ROTEIRO DA SEMANA

Exposições

Percorremos as melhores exposições da semana para indicar o que você não pode perder

Por: Rafael Teixeira - Atualizado em

ESTREIAS

Clare Andrews

Quarenta trabalhos da escocesa, pinçados da série Deeds Not Words, são exibidos na mostra de mesmo nome. Em telas pintadas a óleo, ela retrata cenas do movimento sufragista feminino. No mesmo dia, outra exposição de espírito semelhante abre na Graphos: trata-se de Mulheres, Chegamos, com pinturas, esculturas, fotografias, instalações e cartazes de artistas do sexo feminino, como Anna Bella Geiger e a portuguesa Susana Anágua. De R$ 4?000,00 a R$ 130?000,00.

Graphos: Brasil. Rua Siqueira Campos, 143 (Shopping dos Antiquários), sobreloja 11, Copacabana, ☎ 2256-3268 e 2255-8283. Segunda a sexta, 11h às 19h; sábado, 11h às 18h. Grátis. Até 12 de abril. A partir de segunda (10).

Design Brasileiro, Moderno e Contemporâneo Cerca de oitenta peças de dezesseis criadores compõem a exposição, que conta, assim, a história do design de móveis no Brasil. Entre os nomes reunidos estão Lina Bo Bardi, Sérgio Rodrigues e os Irmãos Campana.

Caixa Cultural - Galerias 2 e 3. Avenida Almirante Barroso, 25, Centro, ☎ 3980-3815, ? Carioca. Terça a domingo, 10h às 21h. Grátis. Até 4 de maio. A partir de quinta (13).

Lilyen Vass Conhecida e premiada por seus projetos em videodança, a artista paulista apresenta a videoinstalação Voz, que também tem como ponto de partida uma reflexão sobre o corpo em movimento.

Caixa Cultural - Sala Margot. Avenida Almirante Barroso, 25, Centro, ☎ 3980-3815, ? Carioca. Terça a domingo, 10h às 21h. Grátis. Até dia 30. A partir de sexta (14).

Tino Sehgal

Atual vencedor do Leão de Ouro na Bienal de Veneza e um dos finalistas do Turner Prize, em 2013, o prestigiado artista inglês radicado em Berlim apresenta seu trabalho pela primeira vez no Brasil. Sua obra, baseada no conceito de performance, não depende de suporte físico. Em These Associations, que leva à rotunda do CCBB, cerca de cinquenta pessoas caminham pelo espaço em uma coreografia ensaiada, param para relatar suas próprias histórias aos visitantes e, em seguida, voltam a andar.

Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Primeiro de Março, 66, Centro, ☎ 3808-2020. → Quarta a segunda, 9h às 21h. Grátis. Até 21 de abril. A partir de quarta (12).

EM CARTAZ

Acervo MAM - Obras Restauradas

Trata-se de uma coletiva de treze trabalhos (a maioria óleos sobre tela) da coleção do museu restaurados recentemente. No acervo, que reúne nomes nacionais e internacionais, um dos destaques é a pintura Forma em Evolução (1952), de Ivan Serpa.

Museu de Arte Moderna. Avenida Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo, Centro, ☎ 3883-5600. → Terça a sexta, 12h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 19h. R$ 12,00. A bilheteria fecha meia hora antes. Pessoas com mais de 60 anos pagam R$ 6,00. Grátis para amigos do MAM, menores de 12 anos e, na quarta, a partir das 15h, para todos. Aos domingos vigora o ingresso-família: pagam-se R$ 12,00 por grupo de até cinco pessoas. Estac. (R$ 5,00 para visitantes

do museu). Até 13 de abril.

✪✪✪ Amor, Amor, Amor Primeira mostra de 2014 no CCBB, a coletiva reúne 45 imagens, uma série fotográfica e dois vídeos do acervo da Maison Européenne de la Photographie (MEP), de Paris, que representam as mais distintas formas de amor pelo olhar de 23 fotógrafos. Há nomes como Henri Cartier-Bresson, Robert Doisneau e Pierre Verger. Curadoria de Jean-­Luc Monterosso e Milton Guran.

Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Primeiro de Março, 66, Centro, ☎ 3808-2020. → Quarta a segunda, 9h às 21h. Grátis. Até dia 31.

✪✪✪ Araújo Porto-Alegre A exposição traz cerca de quarenta obras de Manuel de Araújo Porto-Alegre (1806-1879), pinçadas do acervo de iconografia brasileira do IMS. Foram reunidos aquarelas, esboços, desenhos feitos com grafite e nanquim, além de textos, poemas e projetos de arquitetura e cenografia. Trabalhos de artistas como Debret e Rugendas são também exibidos, travando um interessante diálogo com a obra de Araújo Porto-Alegre.

Instituto Moreira Salles. Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea, ☎ 3284-7400. → Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis. Estac. grátis. Visitas guiadas de terça a sexta, às 17h. Até 13 de abril.

BRICS

Como seu nome sugere, a coletiva de vídeo e fotografia reúne alguns dos mais importantes artistas do bloco de países emergentes conhecido como Brics: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Entre os brasileiros estão Silvino Santos, Cao Guimarães, Paulo Nazareth, Romy Pocztaruk e Juliana Stein.

