TEATRO

Vedetes contemporâneas

Musical sobre a Praça Tiradentes visita os palcos de outrora com humor e repertório variado

Por: Carlos Henrique Braz - Atualizado em

AVALIAÇÃO ✪✪✪

Gulga Melgar / Divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

Gênero que encantou plateias do Rio a partir da segunda metade do século XIX, e ao longo de quase 100 anos, o teatro de revista foi revivido com sucesso por Eduardo Rieche e Gustavo Gasparani no premiado Oui, Oui... A França é Aqui!! A Revista do Ano, encenado em 2009. Os dois autores voltam à mesma fonte, e acertam mais uma vez, em As Mimosas da Praça Tiradentes. A novidade, agora, é um tom de zombaria emprestado do universo gay e indicado durante a sessão através de muitas citações. Números de vaudeville, com figurinos e cenários multicoloridos, um sucesso na mesma região do Teatro Carlos Gomes em tempos idos, dominam o espetáculo. Em vez de vedetes de pernas de fora, desfilam pelo palco seis bailarinos representando gogo boys e coristas.

Protagonista da trama, sobre a trupe de um cabaré empenhada em evitar o despejo, a Divina Rúbia interpretada por Marya Bravo é nitidamente inspirada na vedete Mara Rúbia (1919-1991). Única atriz no elenco, ela encerra o primeiro ato descendo uma escadaria e entoando I Will Survive ? mesmo tema cantado pela drag queen Zazá antes do intervalo no musical A Gaiola das Loucas. Dono da casa de shows, Lourival (Claudio Tovar) é um professor de história que se traveste de Lola. Homenageia, em cena, Norberto Chucri David (1939-2007), mais conhecido fora da sala de aula como Laura de Vison. Pitadas de história e humor, além do repertório que vai de Carmen Miranda a Frenéticas, servem de munição para o talento de Marya, Tovar e Gasparani ? irreconhecível sob os vestidos e a maquiagem do travesti Vanilla Cherry.

As Mimosas da Praça Tiradentes (110min). 12 anos. Estreou em 14/1/2012. Teatro Carlos Gomes (685 lugares). Praça Tiradentes, 19, Centro, ☎ 2232-8701. Quinta a domingo, 19h30. R$ 17,50 a R$ 60,00. Bilheteria: a partir das 11h (qui. e sex.); a partir das 14h (sáb. e dom.). IC. Até 25 de março.

Fonte: VEJA RIO