TEATRO

O som da vida

Boas atuações engrandecem o tocante drama Dueto para Um, sobre o embate entre uma violinista e seu terapeuta

Por: Rafael Teixeira - Atualizado em

AVALIAÇÃO ✪✪✪

Roberto Setton/divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

Em um dos momentos mais tocantes do drama Dueto para Um, a violinista Stephanie (Bel Kowarick) explica a seu psiquiatra, o doutor Feldmann (Marcos Damigo): tocar seu instrumento não é apenas um modo de ganhar a vida, mas a sua própria vida. Daí o pessimismo que a assalta quando a esclerose múltipla, diagnosticada recentemente, começa a impedi-la de se dedicar à música. Baseado na história real da violoncelista Jacqueline du Pré (1945-1987), um prodígio cuja carreira foi interrompida aos 28 anos devido à doença, o texto do inglês Tom Kempinski, escrito em 1980, leva a musicista a um embate com seu terapeuta. Stephanie é a raiva em pessoa, pronta para emperrar as sessões da maneira que for possível, enquanto Feldmann tenta ajudá-la a sair da inércia com uma distanciada serenidade. A partir daí, suscitam-se reflexões sobre os caminhos que escolhemos para nossas vidas - e a possibilidade de mudá-­los. Com uma cenografia absolutamente despojada, as atenções se concentram nos diálogos entre os personagens. A diretora Mika Lins valoriza esse aspecto na condução do elenco, e tanto Bel quanto Damigo aproveitam bem as possibilidades de seus papéis (90min). 14 anos. Reestreou em 30/11/2013.

Teatro do Jockey (150 lugares). Rua Mario Ribeiro, 410, Gávea, ☎ 3114-1286. → Sábado e domingo, 18h30. R$ 30,00. Bilheteria: a partir das 14h (sáb. e dom.). Estac. (R$ 4,00 por uma hora, mais R$ 3,00 a fração). Até dia 15.

Fonte: VEJA RIO