ROTEIRO DA SEMANA

Exposições

Por: Rafael Teixeira - Atualizado em

ESTREIAS

CARLA GUAGLIARDI. O Lugar do Ar batiza a grande instalação com a qual a artista carioca ocupa o térreo da galeria. Trata-se de uma versão do trabalho que ela expôs na Alemanha em 2004. Com barras de ferro suspensas por elásticos, a obra vai se expandindo lentamente ao longo da mostra. Duas esculturas de vidro e balões de látex, três esculturas de madeira e espuma e um díptico fotográfico completam o acervo da mostra Carla Guagliardi -- Os Cantos do Canto. A partir de R$ 3 000,00. Anita Schwartz Galeria de Arte. Rua José Roberto Macedo Soares, 30, Gávea, ☎ 2274-3873. Segunda a sexta, 10h às 20h; sábado, 12h às 18h. Grátis. Até 20 de outubro. A partir de quinta (30). www.anitaschwartz.com.br.

DENISE ARARIPE. Em Ele Não Está Aqui, a artista exibe dez telas nas quais subverte obras clássicas, por vezes incorporando a elas figuras pop -- caso de uma releitura de Olympia, de Manet, em que uma das mulheres é substituída por Rosie, a empregada-robô do desenho Os Jetsons. R$ 4900,00 a R$ 32400,00. Galeria Coleção de Arte. Praia do Flamengo, 278, térreo, Flamengo, ☎ 2551-0641. → Segunda a sábado, 10h às 18h. Grátis. Até 27 de setembro. A partir de segunda (27). www.colecaodearte.com.br.

FRED SCHIFFER. Em duas exposições no mesmo endereço, o fotógrafo aborda o universo do escritor Jorge Amado (1912-2001) através de 43 imagens. Vinte e nove delas estão em Costa do Cacau, na qual ele retrata a arquitetura, a natureza e as pessoas dessa região entre os municípios de Itacaré e Canavieiras. Descobrindo Gabriela traz as demais fotografias, que evocam passagens do livro Gabriela, Cravo e Canela. Forte de Copacabana. Praça Coronel Eugênio Franco, 1, Copacabana, ☎ 2522-3544. 10h às 18h. Grátis. Até 17 de setembro. A partir de quinta (30).

GIL70. Gilberto Gil é homenageado pela passagem de seus 70 anos. Vinte e cinco artistas plásticos, poetas, videomakers, músicos, cineastas, programadores visuais e designers apresentam 21 trabalhos, entre pintura, grafite, vídeo, fotografia, escultura, poesia visual e instalação, inspirados em canções do cantor e compositor ou dedicados a ele. Comparecem nomes como Arnaldo Antunes, Adriana Calcanhotto, Antonio Dias, Lula Buarque de Hollanda, Raul Mourão, Omar Salomão, Caetano Veloso, Andrucha Waddington e Luiz Zerbini. A exposição conta ainda com displays interativos, nos quais o visitante pode escutar setenta de suas mais conhecidas canções. Vídeos, áudios e uma linha do tempo contam a história do artista. Centro Cultural Correios. Rua Visconde de Itaboraí, 20, Centro, ☎ 2253-1580. → Terça a domingo, 12h às 19h. Grátis. Até 28 de outubro. A partir de quarta (29). www.correios.com.br.

LUIZ GARRIDO. Conhecido por seu trabalho em moda e publicidade, o fotógrafo apresenta dez obras, entre fotografias individuais, dípticos e trípticos, na individual Nudes. Como o nome sugere, as imagens são de nus femininos. Preços sob consulta. Galeria Tempo. Avenida Atlântica, 1782, loja E, Copacabana, ☎ 2255-4586. Terça a sábado, 11h às 19h. Grátis. Até 27 de outubro. A partir de quarta (29).

SALVADOR DALÍ. Exibição de exemplares de três séries de gravuras do mestre do surrealismo. Nove xilogravuras inspiradas no livro A Divina Comédia, do italiano Dante Alighieri (1265-1321), são apresentadas uma série completa, com as 100 obras de Dalí (1904-1989), está em uma bela mostra na Caixa Cultural. As outras oito obras são litografias: quatro Cavalos Dalinianos e quatro Relógios Derretidos. R$ 5000,00 a R$ 11000,00. Riso. Rua Aníbal de Mendonça, 175, Ipanema, ☎ 2147-8259. Terça a sábado, 12h às 22h; domingo, 12h às 18h. Grátis. Até 9 de setembro. A partir de terça (28).

