Roteiro da Semana

Cinema

- Atualizado em

PRÉ-ESTREIA

CONAN, O BÁRBARO, de Marcus Nispel (Conan the Barbarian, EUA, 2011). Na refilmagem da aventura épica de 1982, Jason Momoa substitui Arnold Schwarzenegger no papel-título. O guerreiro Conan lidera uma batalha contra os rivais quando se dá conta de que é a única salvação para as nações de Hibória (113min). Dublado, 3D: Cinesystem Bangu 1, Cinesystem Via Brasil 5, Kinoplex West Shopping 2, Iguaçu Top 1, Kinoplex Grande Rio 5, Kinoplex Nova América 5. Legendado, 3D: Cinépolis Lagoon 4, Cinesystem Ilha Plaza 4, Iguatemi 1, UCI Kinoplex NorteShopping 10, UCI New York City Center 2, Via Parque 5.

ESTREIAS

✪✪✪ COWBOYS & ALIENS, de Jon Favreau (Cowboys & Aliens, EUA/Índia, 2011). O diretor Jon Favreau virou um especialista em dar humor à cinessérie de ação Homem de Ferro. Esperava-se, portanto, que seu novo longa-metragem abusasse da graça na inusitada batalha entre cowboys e alienígenas. Uma ou outra piadinha mais a já folclórica presença carrancuda de Harrison Ford garantem os momentos de risos. O faroeste de ficção científica, contudo, sustenta-se em seu delicioso ponto de partida, em efeitos visuais espetaculares e numa primeira hora bastante original. Depois, cai no lugar-comum, mesmo sem comprometer o resultado final. No Velho Oeste, um estranho sem nome chega ao vilarejo de Absolution, dominado por um fazendeiro durão (papel de Ford). Ele não lembra quem é nem o motivo de carregar um bracelete metálico no pulso. Logo se sabe o nome do visitante: Jake Lonergan (o atual 007 Daniel Craig), um ladrão procurado pela Justiça. Os habitantes ficam intrigados com a presença do bandido, mas a coisa só piora quando, do céu, surgem naves espaciais com o poder de abduzir as pessoas. Na luta contra os invasores, juntam-se brancos e índios, xerifes e bandidos, numa salada racial e social criativa. Com Paul Dano (118min). 12 anos. Estreou em 9/9/2011. Dublado: Bay Market 1, Box Cinemas São Gonçalo 7, Cine 10 Sulacap 3, Cinespaço Boulevard 1, Cinemark Downtown 3, Cinesystem Bangu 6, Cinesystem Via Brasil 2, Iguatemi 4, Kinoplex Grande Rio 1, Kinoplex Nova América 6, Kinoplex West Shopping 1, Madureira Shopping 3, UCI Kinoplex NorteShopping 5. Legendado: Cinemark Downtown 3 e 5, Cinemark Plaza Shopping 6, Cinépolis Lagoon 6, Cinesystem Ilha Plaza 1, Cinesystem Recreio 1, Cinesystem Via Brasil 3, Espaço Rio Design VIP, Kinoplex Leblon 1, Kinoplex Tijuca 6, Rio Sul 4, UCI New York City Center 4 e 15, Via Parque 4.

✪ LARRY CROWNE ? O AMOR ESTÁ DE VOLTA, de Tom Hanks (Larry Crowne, EUA, 2011). Se existisse um troféu para premiar o casal mais insosso e sem química da temporada, iria para Tom Hanks e Julia Roberts nesta comédia romântica. Escrita (em parceria com a atriz Nia Vardalos, de Casamento Grego) e dirigida por Tom Hanks, quinze anos depois de The Wonders ? O Sonho Não Acabou, a fita toca superficialmente na crise da meia-idade e na crítica situação econômica americana. Pior de tudo: o romance entre os protagonistas custa muuuito a decolar por causa de um roteiro anêmico, dispersivo, sem graça e de conflitos rasos. Hanks faz o protagonista, Larry Crowne, um cinquentão que dedicou sua vida à Marinha e, em seguida, ao emprego numa rede de supermercados. Demitido por não ter formação superior, decide voltar à escola. Lá, torna-se um aluno exemplar e, aos poucos, se encanta por Mercedes (Julia), a durona professora de oratória. Essa mulher inflexível tem um marido imprestável e passa os dias de mal com a vida (98min). 10 anos. Estreou em 9/9/2011. Dublado: Bay Market 3, Box Cinemas São Gonçalo 2, Cine 10 Sulacap 4, Iguatemi 5, Kinoplex Grande Rio 3, Kinoplex Nova América 7. Legendado: Cinespaço Boulevard 2, Cinemark Downtown 7, Cinemark Plaza Shopping 1, Cinépolis Lagoon 1, Cinesystem Recreio 3, Kinoplex Fashion Mall 2 e 3, Kinoplex Tijuca 5, Leblon 1, Rio Sul 2, Roxy 2, São Luiz 3, UCI Kinoplex NorteShopping 6, UCI New York City Center 13, Unibanco Arteplex 2, Via Parque 3.

OS MONSTROS, de Guto Parente, Luiz Pretti, Pedro Diogenes e Ricardo Pretti (Brasil, 2011). O quarteto de diretores, reunido no coletivo cearense Alumbramento, estreou em longa-metragem com Estrada para Ythaka. Na trama, um músico nada ortodoxo tem dificuldades para emplacar seu estilo de interpretação. Para piorar, é abandonado pela esposa. Resta procurar algum conforto na companhia dos amigos. Entre os realizadores, os primos Luiz e Ricardo Pretti também estão no elenco (81min). Estreou em 9/9/2011. Cine Joia.

✪✪✪ RISCADO, de Gustavo Pizzi (Brasil, 2010, 85min). 10 anos. Estreou em 9/9/2011. Leia em Veja Rio Recomenda. Cine Santa, Estação Sesc Espaço 2, Estação Vivo Gávea 4.

EM CARTAZ

←A ALEGRIA, de Felipe Bragança e Marina Meliande (Brasil, 2010). De alegria, só o título mesmo. Devagar quase parando, o drama dirigido por dois jovens cineastas cariocas pretende ser um retrato do fim da adolescência. Os personagens, porém, entediam o espectador, sobretudo por causa dos diálogos enfadonhos, das situações mornas e das atuações nada naturais ? as pausas entre as frases chegam a ser risíveis e o elenco de novatos pouco ajuda. A protagonista é Luiza (Tainá Medina), garota de 16 anos às voltas com um primo baleado e encrencado com a polícia, a paixão por um colega de escola e os pactos típicos dessa idade. Há um bocado de fantasia na história, mas nem nesse quesito o filme consegue sair do marasmo (100min). 14 anos. Estreou em 19/8/2011. Unibanco Arteplex 3.

