Cardápio variado

Confira uma seleção de bons endereços no Centro

A região central da cidade oferece opções para todos os gostos e bolsos. Listamos as sugestões de doze casas 

Por: Fabio Codeço - Atualizado em

Brasserie Lapeyre_Ouef Bénédictine_TomasRangel (6)
(Foto: Tomás Rangel)

Do quilo à alta gastronomia, do árabe ao francês, uma seleção de doze bons endereços no centro da cidade.

  • Francesa

    Brasserie Lapeyre

    Avenida Rio Branco, 1, Centro

    Tel: (21) 3213 1900

    Veja Rio
    Sem avaliação

    Com arabescos dourados nas paredes, mesas cobertas por toalhas brancas e cadeiras de madeira clara, o salão desse restaurante acolhe os comensais no almoço ao som de standards ao piano, entremeados por gravações de música francesa. Ao aconchegante cenário, acrescentem-se a vista escancarada para a Baía de Guanabara, a recém-renovada Praça Mauá e o Museu do Amanhã. Apenas quatro meses após a inauguração, a casa, fruto de uma bem-sucedida parceria do chef Ricardo Lapeyre com o restaurateur Eurico Cunha, comemora a vitória sobre veteranos como Olympe, Le Pré Catelan e Chez L’Ami Martin. Deixando de lado o arrojo dos tempos em que comandava o contemporâneo Laguiole, mas sem perder a ousadia, Lapeyre mergulhou nas tradições da cozinha francesa e resgatou receitas de preparo meticuloso. Comece pelo carrinho de charcutaria. Um golaço, o serviço oferece, por R$ 29,00, terrine (três opções), rillette (espécie de patê), pepino em conserva, peito de pato defumado, salada de folhas e torrada. Depois, a escolha fica entre receitas icônicas, muito bem executadas, a exemplo do pato confit (R$ 55,00), guarnecido de batata calabresa, cogumelo-de-paris, cebola caramelada e bacon. Mais delicado, o sole diéppoise (R$ 65,00) traz linguado cozido no vapor, camarão, mexilhão, batata e abobrinha. A ala doce não fica atrás, defendida por delícias como o éclair de café (R$ 15,00). 

    Preços checados em outubro de 2015. 

    Saiba mais
  • Árabe

    Cedro do Líbano

    Rua Senhor dos Passos, 231, centro

    Tel: (21) 2224 0163 ou (21) 2221 9763

    Sem avaliação

    É o mais antigo restaurante árabe em funcionamento na cidade. Fundado pelo libanês Narciso Mansur, no coração da região comercial da Saara, o ponto de ambiente simples era o destino preferido de imigrantes árabes e judeus no início do século XX. Nos anos 1950, foi comprado por um espanhol e um português e hoje é dirigido pela filha do primeiro, Licia Dominguez. Em meio a receitas de inspiração libanesa entram novidades pontuais, como o creme brûlé árabe (R$ 14,00), sobremesa feita com água de rosas, cardamomo e açúcar mascavo. A proprietária se orgulha de clientes conhecidos que fizeram a história do lugar, como o apresentador Chacrinha, que batia ponto por lá nos anos 1970. Dessa época, fazem sucesso até hoje a esfiha aberta de carne ou ricota (R$ 8,00 cada pedido), o generoso quibe frito (R$ 12,00) e o quibe de bandeja (R$ 20,00). O sistema “monte seu prato” reúne proteína, salada e acompanhamento quente. Uma sugestão acertada pode trazer quibe cru, repolho recheado e tabule (R$ 52,00 o prato; R$ 61,00, com sobremesa). Qualquer meia-porção equivale a 60% do valor e da quantidade da porção inteira, como no caso da pasta de grão-de-­bico (R$ 27,00, inteira; R$ 16,20, meia).

    Saiba mais
  • Refeição em bufê

    Clube Gourmet

    Rua Sete de Setembro, 63, centro

    Tel: (21) 3575 7458

    Sem avaliação

    Empreitada do restaurateur Marcelo Torres, um dos sócios da holding BestFork, que gerencia mais seis restaurantes na cidade — Giuseppe Grill e Laguiole, entre outros. O valor fixo de R$ 118,00 propicia caminhos por pratos tradicionais e agradáveis surpresas. Sopas e saladas, como a camponesa, de folhas verdes, bacon, cenoura, ovo poché, croûtons e vinagrete de bacon, abrem o apetite. Todo dia uma massa diferente é servida. Na segunda, por exemplo, é a vez do penne al limone e piselli, com molho de limão-siciliano e ervilhas frescas. A terça é reservada para o farfalle ao pesto rosso, com tomate seco. Picanha fatiada e filé-­mignon também figuram entre as opções. No bufê são encontrados, ainda, pratos que variam diariamente e sugestões do chef. As sobremesas são pedidas à parte e vão de R$ 22,00 a R$ 24,00, preços do mamão papaia com baunilha e da musse de chocolate com amêndoas, respectivamente. 

