ROTEIRO DA SEMANA

Exposições

Por: Carlos Henrique Braz - Atualizado em

ESTREIAS

ALEXANDRE MAZZA. Artista visual curitibano radicado no Rio, Mazza já integrou coletivas como Nova Escultura Brasileira ? Heranças e Diversidades e a mostra que reuniu criadores ligados à marchande Luciana Caravello. Na primeira individual, Em Cada Gota Há um Arco-Íris, apresentará 25 trabalhos inéditos e em diferentes suportes. A instalação que dá nome à exposição ficará isolada em uma sala escura, com quatro espelhos em cada parede, cercando um aquário redondo: um feixe de luz projetado nesse objeto reflete a luminosidade por todo o espaço. No acervo também estarão quatro caixas de luz da série Metamorfose 2 e seis objetos esféricos do conjunto Metamorfose ? Série Borboletas, construídos com restos do inseto desidratados e com uso autorizado pelo Ibama. A partir de R$ 6?000,00. Luciana Caravello Arte Contemporânea. Rua Barão de Jaguaribe, 387, Ipanema, ☎ 2523-4696. Segunda a sexta, 10h às 19h; sábado, 11h às 14h. Grátis. Até 10 de março. A partir de sexta (3). www.lucianacaravello.com.br.

EDUARDO DIAS DA ROCHA. Fotógrafo carioca que possui quinze trabalhos na coleção do Museu Rodin, em Paris, e já expôs no Festival de Fotografia de Montecchio Emilia, na Itália, Eduardo passou as últimas duas décadas fazendo registros de foliões durante o Carnaval no Rio, em Recife e em Veneza. Na individual Retratos e Carnavais, com curadoria da também fotógrafa Cristina Veneu, o artista exibirá 37 ampliações em médios e grandes formatos, com flagrantes em preto e branco e em cores. No acervo, é possível notar semelhanças e contrastes entre mascarados e gaiatos fantasiados nas ruas cariocas, caboclinhos e brincantes do maracatu pernambucano e guerreiros, nobres renascentistas e figuras demoníacas da festa veneziana. Espaço Cultural Banco Central. Avenida Presidente Vargas, 730, subsolo, Centro, ☎ 2189-5327. ? Presidente Vargas. Segunda a sexta, 9h às 16h30. Grátis. Até 2 de março. A partir de quarta (1º).

ESCRITURAS NA LIBERDADE: POESIA EXPERIMENTAL ESPANHOLA E HISPANO-AMERICANA DO SÉCULO XX. Coletiva sobre poesia visual com 163 itens, entre livros, fotografias, serigrafias, objetos, poemas, filmes e fotografias. No acervo, estão produções de criadores espanhóis como J.M. Junoy, Ernesto Giménez Caballero e Ramón Gómez de la Serna, além de nomes latino-americanos, a exemplo de Juan José Tablada e Vicente Huidobro. Instituto Cervantes ? Sala de Exposições. Rua Visconde de Ouro Preto, 62, Botafogo, ☎ 3554-5910, ? Botafogo. → Segunda a sexta, 10h às 19h; sábado, 10h às 14h. Grátis. Até 29 de março. A partir de sexta (3). www.riodejaneiro.cervantes.es.

MODIGLIANI: IMAGENS DE UMA VIDA. Leia em Veja Rio Recomenda. Museu Nacional de Belas Artes. Avenida Rio Branco, 199, Centro, ☎ 2219-8474, ? Cinelândia. Terça a sexta, 10h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 17h. R$ 8,00. Grátis aos domingos. Até 15 de abril. A partir de quarta (1º). www.mnba.gov.br.

