TEATRO

O Duelo

Novela do escritor russo Anton Tchekov ganha ontagem da mundana companhia

Por: Rafael Teixeira - Atualizado em

AVALIAÇÃO ✪✪✪✪

Renato Mangolin/divulgaçÃo
(Foto: Redação Veja rio)

Em 2010, por ocasião dos 150 anos de nascimento de Anton Tchekov, a mundana companhia (assim mesmo, com minúsculas), de São Paulo, desenvolveu uma montagem com quatro atos pinçados de diferentes obras do autor: A Gaivota, Tio Vânia, O Jardim das Cerejeiras e As Três Irmãs. Percorridos esses clássicos escritos para o palco, o grupo embarcou em uma novela do escritor russo: O Duelo, publicada originalmente na forma de folhetim, entre outubro e novembro de 1891. Em cartaz no Espaço Tom Jobim, a montagem reitera a qualidade do trabalho da companhia ? marcado por pesquisa de linguagens, experimentações cênicas, senso de coletividade e arrojo estético. Aury Porto (um dos adaptadores do texto, ao lado de Vadim Nikitin) vive Ivan Laiévski, o protagonista por quem Nadiejda Fiódorovna (Camila Pitanga) abandona o marido para seguir até o Cáucaso, calorenta região ao sul da Rússia, banhada pelo Mar Negro. Ali, Laiévski faz amizade com o médico Samóilenko (Vanderlei Bernardino, excelente), mas seus alegados maus modos e o status de concubina de Nadiejda provocam certo mal-estar entre alguns moradores, em especial o zoólogo Von Koren (Pascoal da Conceição). Outros cinco atores completam o competente elenco, inteiramente entregue à proposta de tintas experimentais, mas sem hermetismo ? em um tour de force de quase quatro horas, diga-se. Sob direção inventiva de Georgette Fadel, o espetáculo reveste de vigorosa teatralidade uma obra cuja força reside na palavra escrita. Sem que se perca essa essência de vista, novos significados vão sendo incorporados por meio de elementos como música, adereços cenográficos (entre eles uma linda escultura do artista Franklin Cassaro) e a notável luz de Guilherme Bonfanti. Nesse sentido, há soluções visuais, regidas pela diretora de arte Laura Vinci, de efeito acachapante, como o mar representado na manipulação de um plástico preto (210min, com intervalo). 12 anos. Estreou em 6/2/2014.

Espaço Tom Jobim ? Teatro (120 lugares). Rua Jardim Botânico, 1008, Jardim Botânico, ☎ 2274-7012. Quinta a domingo, 20h. Devido ao Carnaval, não haverá sessão no sábado (1º) nem no domingo (2). R$ 30,00. Bilheteria: a partir das 14h (qui. a dom.). IC. Estac. grátis. Até dia 30.

Fonte: VEJA RIO