ÚLTIMA SEMANA

✪✪✪✪ DALÍ: A DIVINA COMÉDIA. Presença rara na cidade, o mestre do surrealismo tem 100 xilogravuras exibidas. As obras são fruto de um convite feito pelo governo da Itália, no fim dos anos 50, para que o artista criasse uma série de aquarelas em homenagem à épica obra-prima do poeta Dante Alighieri (1265-1321) ele levou o trabalho adiante mesmo depois da suspensão do contrato por motivos chauvinistas. Sob a supervisão de Dalí (1904-1989), dois entalhadores passaram cinco anos fazendo as matrizes das gravuras a partir das aquarelas. Divididas pelos três temas do livro A Divina Comédia, Inferno, Purgatório e Paraíso, as obras esbanjam detalhes e cores. Caixa Cultural Galeria 3. Avenida Almirante Barroso, 25, Centro, ☎ 2544-4080, ? Carioca. → Terça a domingo, 10h às 21h. Grátis. Até domingo (2). www.caixacultural.com.br.

✪✪✪ LEO BATTISTELLI. Argentino radicado no Rio, Battistelli exibe 33 trabalhos inéditos, entre esculturas e objetos de porcelana e cerâmica. O acervo faz referência a lendas indígenas da América Latina. Plantas e fungos usados com fins ritualísticos também são evocados nas formas e cores das peças. R$ 4000,00 a R$ 19000,00. Graphos: Brasil. Rua Siqueira Campos, 143 (Shopping dos Antiquários), 2º piso, Copacabana, ☎ 2256-3268, ? Siqueira Campos. Segunda a sexta, 11h às 19h; sábado, 11h às 18h. Grátis. Até quinta (30).

FOTÓGRAFOS DA NATUREZA. Promovido pelo Museu de História Natural de Londres e pela revista BBC Wildlife, o concurso Wild Life Photographer of the Year existe há 49 anos e premia fotos que têm a natureza como tema. Há dezesseis anos os vencedores passaram a integrar uma mostra, que é montada pela primeira vez no Brasil. Compõem a seleção 79 imagens de profissionais de 24 países. Centro de Visitantes do Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Rua Jardim Botânico, 1008, Jardim Botânico, ☎ 3874-1808. Segunda a domingo, 8h às 17h. Grátis. Até quinta (30).

✪✪✪ MATEU VELASCO. Em Avesso do Avesso, o artista, egresso do grafite, exibe trabalhos em técnicas e suportes diversos. No acervo estão seis gravuras em metal, cinco pinturas sobre madeira, nas quais foram usados spray, tinta acrílica e lápis de cor, e três telas em acrílica, todas sem título, produzidas neste ano. Inicialmente concebida como cenografia para a exposição, uma instalação com doze troncos de árvore pintados tornou-se também uma obra e completa a seleção. R$ 5000,00 a R$ 15000,00. Galeria Movimento. Avenida Atlântica, 4240 (Shopping Cassino Atlântico), loja 211, Copacabana, ☎ 2267-5989. Terça a sexta, 10h30 às 19h30; sábado, 12h às 18h. Grátis. Até quinta (30). www.galeriamovimento.com.br.

EM CARTAZ

✪✪ ADRIANA BARRETO. Artista carioca que incorpora aos seus trabalhos a experiência como bailarina e coreógrafa, ela apresenta, em Agora Sim, uma videoinstalação e três vídeos. Em todos os trabalhos, investiga a relação entre as artes plásticas e a dança. Oi Futuro Flamengo. Rua Dois de Dezembro, 63, Flamengo, ☎ 3131-3060, ? Largo do Machado. → Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis. Até 30 de setembro. www.oifuturo.org.br.

