TEATRO

Tudo pode ser

Atração no Teatro do Leblon, O Estranho Caso do Cachorro Morto aborda a superação de limites impostos pelo autismo

Por: Rafael Teixeira

AVALIAÇÃO ✪✪

Selmy Yassuda
(Foto: Redação Veja rio)

Versão teatral do livro homônimo de Mark Haddon, o drama O Estranho Caso do Cachorro Morto levou sete prêmios Olivier, um dos mais importantes da Inglaterra, em sua montagem por lá. No centro da trama está o jovem Christopher (Rafael Canedo). Criado pelo pai (Thelmo Fernandes), ele sofre de um tipo de autismo que dificulta sua sociabilidade - em compensação, o rapaz tem enorme habilidade matemática. Certo dia, o cão da vizinha aparece assassinado e Christopher é acusado. Na busca pelo culpado, ele descobrirá um segredo ligado à sua mãe (Silvia Buarque). O que, a princípio, parece uma investigação juvenil se torna uma reflexão sobre as relações pessoais, diante das peculiaridades de cada indivíduo. Estaria de bom tamanho, mas o texto mostra indecisão ao enveredar por uma edulcorada lição de autoajuda. A direção de Moacyr Góes contrabalança essa dispersão com boas atuações do trio principal, em especial Canedo (100min). 10 anos. Estreou em 10/4/2014.

Teatro do Leblon - Sala Marília Pêra (462 lugares). Rua Conde Bernadotte, 26, Leblon, ☎ 2529-7700. → Quinta a sábado, 21h; domingo, 20h. R$ 50,00. Bilheteria: a partir das 15h (qui. a dom.). Cc: D, M e V. Cd: todos. IC. Estac. (R$ 4,00 a cada meia hora). Até 29 de junho.

Fonte: VEJA RIO