EDIÇÃO DA SEMANA

Exposições

Percorremos as melhores exposições da semana para indicar o que você não pode perder

Por: Carolina Barbosa

Estreias

A Cara do Rio

Em sua 10ª edição, a coletiva inaugura a galeria Villa Olívia Artes, no Morro da Conceição. Quarenta trabalhos de nomes como Solange Palatnik, Paulo Vilela e Sonia Madruga integram a mostra, que aborda vários ângulos do Rio sob o ponto de vista de cada artista. R$ 900,00 a R$ 6?900,00.

Villa Olívia Artes. Ladeira João Homem, 13, Saúde, ☎ 98888-2613. Quarta a sábado, 14h às 18h. Grátis. Até 3 de abril. A partir de segunda (10).

Resistir É Preciso

Depois de passar por Brasília e São Paulo, a exposição organizada pelo Instituto Vladimir Herzog, que aborda o período da ditadura militar no Brasil, chega ao Rio. Trata-se de um conjunto de obras de arte, imagens e documentos históricos da época. Entre os destaques está a coleção do jornalista e ex-preso político Alípio Freire, com trabalhos de artistas plásticos como Sérgio Freire, Flávio Império e Sérgio Ferro, além de registros (alguns censurados então) dos fotojornalistas Luis Humberto e Orlando Brito.

Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Primeiro de Março, 66, Centro, ☎ 3808-2020. → Quarta a segunda, 9h às 21h. Grátis. Até 7 de abril. A partir de quarta (12).

ÚLTIMA SEMANA

✪✪✪✪ Wilma Martins

Cotidiano e Sonho é o nome da retrospectiva da artista mineira radicada no Rio. O acervo, de cerca de 140 obras, reúne pinturas, gravuras, desenhos, aquarelas, livros e documentos. Chamam atenção as criações da série Cotidiano, nas quais animais invadem singelos espaços domésticos e paisagens naturais amplas se insinuam em espaços como gavetas e camas. O programa no Paço conta com mais cinco individuais: de Mariana Manhães, Willys de Castro, Sergio Camargo, Vicente de Mello e Rogerio Luz.

Paço Imperial. Praça XV de Novembro, 48, Centro, ☎ 2215-2093. Terça a domingo, 12h às 18h. Grátis.

Até domingo (16).

EM CARTAZ

Acervo MAM - Obras Restauradas

Como o próprio nome sugere, trata-se de uma coletiva de treze trabalhos (a maioria óleos sobre tela) da coleção do museu, restaurados recentemente. Do acervo, que reúne nomes nacionais e internacionais, um dos destaques é a pintura Forma em Evolução (1952), de Ivan Serpa.

Museu de Arte Moderna. Avenida Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo, Centro, ☎ 3883-5600.

→ Terça a sexta, 12h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 19h. R$ 12,00. A bilheteria fecha meia hora antes. Pessoas com mais de 60 anos pagam R$ 6,00. Grátis para amigos do MAM, menores de 12 anos e, na quarta, a partir das 15h, para todos. Aos domingos vigora o ingresso-família: pagam-se R$ 12,00 por grupo de até cinco pessoas. Estac. (R$ 5,00 para visitantes do museu). Até 13 de abril.

✪✪✪ Afonso Tostes

O artista mineiro reconstrói, no salão principal da Casa França-Brasil, um enorme paiol que encontrou desmontado na Zona da Mata, em seu estado natal. Ferramentas utilizadas no espaço tiveram o cabo esculpido, em forma de osso, e também são exibidas em uma instalação. Completam o acervo uma escultura e um site-specific.

Casa França-Brasil. Rua Visconde de Itaboraí, 78, Centro, ☎ 2332-5120. → Terça a domingo, 10h às 20h. Grátis. Até dia 23.

Amor, Amor, Amor

Primeira mostra de 2014 no Centro Cultural Banco do Brasil, a coletiva reúne 58 fotografias do acervo da Maison Européenne de la Photographie (MEP), de Paris, que representam as mais distintas formas de amor, pelo olhar de 23 fotógrafos. Há nomes como Henri Cartier-Bresson, Robert Doisneau e Pierre Verger. Curadoria de Jea­n-Luc Monterosso e Milton Guran.

Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Primeiro de Março, 66, Centro, ☎ 3808-2020. → Quarta a segunda, 9h às 21h. Grátis. Até 31 de março.