NELSON BRASIL RODRIGUES - 100 ANOS DO ANJO PORNOGRÁFICO. O mais polêmico dramaturgo brasileiro, Nelson Rodrigues (1912-1980) inspira a mostra que dá início às celebrações do seu centenário de nascimento. Com curadoria assinada a quatro mãos, pela neta Crica Rodrigues e por Nelson Rodrigues Filho, todo o material foi selecionado do acervo do Centro de Documentação da Funarte. Serão expostos fotografias, reportagens e textos das dezessete peças do autor pernambucano que fez carreira no Rio. O visitante poderá apreciar em painéis deslizantes materiais referentes ao texto de estreia, A Mulher sem Pecado, passando pelas peças psicológicas, as obras míticas, as tragédias cariocas e o último drama, A Serpente. Teatro Glauce Rocha ? Sala Aloísio Magalhães. Avenida Rio Branco, 179, Centro, ☎ 2220-0259. ? Carioca. Quarta a domingo, 10h às 20h. Grátis. Até 30 de dezembro. A partir de quarta (1º).

ÚLTIMA SEMANA

✪✪✪ MONICA BARKI. Depois de prorrogada por uma semana, chega aos últimos dias a retrospectiva que reúne 127 obras da artista carioca. No sábado (4), às 15h, Monica e a curadora da exposição, Luiza Interlenghi, farão uma visita guiada pelo acervo que contempla todas as fases da multifacetada criadora. Em cada etapa da carreira ela explorou um suporte e uma técnica diferente ? usou de óleo sobre tela a assemblage, passando por videoarte e performances. Atualmente, trabalha com desenhos a lápis de cor e pastel seco e oleoso. A cultura popular, a condição feminina, o papel da mulher na sociedade e retratos psicológicos de personagens inventados por Monica Barki são temas recorrentes. Um dos destaques da mostra é a série de bobinas, rolos de 350 metros de papel, com desenhos que se repetem. As máquinas movimentadas por mecanismos de motor que exibem lonas com impressões em serigrafia representam o período da carreira que vai de 2007 a 2008. Museu Nacional de Belas Artes. Avenida Rio Branco, 199, Centro, ☎ 2219-8474, ? Cinelândia. Terça a sexta, 10h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 17h. R$ 8,00. Grátis aos domingos. Até domingo (5). www.mnba.gov.br.

EM CARTAZ

✪✪✪ ÁGUA RIO DE JANEIRO. Vista por mais de 200?000 visitantes na Oca, em São Paulo, a mostra sobre o universo da água é exibida em versão reduzida no Rio, dividida em quatro módulos. No primeiro, Desaguar, são apresentadas obras do inglês William Pye e dos brasileiros Rejane Cantoni, Raquel Kogan e Leonardo Crescenti. No último módulo, Infiltração, o visitante assiste à simulação de uma enchente, acompanhada de dentro de um casebre cenográfico. Museu Histórico Nacional. Praça Marechal Âncora, s/nº, Centro, ☎ 2550-9220. → Terça a sexta, 10h às 17h30; sábado, domingo e feriados, 14h às 18h. R$ 20,00 (seg. a sáb.); R$ 14,00 (dom.). Grátis para menores de 5 anos, pessoas com mais de 65 e no segundo domingo do mês. A bilheteria fecha meia hora antes. Até 22 de março. www.museuhistoriconacional.com.br.

✪✪✪ CARLITO CARVALHOSA. Lugar Comum é a primeira mostra de Carvalhosa depois da montagem de sua instalação sonora, A Soma dos Dias, no Museum of Modern Art (MoMa) de Nova York ? entre agosto e novembro de 2011. De volta ao Rio, onde vive, o artista paulista exibe outras quatro instalações nas quais reflete sobre as paisagens e seus desdobramentos. Servem de matéria-prima pontaletes de eucalipto, espelhos, tinta, tecidos, lâmpadas fluo­rescentes e alumínio. Quem assina a curadoria é Fernando Cocchiarale. Galeria Laura Alvim. Avenida Vieira Souto, 176, Ipanema, ☎ 2332-2017, ? General Osório. Terça a domingo, 13h às 21h. Grátis. Até 4 de março.