✪✪✪✪✪ ALBERTO GIACOMETTI. A maior retrospectiva já dedicada ao artista suíço na América do Sul. Cerca de 280 obras ocupam mais de 2000 metros quadrados do MAM. O acervo selecionado pela curadora Véronique Wiesinger, diretora da Fundação Alberto e Annette Giacometti, compreende esculturas, pinturas e gravuras, além de fotografias e documentos cedidos pela instituição. As estrelas da coleção são esculturas de figuras humanas, uma obsessão na produção de Giacometti (1901-1966), a exemplo de Busto de Homem (Dito Nova York II), de 1965. Orgulho carioca, Quatro Mulheres sobre Base (1950) pertence ao MAM e é a única obra desse gênio da arte moderna guardada em um acervo público da América Latina. Museu de Arte Moderna. Avenida Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo, Centro, ☎ 2240-4944. → Terça a sexta, 12h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 19h. R$ 12,00. A bilheteria fecha meia hora antes. Pessoas com mais de 60 anos pagam R$ 6,00. Grátis para amigos do MAM, menores de 12 anos e para todos na quarta, a partir das 15h. Aos domingos vigora o ingresso-família: pagam-se R$ 12,00 por grupo de até cinco pessoas. Estac. (R$ 5,00 para visitantes do museu). Até 16 de setembro. www.mamrio.com.br.

✪✪✪✪ ANGELO VENOSA. No mesmo Museu de Arte Moderna ocupado pela alentada exposição do gênio suíço Alberto Giacometti (1901-1966), a mostra dedicada à produção do artista paulista radicado no Rio poderia parecer acanhada. Não é essa, porém, a impressão de quem entra no salão onde estão dispostos 31 trabalhos, quatro deles inéditos, de diversas fases da carreira de Venosa (há ainda mais um, do lado de fora do MAM). Trata-se da maior individual deste que é um dos poucos egressos da Geração 80 a voltar sua produção exclusivamente para a escultura. A maneira como as peças foram espalhadas ao longo de um espaço amplo, sem obstáculos, resulta em uma paisagem intrigante transportada para dentro do museu. Também impressionam as enormes dimensões atingidas, em especial na criação sem título apresentada na edição de 1987 da Bienal Internacional de São Paulo. Entre o orgânico e o artificial, o que é uma marca de seu autor, a obra assemelha-se a tentáculos gigantes pendentes do teto, com insuspeita leveza e imponentes 5 metros de altura. Museu de Arte Moderna. Avenida Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo, Centro, ☎ 2240-4944. → Terça a sexta, 12h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 19h. R$ 12,00. A bilheteria fecha meia hora antes. Pessoas com mais de 60 anos pagam R$ 6,00. Grátis para amigos do MAM, menores de 12 anos e para todos na quarta, a partir das 15h. Aos domingos vigora o ingresso-família: pagam-se R$ 12,00 por grupo de até cinco pessoas. Estac. (R$ 5,00 para visitantes do museu). Até 23 de setembro. www.mamrio.com.br.

✪✪✪ ANNA LETYCIA. Discípula de Iberê Camargo (1914-1994), com quem iniciou seu aprendizado de gravura em metal na década de 50, a artista, nascida em Teresópolis, é considerada hoje uma das mais importantes gravadoras brasileiras. Aos 82 anos, ela tem sua premiada trajetória celebrada nesta retrospectiva. Os 77 trabalhos reunidos perpassam toda a carreira de Anna o que dá ao visitante a oportunidade de acompanhar os diferentes rumos tomados ao longo do tempo. Mais antigas da mostra, as obras da série Formigas, de 1956, apresentam esses insetos de maneira literal. Produzido nos anos 2000, o conjunto Novas Imagens traz formas abstratas de original beleza. Museu Nacional de Belas Artes. Avenida Rio Branco, 199, Centro, ☎ 2219-8474, ? Cinelândia. → Terça a sexta, 10h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 17h. Grátis. Até 9 de setembro. www.mnba.gov.br.

✪✪✪✪ ANTONY GORMLEY. Leia em Veja Rio Recomenda. Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Primeiro de Março, 66, Centro, ☎ 3808-2020. Terça a domingo, 9h às 21h. Grátis. Até 23 de setembro.

✪✪✪ ARTISTAS BRASILEIROS NA ITÁLIA. Fundada por dom João VI em 1826, a Academia Imperial de Belas-Artes travou, desde o seu surgimento, um profícuo diálogo com a produção artística da Itália. Herdeiro do acervo da instituição, o Museu Nacional de Belas Artes joga luz sobre essa parceria abrigando a mostra com 95 obras, entre pinturas, esculturas, desenhos e gravuras, de 38 criadores. Sobressaem no acervo alguns dos artistas da Academia Imperial que estiveram na Itália na segunda metade do século XIX, como os irmãos Félix (1866-1905), Rodolfo (1852-1931) e Henrique Bernardelli (1857-1936) -- é desse último o belo óleo Maternidade --, além de Victor Meirelles (1832-1903). Entre as criações desse grupo, no entanto, a atração mais importante é o imponente óleo Turbínio, de Antônio Parreiras (1860-1937). Restaurada, a tela volta a ser exibida após mais de cinquenta anos. Museu Nacional de Belas Artes. Avenida Rio Branco, 199, Centro, ☎ 2219-8474, ? Cinelândia. → Terça a sexta, 10h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 17h. Grátis. Até 4 de novembro. www.mnba.gov.br.