✪✪✪ AMOR A TODA PROVA, de Glenn Ficarra e John Requa (Crazy, Stupid, Love, EUA, 2011). Os diretores Glenn Ficarra e John Requa deram um molho bastante picante para a comédia romântica gay O Golpista do Ano. Ainda que sem os mesmos ingredientes polêmicos, voltam a refrescar o gênero. Embora com alguns clichês, o roteiro é redondo, tem surpresas e bons diálogos. Na trama, Cal (Steve Carell) e Emily (Julianne Moore) são casados há 25 anos, mas o passar das décadas só os deixou apáticos. Quando ela pede o divórcio, o caretinha Cal cai em depressão e passa a beber diariamente no mesmo bar. Lá, faz amizade com o playboy sarado Jacob (Ryan Gosling), que decide ajudar o novo amigo a conquistar a mulherada. Mas, enquanto Cal vira um garanhão, Jacob rende-se ao namoro com a fofa Hannah (Emma Stone). Também tem sua graça a paixão do adolescente Robbie (Jonah Bobo), filho de Cal, por uma babá quatro anos mais velha, interpretada por Analeigh Tripton. Com Kevin Bacon (118min). 12 anos. Estreou em 26/8/2011. Cinépolis Lagoon 2, Estação Sesc Botafogo 1, Estação Vivo Gávea 5, Kinoplex Fashion Mall 1, Kinoplex Tijuca 4, Leblon 2, Roxy 2, São Luiz 4, UCI Kinoplex NorteShopping 7, UCI New York City Center 6, Via Parque 5.

✪✪ APOLLO 18, de Gonzalo López-Gallego (Apollo 18, EUA/Canadá, 2011). Será que alguém ainda aguenta o filme de ficção que pretende parecer cinema-verdade? Desde A Bruxa de Blair (1999), produtores procuraram recriar o gênero, e aqui nasce um terror de ficção científica na mesma fórmula dos recentes Quarentena (2008) e O Último Exorcismo (2010). Mas, ao contrário desses outros trabalhos, que usavam uma única câmera, Apollo 18 serve-se de várias tomadas e de uma edição mais certinha, o que esvazia ainda mais a proposta de serem registros reais. No início da trama, o letreiro avisa: a Nasa enviou secretamente ao espaço, em 1974, três astronautas na fictícia Apollo 18. Eles nunca voltaram de lá. O que o espectador verá, portanto, são imagens picotadas (algumas de proposital baixíssima qualidade) dos dramas e horrores da tripulação. Há dois ou três bons sustos, uma deslocada crítica ao governo americano e muita enrolação até chegar aos momentos de pânico (90min). 14 anos. Estreou em 2/9/2011. Dublado: Box Cinemas São Gonçalo 3, Kinoplex Grande Rio 2, Kinoplex Nova América 2. Legendado: Cinemark Downtown 6, Cinemark Plaza Shopping 2, Cinépolis Lagoon 2, Estação Sesc Laura Alvim 2, Estação Vivo Gávea 1, Iguatemi 1, UCI Kinoplex NorteShopping 7, UCI New York City Center 1.

✪✪✪ A ÁRVORE DA VIDA, de Terrence Malick (The Tree of Life, EUA, 2011). Drama. É preciso, antes de mais nada, deixar-se levar pela viagem do diretor bissexto Terrence Ma­lick, que, em 38 anos de carreira, fez apenas cinco longas-metragens ? entre eles Além da Linha Vermelha (1998) e O Novo Mundo (2005). Aqui, o foco está numa família texana da década de 50, formada por um pai durão (Brad Pitt), uma mãe carinhosa e omissa (Jessica Chastain) e seus três filhos. Jack, o primogênito interpretado pelo expressivo Hunter McCracken, sofre mais nas garras paternas e, em determinado momento de desespero, chega até a desejar a morte do pai. O filme vai e volta no tempo, sobretudo a partir das lembranças do mais velho, interpretado por Sean Penn na fase adulta, quando se tornou um executivo cheio de angústias. Malick costura esses instantâneos de vida com poucos diálogos, trilha sonora instrumental quase onipresente e retratos deslumbrantes da natureza. Não se espante: há longos momentos em que os personagens dão lugar a imagens de dinossauros, de vulcões, do cosmos, de cachoeiras... Como se fosse um imenso e pretensioso painel da criação do homem, o rea­lizador, claro, se perde um pouco pelo caminho e deixa a desejar no quesito emoção. Vencedora da Palma de Ouro no Festival de Cannes 2011, a fita, difícil e complexa, é mais para ser sentida do que compreen­dida. E, nesse ponto, Malick tira da frente qualquer outro concorrente americano (139min). 10 anos. Estreou em 12/8/2011. Cine Santa, Espaço Museu da República, Estação Sesc Barra Point 1, Estação Sesc Laura Alvim 1, Estação Sesc Espaço 3, Estação Vivo Gávea 3.

✪✪ ASSALTO AO BANCO CENTRAL, de Marcos Paulo (Brasil, 2011). Esperava-se mais deste drama policial que tenta reproduzir o mais notório e milionário roubo a um banco no Brasil. Ocorrido em Fortaleza, em 2005, o crime foi planejado e executado por uma quadrilha de mais de trinta pessoas (reduzidas a uma dezena no longa-metragem). O saldo: quase 165 milhões de reais foram levados do caixa-forte do Banco Central, roubados através de um túnel de 84 metros. Em sua estreia no cinema, o ator e experiente diretor de TV Marcos Paulo conta com elenco famoso e um roteiro por vezes engenhoso que, através de vaivéns, rememora a façanha dos bandidos. O tom hollywoodiano e a falta de autenticidade nas situações põem quase tudo a perder. Estereótipos e trilha sonora grandiloquente também abundam. Cabeça da operação, o misterioso Barão (Milhem Cortaz) contrata Mineiro (Eriberto Leão), recém-saído da prisão, para pôr o plano em prática. A eles se juntam um engenheiro (Tonico Pereira) e operários para dar início às escavações. O filme segue fluente até mais da metade. Quando flerta com o cinema estrangeiro de ação e suspense, na linha de O Plano Perfeito e Efeito Dominó, seus limites ficam ainda mais evidentes. Surpresa do elenco, Vinícius de Oliveira (o menino de Central do Brasil) interpreta um divertido evangélico efeminado. Com Hermila Guedes, Juliano Cazarré, Lima Duarte e Giulia Gam (101min). 14 anos. Estreou em 22/7/2011. Kinoplex Nova América 2.

