SHOWS

O embrião da nova Lapa

Fundamental para o renascimento cultural da região, o grupo Semente se apresenta no Centro

Por: Rafael Sento Sé - Atualizado em

roteiro-shows-abre.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Nos anos 90, a Lapa era a imagem esmaecida de um passado pujante na noite carioca. A região historicamente boêmia vivia um período de ostracismo. Uma das raras exceções em sua paupérrima programação artística era o grupo Semente, que, no fim daquela década, batia ponto no bar homônimo na Rua Joaquim Silva, no sopé dos Arcos. O nome hoje parece profético, pois o conjunto germinou o renascimento daquele pedaço da cidade, que neste século recuperou sua vocação para a vida noturna e exibe uma vasta oferta de bares e atrações musicais. Apesar da ausência de duas peças-chave daquela época ? a cantora Teresa Cristina, que passou a privilegiar a carreira-solo, e o vocalista e pandeirista Pedro Miranda, que deixou a formação ?, o Semente segue firme com seus shows, que inspiraram o surgimento de muitos outros conjuntos importantes para a retomada cultural da Lapa.

Na quinta (29), João Callado (cavaquinho), Bernardo Dantas (violão de sete cordas), Bruno Cunha (voz e percussão), Marcos Esguleba (percussão) e Mestre Trambique (surdo) sobem ao palco do Centro Cultural Carioca, perto da Praça Tiradentes, para exibir seu trabalho. Marca do início da trajetória, o repertório recheado de canções de Paulinho da Viola ganhou a companhia de Martinho da Vila (Disritmia), Roque Ferreira (Samba de Dois) e Chico Buarque (A Volta do Malandro). Temas próprios dos integrantes do grupo enriquecem o espetáculo. Em parceria com Mauro Aguiar, João Callado assina Na Maciota. Mais experiente da turma, o craque da percussão Mestre Trambique compôs Mestre Marçal em homenagem ao grande diretor de bateria. Outra novidade é Ideia, de autoria de Bernardo Dantas.

Semente. 18 anos. Centro Cultural Carioca (200 lugares). Rua do Teatro, 37, Centro, ☎ 2252-6468, ? Carioca. Quinta (29), 20h30. R$ 20,00. Cd: R e V. www.centroculturalcarioca.com.br.

Fonte: VEJA RIO