✪✪✪ COLETIVA 11. Desde 2003, a galeria Mercedes Viegas promove no fim do ano uma coletiva com trabalhos dos artistas que representa, mostrando o que foi exposto durante o período ? incluindo nomes convidados ?, neste caso, 2011, e dando uma prévia do que será exibido na temporada seguinte. Entre os trinta artistas escalados estão Waltercio Caldas, Luiza Baldan, Eduardo Sued e Luiz Monken. R$ 1?000,00 a R$ 40?000,00. Mercedes Viegas Arte Contemporânea. Rua João Borges, 86, Gávea, ☎ 2294-4305. Segunda a sexta, 12h às 20h; sábado, 16h às 20h. Grátis. Até 15 de fevereiro. www.mercedesviegas.com.br.

CHRISTINA OITICICA. Após oito anos sem expor no Rio, a artista carioca, casada com o escritor Paulo Coelho, está de volta em alentada individual. Com curadoria de Rodrigo Accioly, a mostra Mãe Terra reúne 64 trabalhos produzidos nos últimos dez anos, entre pinturas e quimonos. Sua inusitada técnica consiste em enterrar as obras e depois retirá-las, já transformadas pela ação do tempo. No acervo, são exibidos trabalhos colhidos no Caminho de Santiago de Compostela, no Caminho de Kumano (Japão) e na Amazônia, além de três exemplares desenterrados recentemente na Ilha de Caras, em Angra dos Reis. Uma das peças, Rosa Azul, passou uma temporada sob o solo da cidade medieval de La Roche-sur-Foron, nos Alpes Franceses. A exposição também marca a reabertura da Casa Brasil, ex-sede do Jornal do Brasil, que ocupa a antiga Casa do Bispo, construção de 1715. Casa Brasil. Avenida Paulo de Frontin, 568, Rio Comprido, ☎ 3923-4000. Segunda a sexta, 12h às 18h. Grátis. Até 16 de fevereiro.

✪✪✪ DAISY XAVIER. Com mais de três décadas de carreira, a artista carioca se dedica à investigação, em diversos suportes, da transição de estados ? sólidos e líquidos, cheio e vazio, corpos em movimento, formas mutantes. Daisy traduz esse processo de trabalho em quinze esculturas que, juntas, formam a instalação Último Azul. Objetos do cotidiano, como cadeiras, garrafas, taças, pratos e azulejos, foram empilhados, formando corpos instáveis, prestes a desmoronar. Museu de Arte Moderna. Avenida Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo, Centro, ☎ 2240-4944. → Terça a sexta, 12h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 19h. Grátis. Estac. (R$ 3,00 por uma hora). Até dia 25. www.mamrio.com.br.

✪✪✪ DENISE ARARIPE. Com seis anos de carreira, Denise tem sua produção dividida em ciclos temáticos, como a fase em que discutia a questão feminina por meio de representações de bonecas. Na nova individual, ela põe a mão em um vespeiro e questiona os limites entre a liberdade de expressão dos artistas e a proteção proporcionada pelo direito autoral. No acervo reunido, o famoso personagem de quadrinhos Tintim, criado em 1929 por Hergé (1907-1983), figura, ao lado de companheiros de aventuras como o Capitão Haddock e o cão Milu, em treze pinturas que ainda citam criações de Van Gogh, Picasso e Damien Hirst, entre outros grandes nomes das artes. A ideia polêmica foi inspirada em um episódio de 2008: naquele ano, a viúva de Hergé e seu atual marido, Nick Rodwel, à frente da Sociedade Moulinsart, detentora do espólio do criador, processaram o escritor e pesquisador francês Bob Garcia pelo uso da imagem de Tintim em seus livros. Galeria de Arte Maria de Lourdes Mendes de Almeida ? Centro Cultural Candido Mendes. Rua Joana Angélica, 63, Ipanema, ☎ 2523-4141, ramal 206. Segunda a sexta, 14h às 20h; sábado, 16h às 20h. Grátis. Até 17 de fevereiro.