✪✪✪ ASSIM É, SE LHE PARECE, de Carla Gallo (Brasil, 2011). Parte da série Iconoclássicos, do Itaú Cultural, que já homenageou Itamar Assumpção e Paulo Leminski, o documentário enfoca a carreira do controverso Nelson Leirner. Além de revisitar a longa trajetória do artista plástico paulistano, a fita busca elucidar seu processo criativo, baseado em apropriações de objetos da cultura de massa. O carismático Leirner, de 79 anos, dá depoimentos sobre sua intimidade e é filmado em divertidas visitas a camelôs atrás de material para novos trabalhos. Entrada grátis (75min). 12 anos. Estreou em 2/9/2011. Unibanco Arteplex 3.

BELAIR, de Noa Bressane e Bruno Safadi (Brasil, 2009). O documentário joga luz sobre a Belair, produtora criada pelos cineastas Julio Bressane e Rogério Sganzerla em 1970, durante o regime militar no Brasil (80min). 12 anos. Estreou em 10/6/2011. Cinemark Downtown 9.

✪✪ CARROS 2, de John Lasseter e Brad Lewis (Cars 2, EUA, 2011). Animação. A continuação do sucesso de 2006 abandona a cidadezinha do Meio-Oeste americano e ganha proporções globais. Num mundo povoado por automóveis, o bólido Relâmpago ­McQueen (dublado por Owen Wilson na versão original) participa de uma corrida que passa por Japão, Itália e Inglaterra. Enquanto isso, o caipira Mate (o humorista Larry the Cable Guy) ajuda um agente secreto britânico, representado por um Aston Martin (o carro de James Bond em Casino Royale, aqui com voz de Michael Caine). Talvez seja a primeira deslizada feia da Pixar, estúdio responsável por obras-primas animadas (Wall-E, Up ? Altas Aventuras, Ratatouille). O visual deslumbrante ainda encanta o público, mas a história, o forte dos seus filmes, decaiu bastante. Provoca estranheza a opção de transformar o cansativo guincho Mate em protagonista. As piadas, pouco inspiradas, perdem espaço para a ação rocambolesca. Para completar, a Disney fez alarde demais em torno de participações imperceptíveis de celebridades, como as atrizes Sophia Loren e Vanessa Redgrave e o piloto Lewis Hamilton. O mesmo ocorre com a cópia em português (a cantora Claudia Leitte e o piloto-empresário Emerson Fittipaldi fazem as pontinhas). Um curta-metragem com os personagens da trilogia Toy Story precede o filme (106min). Livre. Estreou em 23/6/2011. Legendado: UCI New York City Center 18.

✪ CILADA.COM, de José Alvarenga Jr. (Brasil, 2011). Comédia. Com base no seriado Cilada, do canal pago Multishow, o humorista Bruno Mazzeo arrisca-se pela primeira vez como protagonista de um filme. Depois de ser flagrado traindo a namorada (Fernanda Paes Leme), ele descobre que a moça pôs na internet um vídeo no qual a performance sexual dele era pífia. Exposto ao ridículo diante de todos, o malandro tenta limpar sua imagem, mas acaba se metendo em outras confusões. Ao contrário da série de TV, não há intervenções no formato de esquetes no meio da história. Se por um lado poupa o espectador de ver o comediante fazendo imitações nem sempre inspiradas, por outro a direção não conseguiu preencher o vazio, e a falta de ritmo incomoda bastante. Toda piada, por pior que seja, é extenuantemente prolongada, como se estivessem tentando fazer o roteiro de um curta-metragem se encaixar à duração de um longa (99min). 14 anos. Estreou em 8/7/2011. Cinemark Downtown 2.

✪✪✪✪ UM CONTO CHINÊS, de Sebastián Borensztein (Un Cuento Chino, Argentina/Espanha, 2011). Comédia dramática. Praticamente com apenas dois atores, o diretor argentino Sebastián Borensztein fez um pequeno grande filme. Um ótimo roteiro, também de sua autoria, mistura drama e humor na trajetória de Roberto, interpretado pelo excelente Ricardo Darín, de O Filho da Noiva e Abutres. Esse tipo de poucas palavras e raros amigos é dono de uma loja de ferragens em Buenos Aires. Nunca se casou, não tem filhos e cultua a falecida mãe. Em seu trabalho, revela-se metódico e sem muita paciência com os fregueses, digamos, mais exigentes. Seu cotidiano, contudo, vira de pernas para o ar quando ele decide ajudar um imigrante chinês a reencontrar o tio na cidade. Sem falar uma única palavra em espanhol e sem sequer saber o paradeiro do parente, Jun (Ignacio Huang) mostra-se amigável e prestativo. O cineasta não apela para o sentimentalismo. Prefere comover a plateia na base da diversão e da delicadeza (93min). 14 anos. Estreou em 2/9/2011. Cinépolis Lagoon 3, Kinoplex Leblon 4, UCI New York City Center 7, Unibanco Arteplex 6.

CORTINA DE FUMAÇA, de Rodrigo Mac Niven (Brasil, 2010). A exemplo de Quebrando o Tabu, o documentário procura debater a política para as drogas no Brasil e no mundo. O realizador visitou feiras e congressos, hospitais, prisões e outras instituições no Brasil, na Inglaterra, na Espanha, na Holanda, na Suíça, na Argentina e nos Estados Unidos. Entre seus 34 entrevistados figuram o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (que também participou ativamente de Quebrando o Tabu), o ministro da Suprema Corte da Argentina Raúl Zaffaroni e o criminalista Nilo Batista (94min). 16 anos. Estreou em 2/9/2011. Cine Glória.

DEU A LOUCA NA CHAPEUZINHO 2, de Mike Disa (Hoodwinked Too! Hood vs. Evil, EUA, 2011). O primeiro episódio do desenho animado, de 2005, tentava, sem muito sucesso, parodiar e subverter os contos da fada, na linha de Shrek. Nesta sequência, Chapeuzinho embarca numa missão: descobrir o paradeiro de João e Maria. O Lobo Mau, a Vovozinha e o esquilo Ligeirinho ajudam a protagonista (86min). Livre. Estreou em 2/9/2011. Dublado: Cine 10 Sulacap 1, Cinemark Plaza Shopping 2, Cinesystem Recreio 2, Madureira Shopping 2, UCI New York City Center 10. Dublado, 3D: Bay Market 3, Box Cinemas São Gonçalo 1, Cinespaço Boulevard 3, Cinemark Downtown 4, Cinemark Plaza Shopping 1, Cinépolis Lagoon 4, Cinesystem Bangu 1, Cinesystem Ilha Plaza 4, Cinesystem Via Brasil 5, Espaço Rio Design 1, Iguatemi 1, Kinoplex Grande Rio 2, Kinoplex Leblon 4, Kinoplex Nova América 5, Kinoplex Tijuca 4, Kinoplex West Shopping 5, Rio Sul 2, São Luiz 4, UCI Kinoplex NorteShopping 10, UCI New York City Center 2.