    Preços checados em julho de 2016.

    Saiba mais
  • Cozinha contemporânea

    Eça

    Avenida Rio Branco, 128, centro

    Tel: (25) 2424 01 ou (25) 2423 99

    Sem avaliação

    Mesmo escondida no subsolo da loja H. Stern, no Centro, e aberta apenas no almoço durante a semana, a cozinha do chef belga Frédéric De Maeyer goza de merecida fama. O cardápio exibe pratos de base francesa e toques contemporâneos. Um bom começo é o camarão em vienoise de especiarias, creme de couve-flor e coco (R$ 39,00). No caminho dos frutos do mar, a dica de prato principal é o filé de peixe do dia grelhado com musseline de banana-da-­terra e pesto de rúcula (R$ 75,00). A ala das carnes traz o magret de pato, também escoltado por musseline, mas de abóbora, além de dadinho de tapioca e farofa panko com castanha, finalizado com parmesão (R$ 78,00). O capítulo das sobremesas tem abertura poética no menu, com frase do escritor Eça de Queiroz (que inspirou o nome da casa): “A vida não é possível sem um bocado de pitoresco depois do almoço”. Detalhe: os doces locais já levaram três títulos consecutivos no especial COMER & BEBER. O gaufre é um waflle leve feito de cerveja, típico de Bruxelas, escoltado por banana caramelada, sorvete de creme e calda de chocolate belga (R$ 29,00). Outra opção é o fondant de chocolate (também belga) com praliné (R$ 29,00). O formato de menu executivo, com entrada e prato principal, que mudam toda semana, custa R$ 89,00.

    Preços atualizados em julho de 2016

    Saiba mais
  • Espanhóis

    Fim de Tarde

    Rua Miguel Couto, 105, Centro

    Veja Rio
    Sem avaliação

    Aberto como um bar de tapas, o endereço no Centro tornou-se restaurante a pedidos da clientela. Quem comanda a casa, inaugurada pelo galego Juan Alvarez Alonso (morto em 2014), é a segunda geração da família. Seguem firmes as croquetas de jamón ibérico (R$ 15,00, duas unidades), mas as tortilhas, antes servidas fatiadas, ganharam um capítulo à parte no menu. Cada uma vem à mesa com salada (mix de folhas, amêndoas, aipo, azeitonas, torradas e molho vinagrete), em sabores como escarola com pinoles (R$ 38,00) e batata com chorizo (R$ 46,00). Para petiscar, também há pantumacas (R$ 24,00, seis unidades), bruschettas à moda catalã, com cobertura de tomate ralado, e batatas bravas ao molho de páprica (R$ 29,00). A etapa principal traz receitas tradicionais, como a zarzuela de frutos do mar, espécie de caldeirada de camarão, lula, mexilhão, polvo e ovo poché (R$ 78,00), e a paella, que serve até três pessoas (R$ 168,00). Também fazem sucesso os preparos com carnes exóticas, como o coelho desossado com vinho tinto, batata sautée e pimentões vermelhos assados (R$ 76,00). Para adoçar, prove a torta marquise de chocolate, feita artesanalmente em Itaipava (R$ 24,00).

    Preços checados em julho de 2016.

