TEATRO

Feminina e plural

Atração em dois teatros, Anônimas sugere uma sessão de análise conjunta para levar ao palco relatos de mulheres

Por: Rafael Teixeira

AVALIAÇÃO ✪✪

Guga Melgar/divulgaçÃo
(Foto: Redação Veja rio)

Após quase 25 anos de carreira na TV, o diretor Roberto Naar, conhecido por novelas como Pantanal e A Favorita, sai da zona de conforto em Anônimas, sua primeira investida no teatro. Atração em dois espaços, o Midrash e o Teatro do Jockey, a montagem é despojada: no palco nu, mulheres sentadas em cadeiras simples, vestindo figurinos comuns e iluminadas de maneira uniforme, narram histórias pessoais. Proferidos como em uma sessão de análise conjunta, os relatos, alguns inteiramente fictícios e outros baseados em situações reais, foram escritos por Naar e sete das envolvidas no projeto: Carolina Floare, Mariana Cortines, Monica Bittencourt, Camilla Molica, Dayse Pozato, Roberta Teixeira e Thiana Bialli. Elas e outras quinze atrizes integram o elenco, mas sobem ao palco apenas cerca de doze nomes por sessão. Os textos por vezes resvalam em certo lugar-comum, mas a desenvoltura da maioria das moças sustenta o interesse (50min no Midrash Centro Cultural, 75min no Teatro do Jockey). 16 anos. Estreou em 25/7/2014.

Midrash Centro Cultural (80 lugares). Rua General Venâncio Flores, 184, Leblon, ☎ 2239-1800. Quarta e quinta, 21h. R$ 40,00. Bilheteria: a partir das 18h (qua. e qui.). Até dia 28. Teatro do Jockey (84 lugares). Rua Mario Ribeiro, 410, Gávea, ☎ 3114-1286. → Sexta a domingo, 21h. R$ 40,00. Bilheteria: a partir das 15h (sex.); a partir das 14h (sáb. e dom.). CI. Estac. (R$ 15,00, preço único). Até 7 de setembro.

Fonte: VEJA RIO