✪✪ DIÁRIO DE UMA BUSCA, de Flavia Castro (Brasil/França, 2010). Em seu primeiro longa-metragem, Flavia Castro vai atrás de uma dúvida que persiste há quase 27 anos. Em outubro de 1984, seu pai, Celso Afonso Gay de Castro, morreu em circunstâncias misteriosas num edifício em Porto Alegre. Ele havia invadido, junto de um colega, o apartamento de um alemão, supostamente ligado com o nazismo. Para relembrar essa triste história no documentário, a diretora entrevista sua avó, sua mãe e as ex-mulheres de seu pai, além do irmão, a meia-irmã, o delegado (já aposentado) e alguns envolvidos no caso. No quesito investigação, a fita tem saldo devedor. O baú de memórias, porém, traz uma sinceridade poucas vezes vista no cinema. Militante de esquerda, Castro levou uma vida de quase eterno exílio entre Chile, Argentina, Venezuela e França na década de 70 (104min). 10 anos. Estreou em 26/8/2011. Unibanco Arteplex 5.

✪✪ ESSES AMORES, de Claude Lelouch (Ces Amours-là, França, 2010). Em seu novo drama, o experiente diretor de Um Homem, Uma Mulher (1966) pretende fazer uma homenagem ao cinema relembrando algumas passagens de sua trajetória. Embora tão ambiciosa quanto Retratos da Vida (1981), talvez seu filme mais famoso no Brasil, a fita tem cara de minissérie condensada. Há brechas na trama, muitos acontecimentos e, infelizmente, pouca emoção. A história começa no início do século XX e centra-se na II Guerra e em alguns anos adiante. Durante a ocupação nazista na França, Ilva (Audrey Dana) pede a um oficial alemão que livre seu pai (Dominique Pinon), projecionista de um cinema, do fuzilamento. Pedido aceito, ela torna-se amante dele. Tempos depois, fica dividida entre dois soldados americanos: um negro pobre e um branco rico. Dramas e tragédias vão ainda rondar a protagonista (120min). 12 anos. Estreou em 26/8/2011. Estação Sesc Barra Point 1, Estação Sesc Botafogo 3, Estação Sesc Laura Alvim 2.

FILHOS DE JOÃO ? O ADMIRÁVEL MUNDO NOVO BAIANO, de Henrique Dantas (Brasil, 2009). O documentário joga luz na formação, no fim da década de 60, do grupo Novos Baianos. Entre os integrantes estavam Baby Consuelo, Paulinho Boca de Cantor e Moraes Moreira. João Gilberto serviu de influência para a banda baiana descobrir a MPB e gravar Acabou Chorare (1972), o mais emblemático disco da turma (76min). Livre. Estreou em 22/7/2011. Cine Glória.

✪✪✪ HARRY POTTER E AS RELÍQUIAS DA MORTE ? PARTE 2, de David Yates (Harry Potter and the Deathly Hallows: Part 2, Inglaterra/EUA, 2011). Aventura. A saga do jovem bruxo Harry Potter (Daniel Radcliffe) chega ao capítulo final em grande estilo. Quem não se perdeu em meio a tanta informação nos outros filmes (alguns deles, como o anterior, bem fraquinhos) vai ter o esforço recompensado, com direito a bastante ação épica e clima tenso na medida certa. Até a direção de arte e os efeitos especiais parecem ter evoluído. Ao lado dos amigos Ron (Rupert Grint) e Hermione (Emma Watson), o herói segue em busca dos três objetos que tornam o vilanesco Voldemort (Ralph Fiennes) imortal. Na derradeira batalha entre o bem e o mal, Potter vai descobrir quanto está disposto a sacri­ficar para impedir que as trevas vençam (130min). 12 anos. Estreou em 15/7/2011.

✪✪✪ O HOMEM DO FUTURO, de Claudio Torres (Brasil, 2011). Na nova comédia do diretor de A Mulher Invisível, Wagner Moura faz o mesmo personagem, porém em três momentos distintos ? e em todas as etapas consegue convencer muito bem. Nos dias atuais, Zero (Moura), brilhante e solitário cientista, virou um cara rancoroso por ter sido humilhado por Helena (Alinne Moraes), a grande paixão de sua juventude, numa festa em 1991. Às voltas com uma nova forma de energia, o protagonista acaba experimentando uma espécie de máquina do tempo e... volta vinte anos, à sua época de estudante de física. Lá no passado, Zero terá a chance de saber os motivos que levaram Helena a desprezá-lo para virar modelo ou, então, mudar os rumos de sua história. O roteiro tem algo da cinessérie De Volta para o Futuro e, igualmente, de Redentor (2004), o genial longa-metragem de estreia de Claudio Torres. Mesmo sem um roteiro totalmente original, a fita traz efeitos visuais formidáveis, ritmo alucinante e uma proposta reflexiva bacana: o que você mudaria na sua vida se pudesse retroceder no tempo? Com Gabriel Braga Nunes, Maria Luisa Mendonça e Fernando Ceylão (103min). 10 anos. Estreou em 2/9/2011. Bay Market 4, Box Cinemas São Gonçalo 4, Cine 10 Sulacap 6, Cinespaço Boulevard 6, Cinemark Downtown 8 e 11, Cinemark Plaza Shopping 3, Cinépolis Lagoon 1 e 5, Cinesystem Bangu 5, Cinesystem Ilha Plaza 3, Cinesystem Recreio 4, Cinesystem Via Brasil 6, Espaço Rio Design 2, Iguaçu Top 3, Iguatemi 6, Kinoplex Grande Rio 4, Kinoplex Leblon 3, Kinoplex Nova América 1, Kinoplex Tijuca 3, Kinoplex West Shopping 4, Madureira Shopping 1, Odeon Petrobras, Rio Sul 3, Roxy 1, São Luiz 1, UCI Kinoplex NorteShopping 9, UCI New York City Center 5, Unibanco Arteplex 1, Via Parque 6.

✪✪✪ INCÊNDIOS, de Denis Villeneuve (In­cendies, Canadá/França, 2010). A força do melodrama está na narrativa pulsante e criativa, que dá conta de abordar mais de quarenta anos de história em dois tempos distintos. No presente, os gêmeos Jeanne e Simon Marwan (Melissa Désormeaux-Poulin e Maxim Gaudette) perdem a mãe, Nawal Marwan (a excelente Lubna Azabal), e deparam com algumas surpresas na leitura de seu testamento. Nawal pede aos dois que entreguem cartas ao pai deles ? eles pensavam que o homem estivesse morto ? e a outro filho, cuja existência era ignorada. Simon rejeita a ideia, mas Jeanne parte para o Líbano. Quer descobrir o paradeiro dos parentes e desvendar as origens da mãe (130min). 14 anos. Estreou em 25/2/2011. Estação Sesc Botafogo 2, Estação Sesc Laura Alvim 2.

