Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Carioca Nota 10: Fabricio Boliveira e a representatividade negra no cinema

Em uma atitude transformadora, o ator criou um banco de talentos para impulsionar artistas negros no setor audiovisual

Por Renata Magalhães Atualizado em 20 ago 2021, 10h24 - Publicado em 20 ago 2021, 06h00
Atitude transformadora: criou um banco de talentos virtual para impulsionar artistas negros -
Fábio Boliveira: artista também criou um curso gratuito voltado para jovens negros, indígenas, transexuais e em situação vulnerável – Estevam Avellar/TV Globo

Diz um antigo provérbio africano: “Até que os leões tenham seus próprios historiadores, as histórias de caçadas continuarão glorificando o caçador”. Quando se viu em meio a discussões sobre o protagonismo racial no cinema, o ator Fabricio Boliveira, 39 anos, logo resgatou o aforismo, lembrado pelo escritor uruguaio Eduardo Galeano no conto A Desmemória.

+ Luciano Szafir e as sequelas da Covid:“Luto para não cair em depressão”

A ideia nele embutida embalou, no início do ano, a criação do projeto Elenco Negro, que busca fortalecer a presença desses profissionais no mercado audiovisual. Através das plataformas digitais, Boliveira fez uma espécie de portfólio virtual, em que atores e atrizes podem se cadastrar gratuitamente e exibir seus trabalhos, além de prestar ajuda na elaboração do material de divulgação e no contato com produtores e diretores.

+ Por que o Rio lidera o ranking de intolerância contra religiões de matriz africana

“É uma forma de jogar luz nesses artistas, revelar novos talentos e, ao mesmo tempo, fornecer ferramentas para que se preparem para as demandas do streaming e a retomada do mercado no pós-­pandemia”, explica.

Continua após a publicidade

“A representatividade ainda está mais no desejo do que na prática. Precisamos construir caminhos para que os artistas negros possam crescer”

A iniciativa foi inspirada em um relevante trabalho realizado por Zezé Motta nos anos 1990, o Centro Brasileiro de Informação e Documentação do Artista Negro, que Boliveira reconhece ter feito toda a diferença em sua carreira e na de vários colegas. Não por acaso a atriz tornou-se madrinha do atual projeto, que já conta com quase 600 inscritos do Rio, alguns deles apadrinhados por nomes consolidados, como Ailton Graça, Rodrigo França e Babu Santana.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

“A representatividade hoje ainda está mais no desejo do que na prática. Precisamos construir caminhos para que artistas negros possam crescer e consolidar sua participação na indústria de forma efetiva e nos mais diferentes espaços”, frisa Boliveira, que também encabeçou, em 2021, o CDF — Cinema do Futuro, curso gratuito voltado para jovens negros, indígenas, transexuais e adolescentes em situação de vulnerabilidade social.

+ Seu Jorge: como se não bastasse, ele ainda cozinha e faz tricô

Em apenas três dias, foram mais de 500 interessados. Uma janela vital para que se abram oportunidades a todos.

Continua após a publicidade

Publicidade