RESTAURANTES

Fora da lata

Com a temporada de pesca liberada, a sardinha fresca inspira saborosas receitas nas mesas cariocas

Por: Fabio Codeço - Atualizado em

Alexander Landau/divulgaçÃo
(Foto: Redação Veja rio)

Arab

A chef Vivan Arab prepara o herin, sardinha marinada por 24 horas com creme de leite, cebola, limão e vinagre (R$ 26,00). O prato judaico é tradição no Leste Europeu.

Avenida Atlântica, 1?936, Copacabana, ☎ 2235-6698.

Azumi

No tradicional japonês, é novidade o saboroso tartare de sardinha temperado com gengibre e molho de missô (R$ 40,00). A sugestão não está no cardápio, mas pode ser pedida.

Rua Ministro Viveiros de Castro, 127, Copacabana, ☎ 2541-4294 e 2295-1098.

222 Contemporâneo

Dentro do Hotel Royal Tulip, em São Conrado, o restaurante serve o peixe como maté­ria-prima do consomê de tomate, ao lado de polvo, ovas e azeitona preta (R$ 28,00).

Avenida Aquarela do Brasil, 75 (Hotel Royal Tulip), São Conrado, ☎ 3323-2200.

Mitsuba

Referência em culinária japonesa na Tijuca, a casa tem duas opções, na forma de sushi (R$ 9,00 a dupla) ou de sashimi (R$ 27,00, dez fatias), que também podem ser incluídas nos combinados.

Rua São Francisco Xavier, 170, Tijuca, ☎ 2264-1232.

Oro

Felipe Bronze, prestigiado chef da casa, inventou o peixe curado, sobre compressa de melancia no Jerez (item dos menus fechados que variam de R$ 180,00 a R$ 395,00).

Rua Frei Leandro, 20, Jardim Botânico, ☎ 2266-7591.

Ten Kai

No seu reduto em Ipanema, Cesar Hasky oferece cortes certeiros de sardinha, na forma de sashimi (R$ 47,00, 24 peças) ou sobre arroz, na dupla de sushi (R$ 17,00). O pescado ainda pode ser pedido inteiro (R$ 27,00, duas unidades), depois de passar pela grelha.

Rua Prudente de Moraes, 1810, Ipanema, ☎ 2540-5100.

Volta

Em original sugestão da lista de canapés, a sardinha é marinada, valorizada por geleia de pimenta e creme de ervas finas, sobre discos de tapioca (R$ 14,00, quatro unidades).

Rua Visconde de Carandaí, 5, Jardim Botânico, ☎ 3204-5406.

fernando lemos
(Foto: Redação Veja rio)

Fonte: VEJA RIO