✪✪ LANTERNA VERDE, de Martin Campbell (Green Lantern, EUA, 2011). Adaptação da HQ homônima da DC Comics, a aventura traz mais humor do que ação e peca por efeitos visuais apenas razoáveis. Ryan Reynolds (de A Proposta e Enterrado Vivo) defende bem o papel principal. Ele interpreta Hal Jordan, arrojado piloto de testes que recebe uma missão: tornar-se um representante da Tropa dos Lanternas Verdes e, assim, zelar pela paz na Terra. Desajeitado com seus superpoderes (motivo para os melhores momentos de humor), Jordan vai, aos pou­cos, aprender a virar herói. Com Blake Lively e Peter Sarsgaard (114min). 10 anos. Estreou em 19/8/2011. Dublado: Box Cinemas São Gonçalo 3, Cinespaço Boulevard 4, Iguaçu Top 1, Iguatemi 7, Kinoplex Grande Rio 3, Kinoplex Nova América 4, UCI Kinoplex NorteShopping 8, UCI New York City Center 10, Via Parque 2. Legendado: Cine Bauhaus 2. Dublado, 3D: Box Cinemas São Gonçalo 1, Cinemark Plaza Shopping 7, Cinesystem Bangu 1, Cinesystem Ilha Plaza 4, Cinesystem Via Brasil 4, Kinoplex West Shopping 5, UCI Kinoplex NorteShopping 10, UCI New York City Center 12. Legendado, 3D: Cinépolis Lagoon 4, Cinemark Plaza Shopping 7, Kinoplex Tijuca 1, UCI Kinoplex NorteShopping 3.

✪✪✪ LIXO EXTRAORDINÁRIO, de Lucy Walker, Karen Harley e João Jardim (Waste Land, Brasil/Inglaterra, 2010). Não à toa, a Academia de Hollywood reconheceu o valor do documentário com uma indicação ao Oscar ? perdeu para o chatinho Trabalho Interno. Ao longo de dois anos, Vik Muniz, artista plástico paulistano radicado nos Estados Unidos, mirou o foco para as desumanas jornadas dos catadores de material reciclável do Jardim Gramacho, em Duque de Caxias, o maior aterro sanitário da América Latina. A tarefa do artista consistia em usar em suas espetaculares obras o que era descartado pelos catadores, contando com o auxílio de alguns trabalhadores do lixão. Devido aos rumos imprevistos das filmagens, a fita pode parecer sem norte. O filme, contudo, funciona bem ao revelar o passo a passo do curioso processo de criação de Muniz, além de ser um caloroso registro de desvalidos em busca de oportunidades na vida (90min). Livre. Estreou em 21/1/2011. Cine Joia.

✪✪ MAMUTE, de Benoît Delépine e Gustave de Kervern (Mammuth, França, 2010). O grande Gérard Depardieu encontra mais um papel recente à altura de seu talento, depois de Minhas Tardes com Margueritte, ainda em cartaz. Na pele de Serge, ele cumpre seu último dia como funcionário de um matadouro. Para conseguir a aposentadoria integral, porém, terá de recolher os comprovantes com seus antigos empregadores. Brutamontes, sem paciência nem jeito para as coisas delicadas, Serge larga a mulher (Yolande Moreau) em casa, tira a velha moto da garagem e sai à procura dos documentos. No contato com amigos e familiares, descobre-se mais afável. Há ótimos momentos na comédia dramática, sobretudo no registro de personagens intransigentes. Contudo, a dupla de diretores-roteiristas injeta situações pouco convincentes e desnecessárias. Entre elas, a ligação do protagonista com o fantasma de uma namorada, incorporado por uma sumida e botocada Isabelle Adjani (92min). 16 anos. Estreou em 5/8/2011. Cine Glória.

✪✪✪✪ MEDIANERAS ? BUENOS AIRES NA ERA DO AMOR VIRTUAL, de Gustavo Taretto (Medianeras, Argentina/Espanha/Alemanha, 2011). Comédia dramática. Ao longo de enxuta uma hora e meia, o roteiro vai explorar, entre a comédia e o drama, o cotidiano de duas pessoas quase iguais, quase complementares. Ambas moram na mesma avenida Santa Fé, em Buenos Aires e, apesar de serem vizinhas, nunca se encontraram. Martín (Javier Drolas) vive numa quitinete, especializou-se na criação de sites, toma ansiolíticos e, cheio de manias, só anda a pé. Formada em arquitetura, Mariana (papel da espanhola Pilar López de Ayala, de Lope) ganhou outra ocupação: tornou-se vitrinista de lojas. Abandonada pelo namorado, a moça não usa elevador e gosta de procurar o personagem Wally no livro infantil. Lapidada com humor afiado, a fita saiu da recente competição de Gramado com os prêmios de melhor filme estrangeiro, melhor diretor e júri popular. Seus adoráveis neuróticos anônimos têm inspiração em Woody Allen ? não à toa há uma cena de Manhattan (1979), do cineasta americano, numa referência explícita. Em resumo: trata-se de um criativo painel do mundo de hoje, movido por relações virtuais, porém com uma pontinha de esperança na sensibilidade do calor humano (95min). 12 anos. Estreou em 2/9/2011. Estação Sesc Ipanema 1, Unibanco Arteplex 3.

✪✪✪ MEIA-NOITE EM PARIS, de Woody Allen (Midnight in Paris, Espanha/EUA, 2011). Comédia. Em seu atual giro pelo mundo, Woody Allen parou na França para fazer um dos seus filmes mais graciosos dos últimos anos. Em Paris, um roteirista americano (Owen Wilson) com pretensão de ser escritor se distancia de sua noiva consumista (Rachel ­McAdams), dos amigos esnobes dela e de seus sogros conservadores. Cansado do vazio da vida moderna, ele prefere caminhar sozinho para se inspirar. Depois da meia-noite, porém, descobre uma cidade diferente, atemporal, como sempre sonhou. Magicamente, ele vai parar nos anos 20 e conhece figuras ilustres como o escritor Ernest Hemingway, o compositor Cole Porter e o pintor Pablo Picasso. O cineasta colocou inúmeras referências culturais para destacar o charme parisiense, principalmente aquele perdido no passado. De quebra, lembrou-se de quando viveu lá como um jovem comediante que queria escrever romances. Com Carla Bruni (90min). 10 anos. Estreou em 17/6/2011. Espaço Museu da República, Estação Sesc Barra Point 2, Estação Sesc Botafogo 3, Estação Sesc Laura Alvim 3.

