TEATRO

Três perguntas para Reynaldo Gianecchini

O ator estrela a adaptação de A Toca do Coelho, premiado drama do americano David Lindsay-Abaire, em cartaz no Teatro do Leblon

Por: Rafael Teixeira - Atualizado em

Alex Carvalho/Ag. O Globo
(Foto: Redação Veja rio)

Como foi trabalhar com o Dan Stulbach, estreante na direção? Foi maravilhoso. É a primeira vez dele como diretor profissional. Na verdade, ele faz isso há muitos anos, dando aula de teatro para atores amadores. Ele veio preparado e dirigiu divinamente.

Suas recentes escolhas de trabalhos no teatro, com autores e diretores de peso, fogem da imagem de galã da Globo. Isso é uma preocupação sua? Não penso nesse rótulo porque nunca me deixei limitar por essa imagem. Escolho os textos pensando na liberdade que me dão para testar outras coisas.

Seu personagem na novela Em Família terá uma doença grave. Como será reviver uma situação pela qual que você passou há três anos? O (autor) Manoel Carlos perguntou se eu me importava de reviver essa doença e eu disse que não. Tenho certeza de que ele vai conduzir tudo de uma forma bonita, assim como foi comigo, que saí dessa como um ser humano muito melhor, com outro jeito de encarar a vida.

Fonte: VEJA RIO