gastronomia

Claude Troisgros e Pablo Vidal

A ousadia na combinação de ingredientes e uma obsessão infinita pela precisão técnica unem o mestre francês ao jovem chef mineiro

Por: Lula Branco Martins Fotos: Fernando Lemos Produção: Daniela Arend - Atualizado em

Fernando Lemos
(Foto: Redação Veja rio)

A atitude de Pablo Vidal, chef do Zazá Bistrô, na foto ao lado, deixa clara sua admiração pelo mestre Claude Troisgros. Com o dedo levantado, é como se dissesse: olha aí o número 1. Sim, o mestre-cuca franco-carioca de 55 anos tornou-se, nas duas últimas décadas, uma celebridade. Reconhecido nas ruas por causa de seus programas de TV, ele tem, na verdade, absoluta destreza no trato com os sabores. Daí o sucesso de seus empreendimentos na cidade, como o Olympe e o CT Boucherie. Um dos pioneiros na mistura dos ingredientes típicos da terra com a alta cozinha francesa, ele garante que adora jabá com jerimum. Diz que topa tudo em matéria de comida, à exceção de condimentos apimentados da culinária mexicana e sardinha. O sotaque carregado passou a ser parte indissociável de sua personalidade (?Meus amigos dizem que piora a cada ano?). Ele admite, brincalhão, que a palavra mais difícil do português é Pindamonhangaba ? sempre se estrepa quando tenta falar de uma só tacada. Do mesmo modo, jamais acertará a pronúncia de Bocaina de Minas, pequena cidade de onde veio Pablo Vidal, 22 anos. O rapaz sonha trilhar a mesma carreira de sucesso do guru. É só experimentar suas criações na casa de Ipanema para constatar que ele começou bem.

Fonte: VEJA RIO