Hereditário

Tipos de Gêneros dramáticos: Terror
Veja Rio:

Resenha por Miguel Barbieri Jr

Hereditário vem sendo comparado a O Exorcista, sobretudo por sua atmosfera de horror. Não é para tanto, embora fique, felizmente, muito distante dos filmes com sustos genéricos. O primeiro longa-metragem do diretor Ari Aster tem originalidade e fica complexo em seus minutos finais. Busca, assim, os espectadores que aprovaram A Bruxa e Ao Cair da Noite. Vale o aviso: quem procura o terror de fácil digestão deve mudar de sessão. Annie (Toni Collette) enterra a mãe e há revelações sobre seu passado traumático envolvendo mais duas perdas na família. Especialista em reproduzir ambientes em miniatura, ela recebe o apoio do marido (Gabriel Byrne) e do filho (Alex Wolff) após uma nova tragédia. Também roteirista, Aster utiliza elementos do sobrenatural numa história muito longa (mais de duas horas) e explicações para usar (bem) o cérebro. Direção: Ari Aster (Hereditary, EUA, 2018, 127min). 16 anos.

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.