✪✪✪✪ MELANCOLIA, de Lars von Trier (Melancholia, Dinamarca/Suécia/França/Alemanha, 2011). Lars von Trier foi banido do último Festival de Cannes por ter dado uma infeliz declaração sobre o nazismo numa entrevista coletiva. Se a figura do diretor dinamarquês é sempre polêmica, seus recentes trabalhos estão ganhando status de obra-prima. Depois do terror dramático Anticristo, o realizador retorna com um inusitado drama familiar de ficção científica. Na história, Michael (Alexander Skarsgard, da série televisiva de vampiros True Blood) é apaixonado por sua noiva, Justine (Kirsten Dunst, em desempenho com que conquistou o prêmio de melhor atriz no Festival de Cannes). A moça parece entusiasmada com a festa de casamento, que será realizada num castelo, mas, lá no fundo, tem dúvidas sobre o relacionamento. Na segunda parte da fita, Justine, em profunda depressão, ganha a ajuda de sua irmã (Charlotte Gainsbourg) e do cunhado (Kiefer Sutherland) para se reerguer. Todos estão em grande expectativa: o planeta fictício Melancolia pode se chocar com a Terra dentro de dias e, assim, determinar o fim do mundo. Embalada apenas pelo soberbo Prelúdio e Morte do Amor, da ópera Tristão e Isolda, de Wagner, a trama ganha imagens para reter na memória. Assim como no filme anterior, Von Trier já conquista a plateia com um maravilhoso prólogo. O elenco internacional ainda traz Charlotte Rampling e John Hurt (130min). 14 anos. Estreou em 5/8/2011. Estação Sesc Botafogo 1, Estação Sesc Laura Alvim 3, Estação Vivo Gávea 3.

✪✪✪✪ MINHAS TARDES COM MAR­GUERITTE, de Jean Becker (La Tête en Friche, França, 2010). A forma roliça de Gérard Depardieu cai bem para o físico de Germain, protagonista do drama, que mora num vilarejo no centro-oeste da França, vive de bicos e namora uma motorista de ônibus. Tipo humilde e de coração sem tamanho, teve uma infância problemática ao lado da mãe destemperada. Com dificuldades de aprendizado, cresceu complexado, sobretudo pelas humilhações sofridas por não saber ler perfeitamente. Esse cara bonachão, porém, vai ganhar uma chance de ouro ao conhecer a simpática velhinha Margueritte (a atriz Gisèle Casadesus) numa praça. No contato diário com a letrada nonagenária, Germain descobre a riqueza dos livros. O tema pode parecer árido, mas o experiente diretor-roteirista Jean Becker (de Conversas com Meu Jardineiro) tira da frente qualquer sinal de marasmo ou literatice, injetando humor nos conflitos dramáticos (82min). 12 anos. Estreou em 27/5/2011. Estação Sesc Barra Point 1.

✪✪✪✪ NAMORADOS PARA SEMPRE, de Derek Cianfrance (Blue Valentine, EUA, 2010). Apesar do infeliz título em português, não se trata de um romance água com açúcar, mas de um drama pesadão e contundente. Indicada ao Oscar 2011 de melhor atriz, Michelle Williams (O Segredo de Brokeback Mountain) faz par com Ryan Gosling (A Garota Ideal). Eles interpretam esposa e marido, pais de uma menina de 5 anos, que sentem o peso do relacionamento. Para acertarem os ponteiros, reservam um quarto de motel para tentar relembrar o início da relação. O filme acompanha simultaneamente duas fases distintas da vida do casal: quando se conheceu, unido pelas ilusões românticas, e, anos depois, afastado pela rotina familiar. Excelente trabalho de atores em uma história tão verdadeira que chega a doer no espectador (112min). 14 anos. Estação Sesc Botafogo 2.

✪✪ NÃO SE PREOCUPE, NADA VAI DAR CERTO!, de Hugo Carvana (Brasil, 2011). Carvana havia apelado para o humor chulo em Casa da Mãe Joana (2008), sua comédia anterior, e aqui oscila entre a homenagem e a ingenuidade. Trata-se de uma história démodé, porém tocada com ritmo e boa parceria entre Tarcisio Meira e Gregório Duvivier. Lalau Velasco (Duvivier), ator de stand-up comedy, e Ramon (Meira), seu pai e empresário, rodam o Brasil. Como os trambiques de Ramon ficam mais evidentes, Lalau quer se ver livre dele. Surge, então, a oportunidade: sair do Ceará e ficar um tempo no Rio de Janeiro a convite de uma jornalista (Flávia Alessandra). Ela quer que o comediante se passe pelo guru indiano Bob Savanandra, escalado para um seminário no Brasil. Carvana usa situações de chanchada e tenta alfinetar os bastidores da política para provocar risos. Não consegue! Com Ângela Vieira e Herson Capri (100min). 12 anos. Estreou em 5/8/2011. Estação Sesc Botafogo 2.

✪✪✪ ONDE ESTÁ A FELICIDADE?, de Carlos Alberto Riccelli (Brasil/Espanha, 2011). Na trama, Teo (Bruna Lombardi), uma chef especializada em receitas afrodisíacas de um programa de TV em São Paulo, descobre que o marido (Bruno Garcia) tem uma amante via internet. Para piorar, sua atração foi cancelada pela emissora. Na rua da amargura, ela aceita o conselho de sua maquiadora, Aura (Maria Pujalte, melhor atriz coadjuvante no Festival de Paulínia): fazer a pé o caminho de Santiago de Compostela, no norte da Espanha. Acompanhada de Zeca (Marcelo Airoldi), ex-diretor de seu programa, e de Milena (Marta Larralde), sobrinha espanhola de Aura, Teo embarca numa aventura recheada de contratempos e surpresas. Bruna mostra estar à vontade tanto à frente das câmeras quanto para criar diálogos espertos. As confusões provocadas pelo portunhol dos personagens brasileiros são o ponto alto da graça. E, aí, Marcelo Airoldi rouba as atenções. Outro grande acerto: fugir do manual de autoajuda, fórmula típica de produções americanas cuja protagonista é uma mulher descasada. Com dez minutos a menos de duração, a comédia ficaria no ponto ideal. O excesso, porém, não atrapalha o resultado. Em troca, há ritmo ágil, belas locações na Galícia, trilha sonora de colar no ouvido, cores de Almodóvar na fotografia e direção de arte e irreverência numa narrativa desbragadamente romântica. Não à toa, a fita recebeu o merecido prêmio do público no último Festival de Paulínia (110min). 12 anos. Estreou em 19/8/2011. Cine 10 Sulacap 2, Cinemark Downtown 1, Cinemark Plaza Shopping 5, Cinesystem Bangu 3, Estação Sesc Barra Point 2, Estação Sesc Botafogo 2.