    Saiba mais
  • Italiana

    Giuseppe

    Rua Sete de Setembro, 65, centro

    Tel: (21) 3575 7474

    Sem avaliação

    A casa foi a primeira empreitada do restaurateur Marcelo Torres, sócio da holding Best Fork, de negócios da alta gastronomia na cidade. No salão desponta uma fonte de Baco trazida da Itália, inspiração para provar um dos 200 rótulos de vinho nacionais e importados presentes na carta. Fazem parte do cardápio preparos como o carpaccio il classico, finas fatias de carne temperadas com azeite extravirgem, limão-siciliano, flor de sal e queijo grana padano italiano (R$ 29,00). Depois da entrada, o gnocchetti sorrento faz as honras. O prato é elaborado com molho de tomate, cubos de mussarela de búfala fresca e manjericão (R$ 54,00). Outra sugestão de massa é o spaghetti frutti di mare, com camarão, lula e polvo refogados, puxados no molho de tomate (R$ 78,00). A partir das 15h, pizzas entram em cena. A cobertura que leva o nome da casa reúne tomate, mussarela, funghi porcini, champignon, salsa, orégano e azeite extravirgem (R$ 54,00). Dois clássicos podem chegar na sobremesa: tiramisu (R$ 22,00) e romeu e julieta, esse em versão com sorvete de creme (R$ 26,00).

    Preços checados em julho de 2016.

    Saiba mais
  • Francesa

    L'Atelier du Cuisinier

    Rua Rodolfo Teófilo, 97, Campo Grande

    Sem avaliação

    Membro do comitê Bocuse D’Or (prestigiosa competição mundial de alta gastronomia), o chef francês David Jobert abriu o pequenino e charmoso restaurante há quatro anos e atende pessoalmente os comensais na hora do almoço. Com a inauguração de sua segunda casa (o Bistrot du Cuisinier, em Ipanema), o cozinheiro passou a chefiar os jantares na nova empreitada. No Centro, os pratos mudam a cada dia, com receitas de carne, ave e peixe a preço fixo (R$ 58,00), além de risotos (a R$ 42,00 ou R$ 49,00, com salada) como o de arroz-negro e camarões com bisque e lascas de alho. Alguns preparos são mais frequentes. É o caso da coxa de pato confit ao molho de amora, acompanhada de batata recheada de queijo ou mix de legumes. Também faz sucesso a versão de bife bourguignon do chef. A tábua com cinco variedades de queijo (R$ 21,00) pode abrir os trabalhos ou ser saboreada à moda francesa, antes da doçura final. No encerramento, as opções são a sobremesa do dia (R$ 19,00), um sabor de creme brûlé, por exemplo, ou o café gourmand (R$ 21,00), reunião de café e cinco doces em tamanho míni, como tarteletes e verrines. Vale a pena apostar na fórmula que combina entrada, prato principal (peixe, carne, ave ou risoto) e sobremesa por R$ 78,00.

    Preços checados em julho de 2016.

    Saiba mais
  • Cozinha variada

    Málaga

    Rua Miguel Couto, 121, centro

    Tel: (21) 2253 0862 ou (21) 2233 3515

    Sem avaliação

    Receitas ibéricas ganham destaque no cardápio, mas, apesar do nome em homenagem à cidade natal do pintor espanhol Pablo Picasso, a cozinha não se limita à culinária daquela região e oferece uma viagem gastronômica por várias nacionalidades. O simpático proprietário, Augusto Vieira, recebe a clientela no salão e sugere os acompanhamentos para os pratos, que podem ser montados à escolha do freguês. Assim, o leitão à bairrada (R$ 120,00), especialidade portuguesa que deve ser encomendada no dia anterior, pode ir à mesa com farofa e batatas coradas. A iguaria chega crocante e desmanchando na boca, após oito horas assando. Outras boas dicas são o lombo de cherne ao molho de manteiga com tomate sem pele, acompanhado de batatas ao murro (R$ 78,00), e as lulas fritas com molho picante, escoltadas por um arroz de tomate molhadinho (R$ 56,00). Para beliscar, prove o bacalhauzinho às natas, servido desfiado e gratinado com creme em uma casquinha (R$ 15,00), no lugar do tradicional siri. Na etapa doce, a banana flambada com sorvete de creme (R$ 36,00) é tarefa para duas pessoas.

    Preços checados em outubro de 2015.

