ROTEIRO DA SEMANA

Três perguntas para Diego Boneta

- Atualizado em

roteiro-cinema-3p-abre.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Ator mexicano de 21 anos, Diego Boneta ficou conhecido pela novelinha Rebelde, gravou discos (um deles em português) e, ao lado de astros como Tom Cruise e Alec Baldwin, protagoniza Rock of Ages O Filme, musical que marca sua estreia no cinema americano.

Qual foi sua reação ao saber que tinha sido escolhido para o papel principal? Eram milhares de rapazes competindo por apenas uma vaga, e fiz os testes como todos os outros. Foram várias etapas, sempre muito tensas. Antes de o diretor Adam Shankman me telefonar dizendo que eu tinha sido o escolhido, fiquei três dias com enxaqueca. A dor desapareceu em segundos, liguei para os meus pais e fomos comemorar bebendo muita tequila. Em meu primeiro filme, estava ao lado de astros como Tom Cruise, Alec Baldwin e Catherine Zeta-Jones.

Foi um sonho que virou realidade. O que você conhece do Brasil? Eu falo um pouco da sua língua porque tive de aprendê-la para gravar um disco em português. Estive no Brasil em 2006 e 2007, durante um tour do grupo RBD. Ficamos cerca de cinco meses rodando o país: Manaus, Belém, Fortaleza, Salvador, Vitória... No Rio, cantamos no Maracanã e, em São Paulo, no Estádio do Morumbi. O Brasil é um lugar muito especial. Amei o povo, ia às churrascarias todos os dias, adorei as garotas e ouvi muita música brasileira, como Lulu Santos, Roberto Carlos e Caetano Veloso. De cinema, conheço os filmes do diretor Fernando Meirelles, com quem gostaria muito de trabalhar.

Você não era nascido em 1987, quando se passa o filme. A música daquela época lhe agrada? Desde meus 8 anos, já escutava bandas como U2, Police e Queen estes também eram os artistas que meus pais ouviam. Ou seja: cantar no filme hits como Don?t Stop Believin? foi incrível. No meu iPod, tenho os grupos da década de 80, além de cantores atuais, como os indies Gotye e Sia. Também sou muito fã do Coldplay. Uns dias atrás fui pela primeira vez a um show deles e achei extraordinário.

Fonte: VEJA RIO