TEATRO

O que elas querem

O Teatro É uma Mulher, em cartaz no Teatro Ipanema, busca reflexões sobre a feminilidade

Por: Rafael Teixeira - Atualizado em

AVALIAÇÃO ✪✪

Paula Kossatz/divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

Candidatos a traduzir a ?alma feminina? nunca faltaram. Jovem e requisitado dramaturgo, Rodrigo Nogueira, o voluntário da vez, é autor e diretor de O Teatro É uma Mulher, espetáculo em cartaz no Teatro Ipanema. Ele divide a empreitada com um elenco formado apenas por atrizes: Malu Valle, Alessandra Colasanti, Luciana Borghi e Raquel Rocha.

Na história, Malu vive três personagens inquiridas por outras mulheres. É uma cantora entrevistada por uma repórter (Alessandra), uma ativista política interrogada por uma policial (Luciana) e encarna uma dona de casa questionada por uma terapeuta (Raquel). Conforme a peça avança, as personagens revelam mais do que aparentam a princípio, e as tramas se cruzam. O texto, apesar de bem engendrado, por vezes soa pretensamente filosófico, especialmente no fim. Além disso, seu tom oscila entre o cômico, o dramático e o tenso, impasse que o diretor não consegue resolver. O elenco, porém, segura as pontas ? nele, sobressaem Raquel, responsável pelos momentos mais engraçados, e, principalmente, Malu, premiada com o papel de maiores possibilidades.

O Teatro É uma Mulher (60min). 14 anos. Estreou em 13/1/2013. Teatro Ipanema (226 lugares). Rua Prudente de Morais, 824, Ipanema, ☎ 2267-3750. → Sexta e sábado, 21h; domingo, 20h. R$ 20,00. Bilheteria: a partir das 15h (sex. a dom.). Até domingo (3).

Fonte: VEJA RIO