Turismo

Navegue Temporada e Airbnb alugam barcos para turistas

Sites reúnem embarcações que vão de veleiros a iates de luxo para passar o fim de semana a bordo na costa fluminense

Por: Carolina Barbosa - Atualizado em

Low-Beer e MacPherson: mais de 100 embarcações para alugar no litoral do Rio
Low-Beer e MacPherson: mais de 100 embarcações para alugar no litoral do Rio (Foto: Felipe Fittipaldi)

Ninguém há de negar que as paisagens deslumbrantes que se descortinam pelo nosso litoral são um belo convite para um passeio de barco. Esse é um dos motivos que justificam o fato de o Rio ter o maior número de embarcações acima de 16 pés (cerca de 5 metros) do país, o que inclui veleiros, lanchas e iates. De olho nessa frota, que muitas vezes fica grande parte do tempo ociosa, vem se descortinando também uma ótima oportunidade de negócio. Velejadores há anos, o engenheiro de produção Thomas Low-Beer, atleta integrante da equipe de vela da Olimpíada 2016, e o administrador de empresas Norman MacPherson resolveram surfar nessa maré. Inspirada no exemplo do Alugue Temporada, voltado para o setor de imóveis, a dupla lançou no ano passado sua versão náutica. Trata-se do Navegue Temporada, site que reúne 250 embarcações, metade delas em águas fluminenses. No portal, é possível encontrar de modelos para esportes aquáticos, a partir de 80 reais por hora, ao iate de 62 pés, com três suítes, alugado pela cantora Rihanna em sua passagem pela cidade, em janeiro deste ano. Com capacidade para dezesseis passageiros, a diária está anunciada por 16 500 reais. “A ideia é fazer com o mercado náutico o que se fez no setor imobiliário. Hoje, você pode dormir numa mansão em qualquer lugar do mundo. Por que não alugar um barco?”, indaga MacPherson.

+ Passeios de barco pelos mares, baías, rios e canais revelam vistas inusitadas da cidade

Como acontece lá fora em portais do ramo que fazem sucesso, a exemplo do Boatbound, de San Francisco, e do Incrediblue, da Grécia, a página traz uma lista com os tipos de barco disponíveis e suas informações, como modelo, ano, descrição, capacidade e preço. Em maio deste ano, o ressegurador carioca Simon Zelenoy, 42 anos, optou por um confortável veleiro de 36 pés da Delta Yachts para passar um sábado com quatro colegas estrangeiros. O programa, que começou por volta das 11 horas e terminou no fim da tarde, incluiu passeio pelas Ilhas Cagarras e pela Baía de Guanabara, com uma parada em frente ao Bar Urca. “Foi uma experiência ótima, longe daquela bagunça de passeios em grupo e com a vantagem de não ter de se preocupar com a parte chata, como os gastos com manutenção”, conta o morador de Niterói. Se para o turista estrangeiro é uma forma de hospedagem na cidade e para o carioca uma nova alternativa de turismo, para o dono do barco o aluguel se torna uma boa oportunidade de amenizar os custos, o que vem atraindo cada vez mais interessados. “O consumo compartilhado está em alta, não só no setor imobiliário. No último ano, o número de embarcações registradas dobrou”, confirma Christian Gessner, diretor-geral do Airbnb no Brasil, gigante do setor de hospedagem que também oferece barcos por aqui.

Fonte: VEJA RIO