TEATRO

A vida como ela era

Com seis autores e três atores, Você Precisa Saber de Mim oferece encenação surpreendente

Por: Carlos Henrique Braz - Atualizado em

AVALIAÇÃO ✪✪✪

Renato Mangolin / Divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

Histórias de família, mesmo as banais, despertam interesse se enquadradas em uma narrativa original. É esse o caso da comédia dramática Você Precisa Saber de Mim, em cartaz no Espaço Tom Jobim. Quem puxa o fio condutor da trama é o jovem Miguel (Alexandre Nero), aficionado de árvores genealógicas e dedicado a registrar em vídeo fatos relevantes de sua vida para legá-los a seus descendentes. O rapaz também encontra um manancial de episódios de seus antepassados em um baú de cartas trocadas pelos bisavós. No decorrer da sessão, entre idas e vindas no tempo, outros personagens surgem e, interpretados pelo trio em cena, revelam-se parentes da mesma família em diferentes gerações. Um deles é a dona de casa Isadora (Gisele Fróes, a melhor do elenco), mãe de Miguel, porém mais afeiçoada à filha Louise (Luiza Mariani). Em um momento surrealista, e ótimo, o fantasma de Isadora instala-se debaixo da cama da moça e reaparece sempre que ela leva um namorado para o quarto.

Jefferson Miranda mantém o tom naturalista nas falas, em contraposição à ousada dramaturgia. O diretor também tratou de agilizar as marcações nos quatro pequenos palcos que circundam a plateia. Na inventiva cenografia de Miranda e Aurora dos Campos, o público acompanha a ação acomodado em cadeiras giratórias. Vale destacar ainda a qualidade dos figurinos do estilista Ronaldo Fraga e da iluminação de Tomás Ribas. Curiosidade: a peça tem mais autores do que atores. Traz textos de Jô Bilac, Henrique Tavares, Pedro Brício, Rodrigo Nogueira e Vitor Paiva costurados por Emanuel Aragão.

Você Precisa Saber de Mim (110min). 14 anos. Estreou em 14/8/2011. Espaço Tom Jobim ? Galpão das Artes (70 lugares). Rua Jardim Botânico, 1008, Jardim Botânico, ☎ 2274-7012. Sábado e domingo, 18h; segunda, 20h. R$ 30,00. Bilheteria: a partir das 14h (sáb. a seg.). IC. Estac. grátis. Até 3 de outubro.

Fonte: VEJA RIO