✪✪✪ BEATRIZ MILHAZES. Dez anos depois da última individual no Rio, a carioca volta a expor na cidade. Desta vez, suas célebres pinturas dão lugar a dezessete serigrafias em grandes dimensões, doadas pela autora à Pinacoteca do Estado de São Paulo há quatro anos. O conjunto completo é exibido pela primeira vez. Nele, Beatriz apresenta aquela que já virou uma marca de seu trabalho: a superposição de cores marcantes e de formas circulares, arabescos e flores, como se vê em Uva Selvagem (1996). Caixa Cultural Galeria 1. Avenida Almirante Barroso, 25, Centro, ☎ 2544-4080, ? Carioca. → Terça a domingo, 10h às 21h. Grátis. Até 30 de setembro. www.caixacultural.com.br.

BRÍGIDA BALTAR. Foi a partir de um verso de Habanera, ária da ópera Carmen, de Bizet, que a artista batizou a exposição O Amor do Pássaro Rebelde. A cantora lírica Gabriella Besanzoni (1888-1962), que interpretou Carmen e viveu no casarão do Parque Lage, onde acontece a mostra, inspira um vídeo no qual Brígida recria os famosos saraus promovidos por ela em sua residência -- nele aparecem personagens híbridos, alguns fundindo seres humanos e bichos. Outros três vídeos com a mesma inspiração e duas esculturas completam o acervo. Escola de Artes Visuais do Parque Lage -- Cavalariças. Rua Jardim Botânico, 414, Jardim Botânico, ☎ 3257-1800. Segunda a quinta, 12h às 20h; sexta a domingo e feriados, 10h às 17h. Grátis. Até 28 de outubro. www.eavparquelage.rj.gov.br.

ESPELHO DA ARTE -- A ATRIZ E SEU TEMPO. Com curadoria do ator e artista plástico Ivan Izzo, a mostra presta homenagem a Regina Duarte e seus cinquenta anos de carreira. A exposição é dividida em sete ambientes. Cinco são dedicados a cada uma das décadas da trajetória de Regina na televisão, sendo que cada um reproduz um cômodo de uma casa, com características de época. Há ainda um espaço voltado para os trabalhos da atriz no teatro e outro para as atuações dela no cinema. Em todos, os visitantes encontram cerca de 2000 fotos, mais de oito horas de vídeos, entre entrevistas e cenas de suas atuações na TV, e objetos de acervo pessoal. Centro Cultural Correios. Rua Visconde de Itaboraí, 20, Centro, ☎ 2253-1580. → Terça a domingo, 12h às 19h. Grátis. Até 28 de outubro. www.correios.com.br.

GÉZA HELLER. A caminho do Uruguai, fugindo da perseguição aos judeus, em 1932, o arquiteto húngaro se apaixonou pela paisagem do Rio, que avistou do navio. Quatro anos depois, mudou-se para a cidade, onde desenhou várias construções cariocas, a exemplo do prédio da Central e da igreja da Candelária. Trinta ilustrações são expostas em Géza Heller: um Carioca Sonhador, ao lado de fotografias dos mesmos locais feitas recentemente por Hermano Taruma. Também são exibidos projetos arquitetônicos de Heller, em perspectiva, e um vídeo com Sylvia Heller, sua filha, sobre o pai. Parque das Ruínas. Rua Murtinho Nobre, 169, Santa Teresa, ☎ 2215-0621. Terça a domingo, 10h às 18h. Grátis. Até 7 de outubro.