✪✪✪ O PEQUENO NICOLAU, de Laurent Tirard (Le Petit Nicolas, França, 2009). Baseada nos livrinhos infantis criados por René Goscinny e Jean-Jacques Sempé em 1956, a comédia preserva toda a inocência do personagem sem parecer datada. O garoto Nicolau (Máxime Godart) sempre se mete em encrencas por não entender direito o mundo dos adultos. Quando desconfia que vai ganhar um irmãozinho, ele se desespera com a ideia de ser abandonado pelos pais na floresta. O roteiro consegue até encaixar uma homenagem a Asterix, outro personagem célebre de Goscinny (91min). Livre. Estreou em 2/7/2010. Cine Joia.

✪✪✪ PLANETA DOS MACACOS ? A ORIGEM, de Rupert Wyatt (Rise of the Planet of the Apes, EUA, 2011). Marco da ficção científica, O Planeta dos Macacos (1968) narrava a trajetória de um astronauta perdido num mundo de macacos falantes que dominavam humanos escravizados. Aqui a proposta é mostrar a origem desse fato. Como os tempos são outros, um thriller de ação prevalece agora em um espetáculo de ótimos efeitos visuais, da mesma produtora que criou o Gollum de O Senhor dos Anéis. A trama até parece plausível. James Franco (de 127 Horas) interpreta o cientista Will Rodman, empenhado em produzir um medicamento para a cura do Alzheimer, mal que acomete seu pai (John Lithgow). A droga é testada numa macaca prenhe, mas ela morre tragicamente. Seu bebê, porém, sobrevive. Criado em casa por Rodman, o chimpanzé Caesar desenvolve raciocínio rápido e mostra-se bem mais ágil e inteligente do que outros símios. Com Freida Pinto (105min). 12 anos. Estreou em 26/8/2011. Dublado: Bay Mar­ket 2, Box Cinemas São Gonçalo 5 e 6, Cine 10 Sulacap 2, Cinespaço Boulevard 5, Cinemark Plaza Shopping 5, Cinesystem Bangu 3, Cinesystem Recreio 2, Cinesystem Via Brasil 1, Iguaçu Top 2, Iguatemi 3, Kinoplex Grande Rio 2 e 6 Kinoplex Nova América 3, Kinoplex West Shopping 3, Madureira Shopping 4, UCI Kinoplex NorteShopping 2, UCI New York City Center 3, Via Parque 1. Legendado: Cinemark Downtown 6 e 10, Cinemark Plaza Shopping 5, Cinépolis Lagoon 5, Cinesystem Ilha Plaza 2, Espaço Rio Design 2, Iguatemi 7, Kinoplex Fashion Mall 2 e 3, Kinoplex Leblon 2, Kinoplex Nova América 4, Kinoplex Tijuca 2, Rio Sul 1, Roxy 3, São Luiz 2, UCI Kinoplex NorteShopping 4 e 7, UCI New York City Center 17 e 18, Unibanco Arteplex 4, Via Parque 1.

✪✪ PROFESSORA SEM CLASSE, de Jake Kasdan (Bad Teacher, EUA, 2011). Elizabeth Halsey (Cameron Diaz) é a típica vigarista que quer se dar bem arranjando um marido rico. Depois de largar a profissão de professora na intenção de um bom casamento, leva um fora do noivo e, passados alguns meses, volta a trabalhar no mesmo colégio. Lá, mostra-se folgada, desbocada e carreirista. Quando conhece um colega rico (papel do cantor Justin Timberlake), decide conquistá-lo a qualquer preço. Como ele prefere mulheres de seios fartos, Elizabeth só tem um objetivo: descolar grana para implantar silicone. Na nova onda politicamente incorreta que Hollywood redescobriu, a comédia tem lá seus momentos divertidos ? menos pela esforçada presença de Cameron Diaz e mais pelas piadinhas do roteiro. Mas, aliados ao humor afiado, chegam as baixarias de praxe, além de um desfecho precipitado e aquém do restante da trama. Com Jason Segel e Lucy Punch (92min). 14 anos. Estreou em 19/8/2011. Dublado: Cinesystem Via Brasil 3, Cinesystem Bangu 4. Legendado: Cinemark Downtown 9, UCI Kinoplex NorteShopping 8, UCI New York City Center 11.

✪ QUALQUER GA­TO VIRA-LATA, de Tomás Portella (Brasil, 2011). Comédia. A peça Qualquer Gato Vira-Lata Tem uma Vida Sexual Mais Sadia que a Nossa, de Juca de Oliveira, estreou em 1998 e, tardiamente, ganha uma morna adaptação para o cinema. Na pele de sua primeira protagonista, Cleo Pires dá vida a Tati, uma namorada grudenta que, sem muitas explicações, ganha um chega pra lá do namorado surfista-playboy (Dudu Azevedo). Na mesma noite, a moça fica chocada ao ouvir do professor de biologia Conrado (Malvino Salvador) que os animais aproveitam melhor a vida sexual. Embora considere o sujeito machista, Tati decide seguir os conselhos dele para reconquistar o amado. No meio do caminho, pinta (claro!) uma atração entre mentor e pupila. Levada sem muita graça e com demasiado esforço dos atores para convencer em papéis tolos, a comédia, com o perdão do trocadilho, mostra-se vira-lata. Estrela da montagem teatral, Rita Guedes faz apa­rições como a ex-namorada de Conrado (100min). 14 anos. Cinemark Downtown 1.

✪✪✪ QUERO MATAR MEU CHEFE, de Seth Gordon (Horrible Bosses, EUA, 2011). Se foi por causa de Se Beber, Não Case! ou não, o fato é que a comédia americana está perdendo o pudor e investindo em tramas mais adultas, espertas e criativas. Aqui há, felizmente, menos apelação e um roteiro mais apurado, que critica, nas entrelinhas, a situação econômica atual do país. Os três protagonistas odeiam seus chefes. Nick (Jason Bateman) foi preterido numa promoção e está pelas tampas com seu superior, o egocêntrico Dave (Kevin Spacey). Kurt (Jason Sudeikis), depois da morte do patrão (Donald Sutherland), é só atritos com o filho dele, um cocainômano mulherengo interpretado por Colin Farrell. E Dale (Charlie Day) vive uma situação bastante desconfortável: apaixonado por sua noiva, não aguenta mais os assédios insistentes da dentista (Jennifer Aniston) para quem trabalha. Depois de uma noite de bebedeira, o trio decide localizar um matador de aluguel para pôr um plano de vingança em prática. Começa assim uma história de rumos inesperados e risos certeiros ? seja você patrão ou empregado. Quem rouba a cena do elenco praticamente masculino é uma mulher: desbocada, sensual e oferecidíssima, Jennifer Aniston deita e rola no papel da predadora sexual. Com Jamie Foxx (98min). 14 anos. Estreou em 5/8/2011. Cine Bauhaus 1, Estação Sesc Laura Alvim 1, UCI New York City Center 6.