DIÁLOGOS - FAYGA OSTROWER E ALEX GAMA. Noni Ostrower, filha da artista plástica polonesa radicada no Brasil Fayga Ostrower (1920-2001) e do gravador e professor de artes visuais Alex Gama, reuniu cerca de 120 trabalhos dos dois criadores. No acervo estão 43 desenhos e gravuras assinados por Fayga e exibidos pela última vez em 1963, na extinta Galeria Bonino, além de treze padrões de tecidos por ela desenvolvidos para uma tecelagem. De Gama são apresentados trinta gravuras e trinta matrizes, além de desenhos e objetos. Centro Cultural Correios. Rua Visconde de Itaboraí, 20, Centro, ☎ 2253-1580. → Terça a domingo, 12h às 19h. Grátis. Até 19 de março. www.correios.com.br.

E OS AMIGOS SINCEROS TAMBÉM. Com trabalhos de 24 artistas de diferentes gerações, a coletiva celebra os 75 anos de atividades do Ibeu. Curador da mostra, Bernardo Mosqueira selecionou o elenco após avaliação de 1?500 nomes que já expuseram na Galeria de Arte Ibeu em mais de meio século de funcionamento do espaço. Anna Bella Geiger exibe uma instalação multimídia criada no ano passado. Também estão presentes, entre outros, Ernesto Neto, Fernanda Gomes, Hilton Berredo, José Damasceno, Manfredo De Souzanetto e Tatiana Grimberg. Galeria de Arte Ibeu. Avenida Nossa Senhora de Copacabana, 690, 2º andar, Copacabana, ☎ 3816-9400, ? Siqueira Campos. → Segunda a sexta, 13h às 19h. Grátis. Até 17 de fevereiro. www.ibeu.org.br.

ENTRE TRÓPICOS - 46º05?: CUBA/BRASIL. Divergências e afinidades na produção de 22 artistas são exploradas nessa coletiva que reúne trabalhos de onze brasileiros e onze cubanos. O número do título refere-se à distância entre as latitudes de Havana e do Rio. Pinturas, esculturas, vídeos e instalações estão organizados em duplas no acervo selecionado pelas curadoras Íbis Hernandez (Cuba) e Marisa Flórido (Brasil). Um exemplo é a dobradinha com telas em técnica mista do vanguardista Douglas Pérez, como La Ciudad de las Oportunidades, que, alegoricamente, retrata um tsunami de informação atingindo a capital cubana, e o guache sobre quebra-cabeças do carioca Alexandre Vogler. Obra dele, da série Pintura de Retoque, Baía de Guanabara (2006) retrata as ruas de Botafogo inundadas, representando a elevação do nível do mar causada pelo aquecimento global. Ao longo do percurso, são vistos ainda pares de criações de Duvier del Dago e Regina Silveira, Fernando Rodriguez e Nelson Leirner, além de Yoan Capote e Nelson Felix, entre outros. Caixa Cultural ? Espaço Livraria. Avenida Almirante Barroso, 25, Centro, ☎ 2544-7666, ? Carioca. → Terça a sábado, 10h às 22h; domingo, 10h às 21h. Grátis. Até 26 de fevereiro. www.caixacultural.com.br.

ESQUEMAS PARA UMA ODA TROPICAL. Realizada há oito anos, a tradicional Exposição de Verão da galeria na Gávea ganha edição ampliada. Com título emprestado do livro do poeta mexicano Carlos Pellicer, lançado em 1933 e recheado de referências sobre países da América do Sul, a mostra tem curadoria de Pablo León de La Barra, conterrâneo do escritor. São apresentados trabalhos de dezesseis artistas de diversas nacionalidades latino-americanas. Entre os convidados estão Alejandro Cesarco (Uruguai), Felipe Mujica (Chile), Gilda Mantilla (Peru), Raimond Chaves (Colômbia), Irene Kopelman (Argentina), Julia Rometti e Vitor Costales (Equador), Mariana Castillo Deball (México) e os brasileiros Laércio Redondo e Rodrigo Matheus. R$ 5?000,00 a R$ 30?000,00. Galeria Silvia Cintra + Box 4. Rua das Acácias, 104, Gávea, ☎ 2521-0426. → Segunda a sexta, 10h às 19h; sábado, 12h às 19h. Grátis. Até 25 de fevereiro. www.silviacintra.com.br.