✪✪✪ Antonio Manuel

Radicado no Brasil desde a infância, o artista português reúne 21 obras de técnicas variadas em sua individual no MAM. Entre os trabalhos, chamam atenção as instalações penetráveis - a exemplo de Fantasmas, um cômodo repleto de pedaços de carvão suspensos por fios, dando a impressão de que estão flutuando.

Museu de Arte Moderna. Avenida Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo, Centro, ☎ 3883-5600. → Terça a sexta, 12h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 19h. R$ 12,00. A bilheteria fecha meia hora antes. Pessoas com mais de 60 anos pagam R$ 6,00. Grátis para amigos do MAM, menores de 12 anos e, na quarta, a partir das 15h, para todos. Aos domingos vigora o ingresso-família: pagam-se R$ 12,00 por grupo de até cinco pessoas. Estac. (R$ 5,00 para visitantes do museu). Até dia 23.

✪✪✪ Cavalcante

Primeira retrospectiva do caricaturista, a mostra reúne 114 trabalhos do carioca de 50 anos, produzidos ao longo de mais de 25 anos de uma sólida carreira. Entre as personalidades retratadas em seu inconfundível traço estão Vinicius de Moraes, Nelson Cavaquinho, Cartola, Romário, Dilma Rousseff, Hugo Chávez e Manuel Bandeira. Além das caricaturas, há ilustrações em nanquim, esboços inéditos, objetos-esculturas produzidos pelo próprio artista (que, segundo ele, lhe servem de inspiração para desenhar) e sete telas.

Museu Nacional de Belas Artes. Avenida Rio Branco, 199, Centro, ☎ 3299-0600, ? Cinelândia. → Terça a sexta, 10h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 17h. Grátis. Até 9 de março.

Eduardo Kac

O artista digital carioca tem onze poemas projetados em tela, sendo dois deles interativos, na individual Eduardo Kac: Poesia Digital, 1982-1999.

Oi Futuro Ipanema. Rua Visconde de Pirajá, 54, Ipanema, ☎ 3131-9333, ? General Osório. → Terça a domingo, 13h às 21h. Grátis. Até 2 de março.

✪✪✪ Evandro Teixeira

Na individual Tempos de Chumbo, Tempo de Bossa: Os Anos 60 pelas Lentes de Evandro Teixeira, o baiano de Irajuba exibe dezessete belas fotografias em preto e branco sobre a década indicada. Há desde cliques da musa Leila Diniz de biquíni a registros de temas políticos.

Centro Cultural Justiça Federal. Avenida Rio Branco, 241, Centro, ☎ 3261-2550, ? Cinelândia. Terça a domingo, 12h às 19h. Grátis. Até dia 27.

✪✪✪ Floriano Romano

Conhecido por combinar instalações, performances e sons, o artista exibe oito obras sonoras, sete delas inéditas, e uma seleção de desenhos feitos com fita isolante sobre papel, reunidas na mostra Sonar.

Galeria Laura Alvim. Avenida Vieira Souto, 176, Ipanema, ☎ 2332-2017.

Terça a domingo, 13h às 21h. Grátis.

Até 9 de março.

✪✪✪✪ Julio Le Parc

Papa da arte cinética, o argentino radicado em Paris desde 1958 tem 24 trabalhos exibidos na sedutora individual Lumière. Quase todas as obras se valem de efeitos de luz - hipnoticamente belos, diga-se. Está no acervo a sua primeira investida nessa linha: Contínuo-Luz - Móbile, de 1960. Uma das mais bonitas, Luzes Alternadas, de 1993, evoca a iluminação de um hipotético espetáculo de artes cênicas. Excepcionalmente na sexta (7), a Casa Daros continuará aberta após as 19h, para uma performance gratuita do artista carioca João Penoni. Na última sala escura, onde está suspensa no teto a obra Continuel-Lumière au Plafond, ele se apresentará com o corpo inteiramente coberto por lâmpadas.

Casa Daros. Rua General Severiano, 159, Botafogo, ☎ 2275-0246. → Quarta a sábado, 11h às 19h; domingo, 11h às 18h. R$ 12,00. Grátis para crianças de até 12 anos e às quartas. Meia-entrada para idosos e estudantes com mais de 12 anos. A bilheteria fecha meia hora antes do término do horário de visitação. Até dia 23.

