixo de muita água, para ver as vencedoras do Carnaval 2020. Detalhe: a turma ainda teve gás para entrar na avenida do samba, após a passagem da campeã Viradouro, e atravessá-la sob o embalo da bateria do Bloco da Arara. E, mesmo antes de a Quarta-Feira de Cinzas se anunciar, pondo o ponto-final na temporada momesca deste ano, os organizadores já faziam altos planos para 2021. Preparem-se.

Publicidade