TERROR E PÂNICO

Peça traz embate entre uma mulher e uma barata

Cláudia Mauro estrela Eu e Ela, primeiro texto para o teatro do jornalista e escritor Guilherme Fiuza

Por: Rafael Teixeira

AVALIAÇÃO ✪    

Eu e Ela
Cláudia Mauro e a barata, vivida por Stella Brajterman: texto de Guilheme Fiuza (Foto: Desiree do Valle/Divulgação)

Sozinha em casa, Bárbara (Cláudia Mauro) se vê diante do seu pior medo: uma barata. A situação a deixa histérica e começa a trazer à tona problemas como o fracasso do seu casamento e sua insatisfação no trabalho. Conhecido por biografias como a do produtor musical e ex-traficante João Guilherme Estrella e a do humorista Bussunda, Guilherme Fiuza não logra o mesmo êxito na comédia Eu e Ela, sua estreia no teatro. A boa premissa, de desdobrar uma situação banal em uma investigação sobre questões mais profundas, fica no meio do caminho, diluindo tanto o lado pretensamente sério do texto quanto sua comicidade. O desenrolar da trama soa repetitivo e suas reflexões, algo rasas — sensação que a direção de Ernesto Piccolo não chega a dirimir. Escoltada por André Dale e Stella Brajterman em papéis secundários, Cláudia empresta algum carisma à personagem (60min). 14 anos. Estreou em 9/1/2015.

Teatro Ipanema (222 lugares). Rua Prudente de Morais, 824, Ipanema, ☎ 2267-3750. → Sexta e sábado, 21h; domingo, 20h. R$ 40,00. Bilheteria: a partir das 14h (sex. a dom.). Até domingo (8).     

Fonte: VEJA RIO