LASAR SEGALL. Radicado no Brasil de 1923 até o fim da vida, o lituano tornou-se um dos nomes mais importantes do modernismo no país, juntando-se a colegas do naipe de Tarsila do Amaral (1886-1973), Victor Brecheret (1894-1955), Anita Malfatti (1889-1964) e Ismael Nery (1900-1934). Artista completo, Segall (1891-1957) ganhou notoriedade como pintor, mas, ao longo da carreira, dedicou-se a técnicas variadas, presentes em Lasar Segall Obras sobre Papel: Pinturas, Desenhos e Gravuras. Max Perlingeiro, o curador, selecionou 71 trabalhos que têm em comum o papel como suporte. Boa parte das criações, pertencentes ao acervo da família do artista, nunca foi exibida. Os temas são diversos, com predominância de figuras humanas, seja em autorretratos, seja em desenhos de conhecidos de Segall, como a pintora Lucy Citti Ferreira, o escritor Oswald de Andrade e a cantora Berta Singerman, ou de pessoas não identificadas, a exemplo daquelas em Casal na Floresta (1945). Há ainda naturezas-mortas e paisagens. Pinakotheke Cultural. Rua São Clemente, 300, Botafogo, ☎ 2537-7566. Segunda a sexta, 10h às 18h; sábado, 10h às 16h. Grátis. Até 20 de outubro.

LIVIA FLORES. Integrante da famosa coletiva Como Vai Você, Geração 80?, que aconteceu na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, em 1984, Livia Flores exibe trabalhos feitos de cobertores e gesso. Alguns assumem forma de tela, outros de escultura. Dois desenhos completam o acervo. Preços sob consulta. Progetti. Travessa do Comércio, 22, Centro, ☎ 2221-9893. Terça a sábado, 12h às 18h. Grátis. Até 15 de setembro. www.progettirio.com.

✪✪✪ LINIERS. Principal atração de Macanudismo, a retrospectiva dedicada ao quadrinista argentino, um enorme painel com 500 tirinhas da série Macanudo (todas originais) escancara as influências de seu autor. Publicadas no jornal La Nación há dez anos, as histórias trazem figuras como a esperta menina Enriqueta, descendente incontestável de Mafalda, a famosa personagem do mestre e conterrâneo Quino. Liniers dá-se ao luxo de entregar o jogo porque foge da cópia pura e simples com um trabalho pessoal que inspira ora o riso, ora a reflexão. No acervo reunido, seu talento também transparece em desenhos para um livro infantil, um vídeo de animação, capas de livros, arte para CDs, cadernos de desenhos, contos ilustrados e pinturas. Caixa Cultural Galeria 2. Avenida Almirante Barroso, 25, Centro, ☎ 2544-4080, ? Carioca. → Terça a domingo, 10h às 21h. Grátis. Até 9 de setembro. www.caixacultural.com.br.

MAX. Apresentado ao público brasileiro pela extinta revista Animal (que circulou no fim dos anos 80), o quadrinista espanhol tem expostas 160 obras em Max, Panóptica (1973-2011). A mostra abrange trabalhos realizados dos anos 70 aos dias de hoje. Curadoria de Marta Sierra Cussó. Instituto Cervantes -- Sala de Exposições. Rua Visconde de Ouro Preto, 62, Botafogo, ☎ 3554-5910, ? Botafogo. → Segunda a sexta, 11h às 19h; sábado, 11h às 14h. Grátis. Até 21 de setembro. www.riodejaneiro.cervantes.es.

✪✪✪ RAPHAEL DOMINGUES E EMYGDIO DE BARROS. Diagnosticados como esquizofrênicos, Domingues (1912-1979) e Barros (1895-1986) foram internados no Centro Psiquiátrico Nacional, no Engenho de Dentro -- atual Instituto Municipal Nise da Silveira, batizado em homenagem à psiquiatra Nise da Silveira (1905-1999). Foi ela que, em 1946, criou o ateliê de artes do Setor de Terapêutica Ocupacional e Reabilitação, que seria frequentado pelos dois. Entre desenhos e pinturas, 95 obras compõem a exposição Raphael e Emygdio: Dois Modernos no Engenho de Dentro. Muitos dos intrigantes desenhos de Domingues são feitos com praticamente uma única linha contínua. Nas pinturas de Barros, cenas melancólicas são pintadas em tons tristonhos. A própria Nise também é homenageada com uma biografia fotográfica em mostra paralela. Instituto Moreira Salles. Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea, ☎ 3284-7400. → Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis. Estac. grátis. Visitas guiadas de terça a sexta, às 17h. Até 7 de outubro. www.ims.com.br.

