MUSICAL

Ópera do Malandro, um clássico de cara nova

Obra de Chico Buarque ganha montagem por João Falcão com elenco quase inteiramente masculino

Por: Rafael Teixeira

AVALIAÇÃO ✪✪✪

Ópera do Malandro
Fábio Enriquez e Moyseis Marques: nos papéis de Teresinha e do malandro Max Overseas (Foto: Leo Aversa)

Para quem nunca assistiu a uma montagemdo musical escrito por Chico Buarque em 1978,não deixa de ser surpreendente encontrar canções que ganharam vida própria ao longo dos anos — caso de Folhetim, O Meu Amor, Geni e o Zepelim e Teresinha — inseridas na estrutura dramática para a qual foram originalmente concebidas. Já para quem conhece bem a trama, a maior surpresa na montagem de João Falcão é mesmo a opção por um elenco quase inteiramente masculino. Treze atores se desdobram entre papéis de homens e mulheres, enquanto a única atriz, Larissa Luz, encarna João Alegre, uma espécie de narrador da história. Inspirada em A Ópera do Mendigo (1728), de John Gay, e A Ópera dos Três Vinténs (1928), de Bertold Brecht e Kurt Weill, mas ambientada no Rio dos anos 40, a peça conta a história do contrabandista Max Overseas (o cantor e compositor Moyseis Marques, em sua estreia no teatro). Ao se casar com Teresinha (Fábio Enriquez), ele atrai para si a ira do paida moça, o cafetão Duran (Ricca Barros),que encomenda o assassinato do sujeitoao chefe de polícia Chaves (Alfredo Del-Penho). Como já havia feito no acertado musical Gonzagão — A Lenda (cujo elenco, aliás, está quase todo aqui), Falcão aposta em um visual estilizado, notadamente em figurinos, perucas e maquiagem. Graças à qualidade dos atores, o aproveitamentode homens em papéis femininos se vale dos aspectos cômicos inerentes à escolha do diretor, sem resvalar no grotesco. Na pele do malandro, Marques compõe uma figura cativante aos olhos do público. Há que destacar, porém, as marcantes atuaçõesde Fábio Enriquez, Adrén Alves (radiante como Vitória, mulher de Duran) e Eduardo Landim, na pele do travesti Geni (150min, com intervalo). 14 anos. Estreou em 8/8/2014.

Theatro Net Rio — Sala Tereza Rachel(622 lugares). Rua Siqueira Campos, 143 (Shopping dos Antiquários), 2º piso, Copacabana, ☎ 2147-8060, ↕ Siqueira Campos. Quinta e sexta, 21h; sábado, 21h30; domingo, 20h. R$ 100,00 (balcão)e R$ 150,00 (plateia, mezanino e frisas). Bilheteria: a partir das 10h (qui. a dom.). Cc: D, M e V. Cd: todos. IR. Estac. (no shopping. Rua Figueiredo Magalhães, 598, R$ 30,00, preço único). Até dia 26.

+ Veja todas as peças em cartaz na cidade

Fonte: VEJA RIO