SHOWS

Milton Nascimento

Milton Nascimento volta ao Rio com o show Clube do Milton, um espetáculo diferente que estreia no sábado (11), na Fundição Progresso

Por: Rachel Sterman - Atualizado em

recomenda-shows-abre.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Aos 71 anos, o cantor carioca de nascimento e mineiro de coração tem esbanjado vitalidade. Para celebrar meio século de carreira, completado em 2012, ele rodou por Brasil, América Latina, Estados Unidos e Europa defendendo o repertório do show Uma Travessia. Mal terminou o giro internacional, já volta ao palco com outra novidade: Clube do Milton, um espetáculo diferente que estreia no sábado (11), na Fundição Progresso. Em sua casa no Itanhangá, ele promove encontros com amigos de várias gerações. Inspirado por essas ecléticas rodas de papo e música, vai dividir a apresentação com quatro convidados: o pianista Wagner Tiso e o cantor Lô Borges, seus parceiros no histórico LP Clube da Esquina (1972), o paulista Criolo e o cantor português António Zambujo.

Ao lado dos dois primeiros, Milton interpreta clássicos como Coração de Estudante e Nos Bailes da Vida. Na companhia de Zambujo, expoente do fado contemporâneo com quem se apresentou no ano passado, em Lisboa, para mais de 20?000 pessoas, exibe uma nova versão de Travessia. Caçula da turma, o rapper Criolo partilha faixas de seu elogiado primeiro disco, Nó na Orelha, em duos com o anfitrião. Juntos, eles também vão cantar Cálice ? a bela composição de Milton Nascimento e Chico Buarque ganhou uma paródia feita por Criolo elogiada abertamente pelos dois autores. A banda escalada para acompanhar o quinteto é formada por instrumentistas que tocam com o dono da festa há tempos: Wilson Lopes (guitarra), Lincoln Cheib (bateria), Kiko Continentino (piano), Widor Santiago (metais) e Gastão Villeroy (baixo). 18 anos.

Fundição Progresso (4?000 pessoas). Rua dos Arcos, 24, Lapa, ☎ 3212-0800. → Sábado (11), 0h. R$ 80,00 (1º lote) a R$ 140,00 (4º lote). Bilheteria: 12h/14h e 15h/20h (seg. a sex.); a partir das 12h (sáb.). www.fundicaoprogresso.com.br.

Fonte: VEJA RIO