VON TRIER NOS PALCOS

Comédia O Chefe de Tudo é inspirada no Dogma 95

Adaptação de filme de Lars von Trier extrai humor da contenção de recursos defendida pelo movimento cinematográfico dinamarquês

Por: Rafael Teixeira

O Chefe de Tudo
Carlos Emilio Jacuá e Leonardo Paes Leme (de pé): o chefe e o ator que o interpreta com os demais empregados da firma (Foto: Guilherme Maia)

AVALIAÇÃO ✪✪✪     

Em março de 1995, os diretores dinamarqueses Thomas Vinterberg e Lars von Trier publicaram o Dogma 95, manifesto em defesa de um cinema mais realista e menos comercial. O documento consistia em uma lista de dez normas, apropriadamente conhecidas como “voto de castidade”: cenários artificiais, inserção de áudio captado separadamente da imagem, iluminação especial e até a inclusão do nome do diretor nos créditos eram alguns dos itens proibidos. Em cartaz no Sesc Casa da Gávea, a comédia O Chefe de Tudo, curiosamente, leva ao palco um filme de Von Trier que não se enquadra no decálogo, mas extrai humor da economia de recursos defendida por ele. Felipe Vasconcelos, também diretor da montagem, e Dorthe Roslev Bukh traduziram e adaptaram o roteiro de O Grande Chefe (2006). O personagem-título é Ravn (Carlos Emilio Jacuá), diretor de uma grande empresa que jamais se apresentou como tal a seus funcionários — ao contrário, para fugir das responsabilidades impopulares do cargo, vive entre eles como se fosse um empregado comum e inventa um presidente fictício, que moraria em uma cidade remota de outro país. Tudo vai bem até que ele decide vender a firma e o comprador exige negociar pessoalmente com o dono. Para resolver o problema, Ravn contrata Kristoffer (Leonardo Paes Leme), um ator, para interpretar o papel. Os inesperados e, por isso mesmo, divertidos caminhos da trama, bem defendida pelo elenco (formado por mais oito atores), já valeriam o ingresso. Mas há que destacar a ideia de fazer graça em cima das regras do Dogma 95. A impressora do escritório onde se passa a história, por exemplo, é de papelão e o barulho de seu funcionamento é emitido por uma caixinha de som que um dos atores segura (80min). 16 anos. Reestreou em 3/9/2014.

Sesc Casa da Gávea (40 lugares). Praça Santos Dumont, 116, Gávea, ☎ 2239-3511. Quarta e quinta, 21h. R$ 20,00. Bilheteria: a partir das 17h30 (qua. e qui.). Até dia 30.     

Fonte: VEJA RIO