FERNANDA GOMES. De volta ao Rio, após expor no México, a artista celebra vinte anos de carreira com sua maior individual no país. Integram a ocupação objetos de madeira, vidro, papelão e utensílios domésticos, além de móveis comuns como um sofá, uma mesa de cozinha e um banco de ferro. Museu de Arte Moderna. Avenida Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo, Centro, ☎ 2240-4944. → Terça a sexta, 12h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 19h. R$ 8,00. A bilheteria fecha meia hora antes. Pessoas com mais de 60 anos pagam R$ 4,00. Grátis para amigos do MAM e menores de 12 anos. Aos domingos vigora o ingresso-família: pagam-se R$ 8,00 por grupo. Estac. (R$ 3,00 por uma hora). Até 22 de abril. www.mamrio.com.br.

✪✪✪ FRANZ WEISSMANN. Mostra com cinquenta obras do artista nascido na Áustria (1911-2005), um dos maiores nomes das artes plásticas no Brasil. Na retrospectiva A Síntese e a Lírica Construtiva, montada com curadoria de Marcus de Lontra Costa, sobressaem criações monumentais, como Arapuca, de 6 metros de altura, apresentada na Bienal de São Paulo de 1967, e duas imensas composições alaranjadas exibidas na XI Bienal de Escultura ao Ar Livre, na cidade belga de Antuérpia, em 1971. Na quinta (2), às 18h30, o historiador de arte, crítico e curador anglo-brasileiro Michael Asbury faz uma palestra grátis sobre Weissmann e sua obra, com senhas distribuídas uma hora antes do evento. Centro de Arte Hélio Oiticica. Rua Luís de Camões, 68, Praça Tiradentes, ☎ 2242-1012, ? Presidente Vargas. → Terça a sexta, 11h às 18h; sábado, domingo e feriados, 11h às 17h. Grátis. Até 12 de fevereiro.

GIANCARLO NERI. Napolitano, 56 anos, Neri tornou-se conhecido na Europa pela produção de grandes obras públicas. No Rio, em 2009, fez uma intervenção na fachada do Hotel Glória, dentro do projeto Lúmen, sob curadoria de Paulo Reis (1961-2011). De volta à cidade, mostra a instalação Presidente Mão, na Galeria Progetti, e uma versão de sua instalação ao ar livre Massimo Silenzio, criada para o Circo Massimo, em Roma, durante os cinco dias do evento Notte Bianca 2007. Aqui, a obra Máximo Silêncio em Paris leva à Praça Paris cerca de 9?000 globos luminosos que mudam de cor. Galeria Progetti. Travessa do Comércio, 22, Arco do Telles, ☎ 2221-9893. Terça a sábado, 12h às 18h. Grátis. Até 15 de março. Praça Paris. Glória. Segunda a domingo, 19h à 0h. Grátis. Até sábado (4).

