quadro a quadro

A feira nas suas mãos

Com este guia, você não se perde no meio dos estandes

- Atualizado em

Divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

Não é todo dia que se vê uma feira de negócios já nascer tão grande. Com a presença confirmada de 43 galerias nacionais e trinta estrangeiras, dividindo uma área de 7?000 metros quadrados em dois armazéns no Píer Mauá, a ArtRio Feira Internacional de Arte do Rio de Janeiro surge para preencher uma lacuna do mercado brasileiro do setor. O evento abrirá seus portões ao público na próxima quinta-feira (8), com o objetivo de movimentar algo em torno de 50 milhões de reais. Juntando a matemática fria dos números com as criativas propostas da produção, que vão além do esperado compra e vende do balcão, é possível afirmar sem medo de carregar nas tintas: nunca houve uma feira como esta no país. Por trás da iniciativa estão os empresários Luiz Calainho e Alexandre Accioly, além de Elisangela Valadares e Brenda Valansi Osorio, responsáveis pelo conceito do projeto. Foram elas que, em 2009, decidiram que não iam pensar pequeno. E, ao lado de autoridades municipais, estaduais e do governo federal, lutaram para manter de pé os dois principais pilares de suas ideias.

Divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

Primeiro, que todas as obras tivessem isenção de ICMS. Sem o imposto, o preço de cada peça fica 18% mais barato, e isso faz o maior sentido quando se sabe que os produtos desse setor costumam custar milhares, às vezes milhões, de reais.O segundo ponto de que não abririam mão era que as galerias participantes tivessem qualidade e relevância. Por isso, não convidaram nenhuma loja, e sim "abriram concurso". Ninguém garantiria vaga só por pagar pelo espaço. Cerca de 150 lojas se inscreveram, para, ao fim, 73 serem aprovadas por um conselho curador. É bom frisar: trata-se de uma feira de arte moderna e contemporânea. Por isso, ninguém verá quadros acadêmicos ou obras do século XIX à mostra nos boxes.

Divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

O visitante constatará, em seu passeio pelos armazéns, a atual força das instalações e também o domínio do que se chama "conceito de obra", que hoje em dia se impõe a qualquer critério de natureza estritamente estética. Galeristas, marchands, mecenas modernos e, não se envergonhe, pessoas comuns ? estão todos convidados a fazer parte de um acontecimento inédito, e histórico. VEJA RIO preparou este guia para que seus leitores aproveitem ao máximo a primeira edição da feira. No meio do encarte, há um mapa indicando onde cada atração se encontra e, na contracapa, a relação de endereços, horários e preços do evento. Divirta-se. E ? se for o caso ? aproveite para comprar muito também.

Fonte: VEJA RIO