Clique e assine por apenas 4,90/mês

Bingo — O Rei das Manhãs

Tipos de Gêneros dramáticos: Drama
Veja Rio:

Resenha por Miguel Barbieri Jr.

Luiz Maximiano/Divulgação

Premiado montador de Cidade de Deus, Tropa de Elite e RoboCop, Daniel Rezende estreia como diretor de longa-metragem em um trabalho primoroso. Com roteiro redondinho de Luiz Bolognesi e refinadíssima recriação de época, Bingo — O Rei das Manhãs enfoca a trepidante trajetória de Arlindo Barreto, hoje com 64 anos. Filho da atriz e jurada de calouros Márcia de Windsor (interpretada por Ana Lúcia Torre), Barreto foi ator de pornochanchadas e teve um filho com uma atriz de telenovelas. Pai sempre presente, tomou uma decisão arriscada ao fazer um teste, no SBT, para interpretar o palhaço Bozo (aqui trocado por Bingo), no início da década de 80. Fez sucesso. O vício em cocaína e as baladas, contudo, o levaram para outros caminhos. Mesmo sem dar nome aos “bois”, a trama traz à cena personagens reais (como a cantora Gretchen) envolvidos em situações polêmicas. O êxito está em dois lados: na sinceridade como a história é contada e na realização esfuziante de Rezende. Na pele do protagonista, um inquieto Vladimir Brichta (na foto) encontra seu melhor papel no cinema. Direção: Daniel Rezende (Brasil, 2017, 113min). 16 anos. M.B.Jr.

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.