RESTAURANTES

Segundo o mestre

Prestigiado chef de cozinha japonesa, Nao Hara orientou o cardápio do novo Sushi 107, no Leblon

Por: Fabio Codeço - Atualizado em

COMIDA ✪✪✪?? | AMBIENTE ✪✪??? | SERVIÇO ✪✪✪??

roteiro-restaurantes-abre.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Mais inventivo chef de cozinha japonesa surgido na cidade nos últimos anos, Nao Hara ganhou notoriedade pela forma como concilia ingredientes e técnicas do Ocidente e do Oriente. Após uma experiência de dois anos à frente do Nao, endereço de estilo contemporâneo no Fashion Mall, ele segue no comando do Shin Miúra, casa da família no Centro, e do Hara Sushi, negócio de comida rápida na Barra. Também empresta seu talento a projetos alheios, elaborando cardápios e treinando equipes. Foi o que fez no Sushi 107, inaugurado em maio na movimentada galeria da Rua Conde Bernadotte, no Leblon. Na mesma loja por onde passaram com velocidade frustrante duas iniciativas de culinária japonesa, o Tabu e, mais recentemente, o Nagai, a nova empreitada aposta na tarimba do chef para mudar essa sorte.

Logo nos primeiros pedidos, é possível notar a mão do mestre-cuca na cuidadosa apresentação dos pratos. Sem evitar o lugar comum a divisão por sushis, sashimis, tempurás, yakissobas, teppan yakis e combinados, entre outros capítulos --, o menu também oferece receitas mais autorais. A dica é pular as pedidas triviais e fazer um percurso por essas sugestões. Comece provando o tartare de salmão sob pérolas de shoyu (R$ 18,00), bolinhas de sagu embebidas em molho de soja. O mesmo peixe pode vir recheado de shimeji (R$ 15,00, seis unidades). Escolha saborosa, as peças são levemente chamuscadas com o maçarico antes de ir à mesa. Bem secos, envolvidos em casquinha crocante, os anéis de lula empanados (R$ 18,00) são imperdíveis. Outra aposta original é o sashimi de atum empanado com castanha-de-caju (R$ 16,00, seis unidades).

Da econômica seção de pratos principais, foi testado e aprovado o filé-mignon grelhado, ao ponto para malpassado, ladeado por arroz cremoso de cogumelo e palha de batata-baroa (R$ 42,00). A boa execução dos pratos deve ser creditada a Iomar Pereira da Silva, encarregado dos preparos quentes, e ao sushiman Conrado dos Santos -- ambos formados pelo próprio Hara. Escolhida para acompanhar os pratos, a caipirinha de saquê e lichia (R$ 13,50, com matéria-prima nacional) decepcionou. Um tanto sem graça e sem gelo.

Sushi 107. Rua Conde Bernadotte, 26, loja 107, ☎ 3495- 5107 (50 lugares). 12h/1h (fecha seg.). Cc: M e V. Cd: todos. ⑥ (R$ 10,00) ↔ Aberto em 2012. $

Fonte: VEJA RIO