VIAGENS DE EVA. Na casa onde viveu, a colecionadora e mecenas Eva Klabin (1903-1991) ganha exposição dedicada às muitas viagens que fez ao longo da vida. Fotos e registros de viagens (bilhetes, correspondências, programas, folders, cartões-postais e plantas de navios), além de exemplares de malas de grife, fazem parte do acervo. Curadoria de Marcio Doctors. Fundação Eva Klabin. Avenida Epitácio Pessoa, 2480, Lagoa, ☎ 3202-8550. Terça a domingo, 14h às 18h. R$ 10,00. Grátis aos domingos e para crianças até 10 anos. Até 14 de outubro. www.evaklabin.org.br.

✪✪✪ VIVA ELIS. Idealizada por João Marcello Bôscoli, filho de Elis Regina (1945-1982), a exposição presta homenagem à cantora. Cerca de 200 fotos pessoais e profissionais compõem o acervo, bem como vídeos de apresentações, nos quais Elis entoa clássicos como Águas de Março e O Bêbado e o Equilibrista. Há registros de suas participações em eventos como o I Festival de Música Popular Brasileira, em 1965, quando interpretou Arrastão. Alguns dos vídeos são dedicados a entrevistas em que a cantora expõe suas ideias e conta passagens de sua vida. Uma das salas tem cinco peças de figurinos usados por ela em shows. No último ambiente foram montadas mesas de áudio pelas quais é possível ouvir qualquer uma das músicas de 29 discos de Elis. Curadoria de Allen Guimarães. Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Primeiro de Março, 66, Centro, ☎ 3808-2020. Terça a domingo, 9h às 21h. Grátis. Até 28 de setembro.

✪✪✪ WALTERCIO CALDAS. Cromática reúne três curiosas instalações -- ou ?situações?, como gosta de definir o artista. A que batiza a mostra, dividida em Primeiro Detalhe, Segundo Detalhe e Terceiro Detalhe, fica no salão central: é um tríptico monumental no qual o visitante tem a sensação de estar mergulhado nas cores vermelha, amarela e azul. Nas salas laterais estão Superfície Internacional, com caixas dispostas sobre sete prateleiras, e Filme Rápido -- nesta, em um ambiente escuro, estão dispostos sete quadros negros pelos quais o visitante pode ver seu reflexo e três livros abertos acompanhados, cada um, de taças quebradas. As duas últimas convidam à circulação em seu interior. Casa França-Brasil. Rua Visconde de Itaboraí, 78, Centro, ☎ 2332-5120. → Terça a domingo, 10h às 20h. Grátis. Até 21 de outubro. www.fcfb.rj.gov.br.

FOTOGRAFIA

✪✪✪✪ UM OLHAR SOBRE O CRUZEIRO: AS ORIGENS DO FOTOJORNALISMO NO BRASIL. Mais de 300 imagens integram a exposição sobre a revista O Cruzeiro, uma das mais importantes do Brasil no século XX. Belos retratos, flagrantes perspicazes e registros históricos de Jean Manzon, Flávio Damm, José Medeiros e Luiz Carlos Barreto, entre outros, estão presentes. Várias imagens aparecem como foram publicadas na revista, inseridas na página de uma matéria. Também em exibição, revistas ilustradas estrangeiras ressaltam, por comparação, o pioneirismo de O Cruzeiro. Curadoria de Helouise Costa. Instituto Moreira Salles. Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea, ☎ 3284-7400. → Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis. Estac. grátis. Visitas guiadas de terça a sexta, às 17h. Até 7 de outubro. www.ims.com.br.

✪✪✪ OLHAR TÁTIL -- NOVOS SENTIDOS DA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA. Doze artistas participam da mostra, que reúne 21 ampliações em grandes formatos, sem unidade temática aparente. Paisagens, retratos e instantâneos têm em comum a proposta de desafiar a percepção visual. Os autores são André Sheik, Bruno Veiga, Henrique Koifmann, Ivani Pedrosa, Leonardo Aversa, Marcos Bonisson, Nadam Guerra, Paulo Sérgio Nascimento, Renato Velasco, Ricardo Fasanello, Teresa Salgado e Zeka Araújo. Curadoria de Mauro Trindade. Centro Cultural Justiça Federal -- Gabinete de Fotografia. Avenida Rio Branco, 241, Centro, ☎ 3261-2550, Cinelândia, ? Cinelândia. Terça a domingo, 12h às 19h. Grátis. Até 28 de outubro.

Fonte: VEJA RIO