✪✪✪ Lippe Muniz. Leia em Veja Rio Recomenda.

Luigi Ghirri

Pensar por Imagens - Ícones, Paisagens, Arquitetura reúne 300 fotografias do italiano, pioneiro no uso da cor na fotografia em seu país, morto em 1992. Provas de impressão, livros do artista e outros objetos integram a retrospectiva.

Instituto Moreira Salles. Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea, ☎ 3284-7400. Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis. Estac. grátis. Visitas guiadas de terça a sexta, às 17h. Até 13 de abril.

✪✪✪ Nuno Ramos

Intitulada Hora da Razão, a nova instalação do artista é composta de três estruturas de vidro, que representam lápides, cobertas por um material viscoso semelhante a piche, que parece escorrer também sobre o piso da galeria. Dentro dessas formas geométricas vazadas, monitores de vídeo apresentam o músico Rômulo Fróes, o artista plástico Eduardo Climachauska e a cantora Nina Becker entoando o samba Hora da Razão, de Batatinha. Completam a obra, em seu entorno, pendurados nas paredes, 78 desenhos inéditos da série Munch, criados com folhas de ouro, prata e bronze, tinta a óleo e carvão sobre papel, inspirados no pintor norueguês Edvard Munch.

Caixa Cultural - Galeria 4. Avenida Almirante Barroso, 25, Centro,

☎ 3980-3815, ? Carioca. Terça a domingo, 10h às 21h. Grátis. Até 9 de março.

✪✪✪✪ Pernambuco Experimental

Maior mostra desde a inauguração do Museu de Arte do Rio, a coletiva reúne mais de 400 obras (pinturas, desenhos, fotografias, vídeos, músicas, registros de performances e documentos) de cerca de oitenta artistas, que traçam um rico panorama da arte experimental pernambucana entre os anos de 1900 e 1980. É de Cícero Dias o trabalho mais impactante da atração, o monumental painel Eu Vi o Mundo... Ele Começava no Recife (1926-1929), de 12 metros de largura e 2 metros de altura, repleto de detalhes.

Museu de Arte do Rio. Praça Mauá, s/nº, Zona Portuária, ☎ 3031-2741. → Terça, 10h às 19h; quarta a domingo, 10h às 17h. R$ 8,00. Grátis às terças. Meia-entrada para estudantes de escolas particulares

e universitários. De quarta a domingo, grátis para alunos e professores da rede pública, crianças de até 5 anos e pessoas com mais de 60 anos. Até 30 de março.

4 x 3: A Arte do Cartaz de Cinema

Dezoito cartazes brasileiros de filmes, produzidos entre as décadas de 50 e 70, assinados pelos artistas gráficos Benício, Jayme Cortez e Ziraldo, integram a coletiva. Há ainda livros, documentos e vídeos sobre estes três artistas. Da obra de Ziraldo, por exemplo, o visitante vai poder ver trabalhos para os filmes O Donzelo (1970), de Stefan Wohl, e A Mulata que Queria Pecar (1977), de Victor di Mello.

Museu de Arte Moderna. Avenida Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo, Centro, ☎ 3883-5600. → Terça a sexta, 12h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 19h. R$ 12,00. A bilheteria fecha meia hora antes. Pessoas com mais de 60 anos pagam R$ 6,00. Grátis para amigos do MAM, menores de 12 anos e, na quarta, a partir das 15h, para todos. Aos domingos vigora o ingresso-família: pagam-se R$ 12,00 por grupo de até cinco pessoas. Estac. (R$ 5,00 para visitantes do museu). Até 13 de abril.

✪✪✪ Walter Firmo

Modesta no tamanho, mas não na qualidade, Brasil em Preto e Branco - Walter Firmo reúne onze belas fotografias do carioca feitas a partir de 1940, mais uma série delas projetadas em dois monitores, além de um vídeo. Entre as atrações, há uma imagem do ex-jogador Bellini entrando em campo pelo Vasco da Gama no fim da década de 50. Curadoria de Milton Montenegro.

Oi Futuro Ipanema. Rua Visconde de Pirajá, 54, Ipanema, ☎ 3131-9333,

? General Osório. → Terça a domingo, 13h às 21h. Grátis. Até 2 de março.

Fonte: VEJA RIO