Oi Futuro Flamengo. Rua Dois de Dezembro, 63, Flamengo, ☎ 3131-3060, ? Largo do Machado. → Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis. Até 6 de abril.

✪✪✪ Cavalcante Primeira retrospectiva do caricaturista carioca, a mostra reúne 114 trabalhos produzidos ao longo de mais de 25 anos de uma sólida carreira. Entre as personalidades retratadas em seu inconfundível traço estão Vinicius de Moraes, Nelson Cavaquinho, Cartola, Romário, Dilma Rous­seff, Hugo Chávez e Manuel Bandeira. Além das caricaturas, há ilustrações em nanquim, esboços inéditos, objetos-esculturas (que, segundo ele, servem de inspiração para desenhar) e sete telas.

Museu Nacional de Belas Artes. Avenida Rio Branco, 199, Centro, ☎ 3299-0600, ? Cinelândia. → Terça a sexta, 10h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 17h. Grátis. Até dia 30.

✪✪✪ Chico Albuquerque. Leia em Veja Rio Recomenda.

✪✪✪ Em 1964 Na menor galeria do Instituto Moreira Salles, a mostra compensa suas pequenas dimensões com um acervo variado, cheio de achados interessantes, sobre a cultura em 1964, ano do golpe militar. Cerca de oitenta obras reunidas, oriundas de campos variados, como literatura, fotografia, cinema e música, compõem a exposição.

Instituto Moreira Salles. Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea, ☎ 3284-7400. → Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis. Estac. grátis. Visitas guiadas de terça a sexta, às 17h. Até 23 de novembro.

✪✪✪✪ Luigi Ghirri. Leia em Veja Rio Recomenda.

Luiz Eugênio Teixeira Leite Em O Rio que o Rio Não Vê, o fotógrafo, designer gráfico e historiador expõe 36 imagens de ornamentos simbólicos das fachadas de instituições públicas e privadas do centro do Rio.

Centro Cultural Correios. Rua Visconde de Itaboraí, 20, Centro, ☎ 2253-1580. → Terça a domingo, 12h às 19h. Grátis. Até dia 30.

✪✪✪✪ Pernambuco Experimental Maior mostra desde a inauguração do Museu de Arte do Rio, a coletiva reúne mais de 400 obras (pinturas, desenhos, fotografias, vídeos, músicas, registros de performances e documentos) de cerca de oitenta artistas, que traçam um rico panorama da arte experimental pernambucana entre os anos de 1900 e 1980. É de Cícero Dias (1907-2003) o trabalho mais impactante, o monumental painel Eu Vi o Mundo... Ele Começava no Recife. Com 12 metros de largura por 2 metros de altura, repleto de detalhes, a obra-prima de Dias foi produzida ao longo de três anos, a partir de 1926.

Museu de Arte do Rio. Praça Mauá, s/nº, Zona Portuária, ☎ 3031-2741. → Terça, 10h às 19h; quarta a domingo, 10h às 17h. R$ 8,00. Grátis às terças. Meia-entrada para estudantes de escolas particulares e universitários. De quarta a domingo, grátis para alunos e professores da rede pública, crianças de até 5 anos e pessoas com mais de 60 anos. Até dia 30.

4 x 3: a Arte do Cartaz de Cinema Dezoito cartazes brasileiros de filmes, produzidos entre as décadas de 50 e 70, assinados pelos artistas gráficos Benício, Jayme Cortez e Ziraldo, integram a coletiva. Há ainda livros, documentos e vídeos sobre estes três artistas. Da obra de Ziraldo, por exemplo, o visitante vai poder ver trabalhos para os filmes O Donzelo (1970), de Stefan Wohl, e A Mulata que Queria Pecar (1977), de Victor di Mello.

Museu de Arte Moderna. Avenida Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo, Centro, ☎ 3883-5600. → Terça a sexta, 12h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 19h. R$ 12,00. A bilheteria fecha meia hora antes. Pessoas com mais de 60 anos pagam R$ 6,00. Grátis para amigos do MAM, menores de 12 anos e, na quarta, a partir das 15h, para todos. Aos domingos vigora o ingresso-família: pagam-se R$ 12,00 por grupo de até cinco pessoas. Estac. (R$ 5,00 para visitantes do museu). Até 13 de abril.

✪✪✪ Resistir É Preciso Depois de passar por Brasília e São Paulo, a exposição organizada pelo Instituto Vladimir Herzog, que aborda o período da ditadura militar no Brasil, chega ao Rio. Trata-se de um conjunto de obras de arte, imagens e documentos históricos da época. Entre os destaques está a coleção do jornalista e ex-­preso político Alípio Freire, com trabalhos de artistas plásticos como Sérgio Freire, Flávio Império e Sérgio Ferro, além de registros (alguns cen­surados então) dos fotojornalistas Luis Humberto e Orlando Brito.

Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Primeiro de Março, 66, Centro, ☎ 3808-2020. → Quarta a segunda, 9h às 21h. Grátis. Até 7 de abril.

Fonte: VEJA RIO