RESTAURANTES

Facas afiadas no Leblon

Nagai, do sushiman Miguel Peres, engrossa o numeroso time dos japoneses no bairro

Por: Fabio Codeço - Atualizado em

COMIDA ✪✪ | AMBIENTE ✪✪ | SERVIÇO ✪✪

Fernando Frazão
(Foto: Redação Veja rio)

Novidade entre os cariocas nos anos 80, a gastronomia japonesa hoje marca presença até em estações de comida por quilo. Disseminada pela cidade, inspirou a formação de uma numerosa geração de profissionais na arte das facas afiadas. A acirrada competição levou a uma bem-vinda busca pela originalidade, deixando em segundo plano o que há de mais corriqueiro nas bancadas do gênero. À frente do novo Nagai, no Leblon, o sushiman Miguel Peres aposta na inventividade em variações à base de salmão. Assim, pretende sobressair em um bairro onde já funcionam conceituadas casas do gênero, como o Deusimar Sushi e o Sushi Leblon.

Com o peixe, Peres envolve a base do camarão na dupla regada por suave calda de maracujá (R$ 16,50). Em outra receita original, reveste salmão e cream cheese de crocante massa de rolinho primavera, sob finíssima juliana de alface (R$ 26,00, nove peças). Também na leva das novidades, o risotinho de frutos do mar - camarão, peixe-branco e lula - tem o tempero instigado pelo curry (R$ 49,00). Sempre requisitada pelos comensais, a ala dos rodízios encontra sua versão mais robusta no super nagai (R$ 68,90), que inclui praticamente tudo o que é produzido nos balcões e panelas da casa. O percurso pode oferecer, sem repetir nenhum item, quase sessenta receitas. Em opção voltada para o público vegetariano, o serviço é apresentado sem peixes, por R$ 54,90. Legumes e frutas são fatiados como sashimis, ganham a forma de enrolados ou cobrem os conhecidos bolinhos de arroz. Na ala mais ortodoxa do cardápio, há combinados como o mix de sushis (25 peças; R$ 55,00).

Nagai. Rua Conde Bernadotte, 26, loja 106, Leblon, ☎ 3546-2500 (48 lugares). 18h/0h (sáb. e dom. a partir das 12h). Cc: todos. Cd: todos. ⑥ (R$ 10,00) ? (☎ 3181-8852). www.nagaiculinariajaponesa.com.br. Aberto em 2011. $$$

Fonte: VEJA RIO