✪✪✪ GIORGIO VASARI: A INVENÇÃO DO ARTISTA MODERNO. Natural de Arezzo, o arquiteto e pintor Giorgio Vasari (1511-1574) tornou-se conhecido ao projetar importantes edificações e embelezá-las com afrescos. Levam seu jamegão, por exemplo, a Galeria Uffizi e o Palazzo Vecchio, ambos em Florença. Vasari ficaria mais lembrado por ser o primeiro historiador da arte de que se tem notícia. Ele lançou, em 1550, o pioneiro livro do gênero, As Vidas dos Mais Excelentes Pintores, Escultores e Arquitetos ? De Cimabue até Nossos Dias. Trata-se de um histórico catálogo com biografias de artistas que atuaram nos séculos anteriores, como Giovanni Cimabue (1240-1303), e também na época em que o autor viveu, caso de Michelangelo (1475-1564). Muitos atribuem a Vasari a conceituação desse período como "Rinascita", o que lhe valeu o título de Pai do Renascimento. Na mostra, com curadoria da historiadora Elisa Byington, estão 200 desenhos, gravuras e livros raros pertencentes ao acervo da Biblioteca Nacional. Entre os destaques figura um exemplar original da segunda edição de seu livro mais famoso, impressa em 1568. Fundação Biblioteca Nacional ? Espaço Eliseu Visconti. Rua México, s/nº, Centro, ☎ 3095-3862. ? Cinelândia. Terça a sexta, 10h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 17h. Grátis. Até 16 de fevereiro. www.bn.br.

✪✪✪ HIGH TECH/LOW TECH - FORMAS DE PRODUÇÃO. Diretor do Instituto Goethe, Alfons Hug assina a curadoria da mostra com trabalhos de vinte artistas e coletivos do Brasil e de outros doze países ? Alemanha, Canadá, China, Colômbia, Curaçao, Estados Unidos, Índia, Nigéria, Suíça, Taiwan, Turquia e Vietnã. No acervo estão representações de objetos primitivos e sofisticadas invenções que, contrastadas, sugerem reflexões sobre avanços e retrocessos proporcionados pela tecnologia. Ilustra bem esse conceito o vídeo In Comparison, em que o alemão Harun Farocki estabelece paralelos entre a fabricação de tijolos na África e na Índia, por nativos, e o mesmo trabalho feito por robôs em indústrias da Suíça, da Áustria e da França. Entre os seis brasileiros selecionados está Mariana Manhães, autora da instalação Dentre (Lâmpadas). Oi Futuro Flamengo. Rua Dois de Dezembro, 63, Flamengo, ☎ 3131-3060, ? Largo do Machado. → Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis. Até 1º de abril. www.oifuturo.org.br.

✪✪✪ IVENS MACHADO. Um dos grandes nomes da videoarte e da arte conceitual brasileira, o artista trabalha desta vez com materiais brutos, como terra, azulejos, caixas de papelão e madeira, para criar ambientes onde aborda conceitos de densidade e grandeza. Machado faz também releituras de algumas de suas obras. É o caso do espaço criado com troncos de madeira empilhados, de alturas que variam de 1,80 metro a 2,20 metros, instalação que remete a um trabalho similar, apresentado na Bienal de São Paulo de 2004. Em um ambiente lateral, o visitante encontra um espaço claustrofóbico, montado com caixas de papelão de vários tamanhos, e um vídeo inédito produzido para a mostra. No outro salão lateral estão sete painéis de azulejos brancos, com intervenções em algumas peças, em que o artista desloca a função desse material. Casa França-Brasil. Rua Visconde de Itaboraí, 78, Centro, ☎ 2332-5120. → Terça a sábado, 10h às 20h. Grátis. Até 17 de fevereiro. www.fcfb.rj.gov.br.

✪✪✪✪ 1911-2011 - ARTE BRASILEIRA E DEPOIS, NA COLEÇÃO ITAÚ. Criada há mais de seis décadas pelo banqueiro Olavo Setúbal (1923-2008), a Coleção Itaú reúne cerca de 12?000 peças. Só de arte brasileira, abriga 3?600 obras, que abrangem épocas e movimentos diversos. Uma nova parte desse rico acervo pode ser vista no Paço. São 186 pinturas, esculturas e instalações selecionadas por Teixeira Coelho, diretor do Museu de Arte de São Paulo (Masp). Dividido em seis módulos sequenciais, o percurso começa pelo setor A Marca Humana, que dá ênfase ao figurativismo e remete aos primórdios do modernismo no Brasil, com exemplares como A Pequena Aldeã, de Lasar Segall. Também integra essa seção a série completa de estudos de Portinari para o painel Ciclo Econômico, de 1938. O visitante ainda encontra, entre outros trabalhos, o experimentalismo de Paulo Bruscky, além de provocativas criações dos amigos Lygia Clark e Hélio Oiticica e dos multimídia Julio Plaza e Letícia Parente. Paço Imperial. Praça Quinze de Novembro, 48, Centro, ☎ 2215-2622. → Terça a domingo, 12h às 18h. Grátis. Até 12 de fevereiro. www.pacoimperial.com.br.

