TEATRO

Desventuras em série

Sucesso nos anos 90, a comédia Qualquer Gato Vira-Lata Tem uma Vida Sexual Mais Sadia que a Nossa ganha remontagem

Por: Rafael Teixeira

AVALIAÇÃO ✪✪✪

Caio Gallucci/Divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

Montada pela primeira vez em 1998, a comédia Qualquer Gato Vira-Lata Tem uma Vida Sexual Mais Sadia que a Nossa, de Juca de Oliveira, tornou-se um daqueles fenômenos teatrais meio inesperados: atraiu cerca de 1?milhão de espectadores em quatro anos de temporada e ainda foi transposta para o cinema em um longa que ganhará continuação em 2015. Em cartaz no Teatro Vannucci, esta nova (e caprichada) montagem tem, como a original, a assinatura de Bibi Ferreira na direção, agora assistida por Rafaela Amado e André Garolli. Na trama, inspirada nas desventuras amorosas da filha do autor, a jovem Tati (Monique Alfradique) cultiva um namoro instável com Marcelo (Marcos Nauer), sujeito bronco, mais preocupado com sua forma física do que com o trabalho ou os estudos. Certo dia, durante uma palestra, ela entra em contato com as ideias do professor de biologia Conrado (Victor Frade), aparentemente sabedor de todas as soluções para consertar o relacionamento da moça. Não é preciso ser vidente para antever os rumos da história, mas eis aqui um caso em que a previsibilidade não compromete a diversão. Engraçado e perspicaz, o texto é valorizado pela sintonia do elenco e pela direção cheia de ritmo (90 min). 14 anos.

Teatro Vannucci (400 lugares). Rua Marquês de São Vicente, 52, Gávea, 3º piso (Shopping da Gávea), ☎ 2239-8545 e 2274-7246. → Quinta a sábado, 21h30; domingo, 20h30. R$ 80,00 (qui., sex. e dom.) e R$ 70,00 (sáb.). Bilheteria: a partir das 14h (qui. a dom.). IC. Estac. (R$ 6,00 por duas horas). Até 31 de agosto.

Fonte: VEJA RIO