ROTEIRO DA SEMANA

Bares

Percorremos os melhores bares do Rio para avaliar os comes e bebes que você deve pedir

Por: Rachel Sterman - Atualizado em

BAR-RESTAURANTE

CACHAMBEER. Reza a lenda que, certa noite, Marcelo Novaes bebia com amigos neste endereço no Cachambi quando soube das intenções do antigo proprietário de vender o estabelecimento. De pileque, assinou um cheque e comprou a casa na mesma hora. Fazem sucesso por lá porções fartas, como a costela bovina com molho à campanha e farofa (R$ 99,90, para quatro pessoas), marinada por doze horas e cozida no bafo por outras cinco. Para beber, vá de chope do Pança (R$ 6,90), servido em um copo de 500 mililitros.

Rua Cachambi, 475, Cachambi, ☎ 3597-2002 (80 lugares). 17h/0h (sáb. a partir das 12h; dom. 12h/18h; fecha seg.). Cc: todos. Cd: todos. www.cachambeer.com.br. Aberto em 2002.

BOTEQUINS

BAR DA DONA MARIA. Maria Ramos, imigrante portuguesa que chegou ao Rio em 1957 para trabalhar em tecelagem, ainda supervisiona o trabalho dos filhos José e Maria Adelaide. Para beber, escolha entre os cascos sempre gelados de Heineken, Bohemia ou Antarctica Original (R$ 8,50 a garrafa). Da seção de comes, prove o croquete de carne (R$ 4,00) e o bolinho de vagem com linguiça (R$ 3,50), dois clássicos do endereço, receitas da proprietária. As refeições também gozam de boa fama. Sábado é dia de feijoa­da e risoto de bacalhau ou camarão (R$ 42,00 para dois).

Rua Garibaldi, 13, Tijuca, ☎ 2238-5091 (40 lugares). 8h/20h (qui. e sex. até 21h; sáb. 9h/18h; fecha dom.). Cc: M e V. Cd: R e V. Aberto em 1960.

BAR DA FRENTE. Comandado por Valéria e Mariana Rezende, mãe e filha, o botequim honra as tradições de seu antecessor no ponto ? foi ali que Kátia Barbosa inaugurou o famoso Aconchego Carioca, hoje em endereço mais espaçoso do outro lado da rua. Delícias como o fofinho de camarão (R$ 22,00) e o bolinho de arroz de p... rica (R$ 18,00), ambos em porções de seis unidades, fazem sucesso entre a clientela. Novidade, o degustando nemo (R$ 26,50 a porção) traz peixe empanado em farinha da casa, ao molho picante. Variada, a carta de cervejas sugere, entre outros rótulos, a Duff (R$ 13,50 a long neck), a Colorado (R$ 19,00, 600 mililitros) e a Bamberg 1500 (R$ 12,00, 600 mililitros). Mais em conta, garrafas de Heineken, Antarctica Original e Bohemia saem por R$ 8,20 cada uma.

Rua Barão de Iguatemi, 388, Praça da Bandeira, ☎ 2502-0176 (28 lugares). 12h/22h (dom. até 16h; fecha seg.). Cc: todos. Cd: todos. Aberto em 2009.

BAR DO SERGINHO. Embora as prateleiras na parte de dentro da loja abriguem produtos para a casa e até para bichos de estimação, é para as mesas de plástico espalhadas na calçada que acorre boa parte da clientela deste inusitado bar-armazém. O cardápio de tira-gostos oferece porções de 100 gramas de salaminho (R$ 5,80), copa (R$ 6,80) e pastrami (R$ 4,90). Para beber, não hesite: as garrafas de 600 mililitros de Serramalte (R$ 7,00), Original, Bohemia (R$ 6,50 cada uma) e Itaipava (R$ 5,00) são as melhores pedidas.

Rua Dias de Barros, 2, loja A, Santa Teresa, ☎ 2509-6957 (28 lugares). 7h/14h e 17h30/21h30 (sex. 7h/14h e 17h30/23h30; sáb. 8h/21h; dom. 9h/16h). Cd: todos. Aberto em 1984.

DRINQUES

ASTOR. Paulo Freitas, ex-Bar do Copa, orienta e monitora a feitura de drinques como o aromático mare (R$ 35,00), da carta de variações em torno do gim-tônica, preparado com o destilado, água tônica, azeitona verde e um buquê de tomilho, manjericão e alecrim. Entre os clássicos, o bloody mary (R$ 23,00) traz uma encorpada mistura de suco de tomate temperado e vodca. Da cozinha saem delícias como o bolinho de arroz (R$ 20,00, quinze unidades) e a besteira à milanesa (R$ 36,50), um canapé quente de filé empanado com queijo.

Avenida Vieira Souto, 110, ☎ 2523-0085, ? General Osório (200 lugares). 18h/1h (qui. até 2h; sex. e sáb. 12h/3h; dom. 12h/22h). Cc: todos. Cd: todos. Estac. c/manobr. (R$ 13,00). ? ↔ www.barastor.com.br. Aberto em 2010.