A PRIMEIRA DO ANO. Abraham Palatnik, Carlos Zilio, Claudia Bakker, Daisy Xavier, Nuno Ramos, Suzana Queiroga e Waltercio Caldas estão entre os 21 nomes que integram a coletiva com trabalhos em diferentes suportes. Ana Holck exibe uma escultura com bloco de concreto e lâminas de acrílico sextavadas. Desdobramento de pesquisas da artista, a peça ? um múltiplo com tiragem de dez exemplares ? foi inspirada na criação apresentada na exposição Lost in Lace, na Inglaterra, em outubro de 2011. R$ 3?400,00 a R$ 23?000,00. Anita Schwartz Galeria de Arte. Rua José Roberto Macedo Soares, 30, Gávea, ☎ 2274-3873. Segunda a sexta, 10h às 20h; sábado, 12h às 18h. Grátis. Até 10 de março. www.anitaschwartz.com.br.

SÉRGIO RICARDO. Considerado um dos precursores da bossa nova, o cantor e compositor de personalidade forte teve a apreciação de seu talento ofuscada por um episódio inusitado: irritado com vaias, quebrou um violão durante apresentação no 3º Festival de Música Popular Brasileira, em 1967. Agora, é tema da mostra com fotografias e vídeos inéditos sobre sua trajetória artística. A exposição marca o lançamento do Projeto Sérgio Ricardo ? 80 Anos. Instituto Cultural Cravo Albin. Avenida São Sebastião, 2, Urca, ☎ 2542-0848. Segunda a sexta, 10h às 17h. Grátis. Visitação mediante agendamento. Até 25 de fevereiro.

FOTOGRAFIA

✪✪✪✪ MANUEL ÁLVAREZ BRAVO. O mexicano Manuel Álvarez Bravo (1902-2002) é um expoente da fotografia. Na mostra estão mais de 250 imagens, com ênfase nas décadas de 20 a 50. Ao longo de mais de setenta anos de carreira, Bravo conviveu com artistas e intelectuais de relevo, como seu ilustre colega francês Cartier-Bresson, os pintores mexicanos Diego Rivera e Frida Kahlo e o surrealista André Breton. Em suas fotografias, re­vela cenas do cotidiano e da cultura popular de seu país, sempre com um olhar poético e sensível. Instituto Moreira Salles. Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea, ☎ 3284-7400. → Terça a sexta, 13h às 20h; sábado e domingo, 11h às 20h. Grátis. Estac. grátis. Visitas guiadas de terça a sexta, às 17h. Até 26 de fevereiro. www.ims.com.br.

✪✪✪✪ THOMAS FARKAS. Nascido em Budapeste, na Hungria, Thomas Farkas (1924-2011) veio para o Brasil com a família aos 6 anos e, aqui, deu relevante contribuição à iconografia moderna nacional. Thomas Farkas: uma Antologia Pessoal é uma retrospectiva composta de 115 trabalhos abrigados no acervo do IMS, em boa parte escolhidos para exibição pelo próprio autor. Na seleção, entraram peças representativas de sua trajetória, incluindo as séries sobre a construção de Brasília, revelando a faceta documental do seu trabalho. Instituto Moreira Salles. Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea, ☎ 3284-7400. → Terça a sexta, 13h às 20h; sábado e domingo, 11h às 20h. Grátis. Estac. grátis. Visitas guiadas de terça a sexta, às 17h. Até 26 de fevereiro. www.ims.com.br.

Fonte: VEJA RIO