✪✪✪ O REI LEÃO, de Roger Allers e Rob Minkoff (The Lion King, EUA, 1994). Premiada com o Oscar de melhor trilha sonora e melhor canção em 1995, a animação volta às telas, agora em terceira dimensão. Nada muda na encantadora história: sucessor do rei Mufasa, o jovem leão Simba é banido do reino por uma manobra de seu maquiavélico tio Scar. Longe de lá, e na companhia dos novos amigos Timão e Pumba, Simba vai encontrar coragem para enfrentar seus medos (89min). Livre. Estreou em 26/8/2011. Dublado, 3D: Cine 10 Sulacap 1, Cinespaço Boulevard 3, Cinemark Plaza Shopping 2 e 7, Cinesystem Bangu 1, Cinesystem Via Brasil 4, Espaço Rio Design 1, Kinoplex Nova América 5, UCI Kinoplex NorteShopping 3, UCI New York City Center 12, Unibanco Arteplex 4.

REINO DOS FELINOS, de Keith Scholey e Alastair Fothergill (African Cats, EUA, 2011). Alastair Fothergill é o mesmo diretor do impressionante documentário Terra (2007). Aqui, a dupla de cineastas seguiu, durante dois anos, guepardos e leões na reserva de Masai Mara, no Quênia (89min). Livre. Estreou em 26/8/2011. Dublado: Cinemark Downtown 7.

✪✪✪ OS SMURFS, de Raja Gosnell (The Smurfs, EUA, 2011). Criados no fim da década de 50, os smurfs eram personagens dos quadrinhos. Chegaram ao estrelato a partir de 1981, devido aos mais de 200 episódios de desenhos produzidos pela TV americana até 1990. Mostra-se acertada a transposição ao cinema. Enquanto os smurfs mantêm a origem na animação, os humanos e o vilão Gargamel são interpretados por atores. A mistura lembra a fórmula de Alvin e os Esquilos e Hop ? Rebelde sem Páscoa, atrações destinadas ao público infantil que, recheadas de tiradas espertas, caíram também no agrado dos adultos. A comédia tem início na floresta imaginária dos pequeninos seres. Habitantes de uma aldeia com casas no formato de cogumelo, eles são a perfeita tradução da harmonia e da felicidade. Surge, então, Gargamel (interpretado por Hank Azaria), um feiticeiro capaz de liquidar com a paz dos baixinhos em segundos. Na correria, Papai Smurf, Smurfette (a única garota do reino) e mais quatro amigos acabam em... Nova York (!). Meio na marra, eles encontram abrigo no apartamento do casal Patrick (Neil Patrick Harris) e Grace (Jayma Mays), grávida do primeiro filho (103min). Livre. Estreou em 5/8/2011. Dublado: Bay Market 4, Box Cinemas São Gonçalo 8, Cine 10 Sulacap 5, Cine Bauhaus 1, Cinespaço Boulevard 4, Cinemark Downtown 4, Cinesystem Recreio 2, Cinesystem Via Brasil 3, Iguatemi 2, Madureira Shopping 2, Rio Sul 1, UCI Kinoplex NorteShopping 1 e 8, UCI New York City Center 7, Via Parque 2. Dublado, 3D: Cinemark Plaza Shopping 4, Cinépolis Lagoon 5, Cinesystem Bangu 2, Cinesystem Ilha Plaza 4, Cinesystem Via Brasil 4 e 5, Iguaçu Top 1, Kinoplex Grande Rio 5, Kinoplex Tijuca 1, Kinoplex West Shopping 2, UCI New York City Center 14. Legendado, 3D: UCI New York City Center 14.

✪✪✪ UM SONHO DE AMOR, de Luca Guadagnino (Io Sono l?Amore, Itália, 2009). Indicado ao Oscar 2011 de melhor figurino, trata-se de um melodrama de ritmo operístico, influenciado pelo cinema de Luchino Visconti e com ecos de O Amante de Lady Chatterley, de D.H. Lawrence. A mistura pode ser pretensiosa, mas dá certo. Sobretudo pela condução muito elegante do realizador e pelo brilho contido de sua protagonista. O roteiro, entretanto, abre-se em desnecessárias subtramas. Na principal, aparece Emma (Tilda Swinton), uma russa que abandonou o seu país ao aceitar o pedido de casamento de Tancredi Recchi (Pippo Delbono), um rico empresário italiano do ramo da indústria têxtil. Duas décadas depois, Emma leva uma vida confortável numa mansão, recebe seus convidados em tubinhos da grife Jil Sander e se dá bem com os três jovens filhos. O matrimônio não anda às mil maravilhas e Emma sabe disfarçar sua insatisfação. Algo, contudo, vai abalar o cotidiano dos Recchi. Num acesso de incontrolável desejo, ela se encanta por Antonio (Edoardo Gabbriellini), simplório chef de cozinha, amigo e futuro sócio de seu primogênito. Com Flavio Parenti (120min). Estreou em 20/8/2011. 12 anos. Estação Sesc Botafogo 3, Estação Vivo Gávea 1.

✪✪ TRANSEUNTE, de Eryk Rocha (Brasil, 2011). O aposentado Expedito (Fernando Bezerra) perambula pelo Rio de Janeiro. Sem rumo nem função, vive pelos bares, pelas rodas de samba, transa com uma anônima, bate papo com estranhos. Em seu primeiro longa-metragem de ficção, Eryk Rocha, filho do também cineasta Glauber Rocha (1939-1981), parte para um drama experimental de baixo apelo comercial ? para se ter uma ideia, há raríssimos diálogos e só aos 23 minutos o personagem abre a boca. Apoiado na câmera pulsante e na formidável fotografia de Miguel Vassy, o diretor explora closes extremos do protagonista e demais personagens e observa paisagens com olhar clínico, quase sempre em imagens em preto e branco bastante granuladas. Rocha consegue um resultado artístico de inegável valor, embora seu filme seja longo e arrastado (125min). 14 anos. Estreou em 12/8/2011. Espaço Museu da República.

Fonte: VEJA RIO