    Saiba mais
  • Cozinha variada

    O Navegador

    Avenida Rio Branco, 180, Centro

    Tel: (21) 2262 6037

    Veja Rio
    Sem avaliação

    Teresa Corção, presidente do Instituto Maniva, organização que faz da gastronomia um instrumento de sustentabilidade e transformação social, adota as ideias que desenvolve — e os ingredientes típicos de pequenos produtores que pesquisa pelo país — no dia a dia de seu restaurante, no prédio do Clube Naval. A origem dos insumos é indicada em um mapa anexado ao cardápio. A salada orgânica (R$ 35,00), com itens oriundos da Região Serrana e do Parque Estadual da Pedra Branca, reúne verduras e legumes, vinagrete orgânico e pesto de rama de cenoura. Na etapa principal, o terra brasilis (R$ 73,00) é um peixe grelhado preparado no azeite extravirgem, servido sobre purê de banana com aipim, pétalas de palmito e cubos de tomate confit. Alguns pratos têm data certa: é o caso da atração da quinta-feira, a costelinha de porco marinada no vinho branco com gengibre, cozida e assada no melado com mostarda e acompanhada de tropeiro de feijão-mulatinho, toucinho, farinha-d’água, linguiça, banana, ovos caipiras e couve orgânica (R$ 64,00). Feitas na casa, as sobremesas têm preço único (R$ 20,00) e costumam variar. São dois acertos o toucinho do céu e o pudim de claras. Por último, uma promessa antiga, mas que a chef promete tirar do papel ainda neste ano: a Nave, no mesmo endereço, vai ser um ponto de venda direta dos produtos usados no restaurante.

    Saiba mais
  • Parador Bistrô

    Rua do Ouvidor, 60, Centro

    Tel: (21) 2507 2273

    Sem avaliação

    Há dez anos em Niterói, a casa consagrada ganhou filial no Rio no último dia 23. Pequenina, a loja no Centro resolve apertos eventuais com belo e eficiente projeto do arquiteto Ricardo Campos, o mesmo da rede Alessandro & Frederico. A clientela se acomoda em mesas sobre um deque de madeira ou no salão de decoração arrojada e iluminação suave. Variado, o cardápio do chef Daniel Pinho estimula o paladar com sugestões como os bolinhos de risoto. À moda dos arancini italianos, os petiscos chegam em porção de seis unidades (R$ 26,00), metade no sabor camarão com açafrão, metade de cogumelo com provolone. Para a etapa principal são oferecidas, além de saladas, massas e clássicos da matriz, fórmulas para montar um prato. Combinação acertada, o salmão grelhado, escoltado por molho de ervas, salada e risoto de alho-poró, custa R$ 42,00. Opção menos trivial na carta de vinhos, o californiano Obsession Symphony 2013 (R$ 90,00) é um branco frutado e de saborosa acidez. Em tempo: o acesso é feito pela Rua do Carmo, e não por onde o endereço oficial sugere.

    Saiba mais
  • Italiana

    Villa 106

    Rua do Senado, 106, Centro

    Tel: (21) 2242 6027

    4 avaliações

    Próxima ao prédio da Petrobras, que levou vida nova àquele trecho antes degradado da Rua do Senado, a casa inaugurada em abril de 2015 tem projeto simples, mas de bom gosto. Um sofá de couro azul-marinho contrasta com cadeiras nas cores branco e amarelo-ovo e mesas de madeira escura, enquanto janelões permitem a passagem de luz natural e valorizam o ambiente. Opção de entrada, o saboroso medalhão de polenta coberto por cogumelo temperado e queijo brie (R$ 24,00) é generoso e, portanto, pode ser partilhado ou mesmo servir como uma pequena refeição. Na sequência, o risoto de funghi vem encimado por picadinho de filé-mignon e ovo caipira (R$ 39,00). Pedida substanciosa, o clássico ossobuco com polenta (R$ 46,00) é apetitosa alternativa. Na sobremesa, uma versão tropicalizada da tradicional panacota, feita de coco e coulis de manga (R$ 13,00), é ótima escolha. 

    Preços verificados em Outubro de 2015. 

    Saiba mais
  • Carnes

    Pampa Grill - Centro

    Avenida Almirante Barroso, 90, Centro

    Sem avaliação

    Assadas na churrasqueira a carvão, as carnes são oferecidas em sistema de rodízio por R$ 114,00. A costela à moda uruguaia, macia e saborosa, é aposta certeira. Faz companhia a atrações como o rib eye (filé da costela do boi), o short rib (parte do filé e da costela bovina) e outras mais triviais. A picanha borboleta, aberta ao meio, com a capa de gordura nos dois lados, chega à mesa na chapa. Ofertas de peixes, frutos do mar, saladas, queijos, frios e itens da culinária japonesa completam o programa. Como alternativa é oferecido o sistema por quilo (R$ 74,90). Na matriz, na Barra, os preços cobrados são R$ 101,50 (pelo rodízio) e R$ 63,90 (pelo quilo). 

    Saiba mais

Fonte: VEJA RIO