O BAR DO. No salão, conforme a noite avança, o DJ comanda o som a uma altura que abafa as conversas. A boa carta de drinques conta com criações próprias, como o saboroso spicy passion (R$ 26,90), mistura de vodca de baunilha, suco de maracujá, Cointreau e clara de ovo, além de açúcar picante na borda da taça. Assinado pelos chefs Artur Abduch e Damien Montecer (ex-Tèréze), o cardápio sugere o várias paradas (R$ 48,00), uma seleção de três petiscos. Podem entrar na lista drumetes de galinha crocante ao molho de especiarias, bolinho de bacalhau de receita caseira e pastéis com recheios diversos (a lista vai de queijo de minas a moqueca de camarão).

Rua Farme de Amoedo, 39, ☎ 2523-3018 (60 lugares). 18h/0h (sex. até 2h; sáb. 13h/2h; dom. até 1h). Cc: todos. Cd: todos. ? ↔ Aberto em 2013.

MEZA BAR. Concebida sob a chancela do experiente chef Fábio Battistella ? que segue sócio, mas não está mais à frente do negócio ?, a lista de comidinhas impressionou desde o início. São clássicos locais os potinhos individuais de risoto de limão-siciliano e de polenta com ragu de calabresa (R$ 23,00 cada um). A extensa carta de drinques recebeu reforços no início do ano. Entraram para a lista, desenvolvida sob consultoria do mixologista Marco da La Roche, o matini (R$ 22,00), mistura de vodca, mate e gotas de tangerina, e o bonfim (R$ 24,00), preparado com vodca, abacaxi, cranberry, xarope de pimenta e maracujá.

Rua Capitão Salomão, 69, Humaitá, ☎ 3239-1951 (80 lugares). 18h/1h (qui. a sáb. até 3h). Cc: todos. Cd: todos. ? ↔ www.mezabar.com.br. Aberto em 2008.

SHOOTERS. A extensa carta de bebidas assinada pelo barman Philipe Mello abriga invenções como o tennessee beach (R$ 20,00), taça que reúne uísque Jack Daniel?s, sucos de laranja e abacaxi, além de licores Amaretto e de romã. Entre os shots, sucesso local, o combustible (R$ 30,00) leva à mesa quatro copinhos com suco de cranberry, sour mix, vodca e absinto. Para acompanhar, também são oferecidos tira-gostos instigantes, a exemplo do salmão empanado com gergelim e molho de uísque (R$ 25,00). Também valem a visita os croquetes de carne-seca (R$ 12,00, dez unidades). No lounge anexo, o agito é outro: festas com DJs e música ao vivo acontecem de terça a sábado.

Rua Nelson Mandela, 100, loja 124, Botafogo, ☎ 3281-7629, ? Botafogo (150 lugares). 16h/1h (qui. até 3h; sex. e sáb. até 4h; fecha dom.). Entrada: R$ 10,00 (a partir das 22h). Cc: todos. Cd: todos. www.shootersriodejaneiro.blogspot.com. Aberto em 2010.

HAPPY HOUR

CHAMPANHOTA. De terça a sábado, o aconchegante salão abriga apresentações ao vivo de voz e violão. Da carta de espumantes, com cerca de quarenta rótulos, peça o Salton Brut (R$ 39,00 a garrafa; R$ 11,00 a taça). Entre os importados, a sugestão de melhor relação entre custo e benefício é o prosecco italiano Antiche (R$ 50,00 a garrafa). Na happy hour também vigora a promoção de dose dupla da taça (R$ 15,00; as marcas variam de acordo com o dia). Para petiscar, a enxuta lista conta com bruschettas que ganham, entre outras receitas, as de gorgonzola com mel (R$ 13,00 a unidade) e à moda caprese (R$ 12,00).

Rua Paulo Barreto, 64-A, Botafogo, ☎ 3563-9757 (55 lugares). 18h/0h (sáb. 20h/2h; fecha dom.). Couvert art.: R$ 7,00 (ter. a qui. a partir das 19h30); R$ 10,00 (sex.); R$ 15,00 (sáb. a partir das 21h). Cd: R e V. Cc: M. ? Aberto em 2012.

ENCHENDO LINGUIÇA. O negócio com matriz no Grajaú é um caso de sucesso: o endereço especializado em embutidos caseiros, com fábrica própria separada do salão por um vidro, ganhou em 2012 sua primeira filial. Duas sugestões já são clássicos locais: a linguiça croc (R$ 37,50), curiosa porção do embutido envolto em batata frita, e o joelho de porco (R$ 49,90), de casquinha crocante e interior úmido, preparado na ?TV de cachorro? e acompanhado de duas guarnições à escolha. Para beber, o chope (R$ 5,40, da Brahma, na matriz; R$ 4,60, da Cidade Imperial, na filial) é campeão de pedidos.

Avenida Engenheiro Richard, 2, loja A, Grajaú, ☎ 2576-5727 (70 lugares). 11h/0h (sex. e sáb. até 2h). Cc: todos. Cd: todos; Rua Mem de Sá, 132, Lapa, ☎ 2508-6332 (160 lugares). 11h/0h (sex. e sáb. até 2h; dom. até 18h). Cc: M, V. Cd: R, V. www.enchendolinguica.com.br. ↔ ? Aberto em 2006.

Fonte: VEJA RIO