RESTAURANTES

Rayz

No lugar do extinto Devassa de Ipanema, a casa serve apetitoso cardápio de comida brasileira

Por: Fabio Codeço

comida ✪✪✪ | ambiente ✪✪✪ | serviço ✪✪✪

Felippe Fittipaldi
(Foto: Redação Veja rio)

Tem novo inquilino no imóvel onde funcionou o Devassa de Ipanema, na badalada esquina das ruas Farme de Amoedo e Prudente de Morais. No recém-chegado restaurante de comida brasileira, o cardápio é assinado por Daniel Pinho, filho do fundador do tradicional La Sagrada Família, há 22 anos no Centro. Para conceber as muitas receitas do menu, com maior influência do Norte e Nordeste, e certa pegada carioca, o chef viajou um bocado. Em Belém, fez residência nas cozinhas do Remanso do Bosque, de Thiago Castanho, e do Lá em Casa, de Daniela Martins. Também bebeu na fonte de Rodrigo Oliveira, do Mocotó, em São Paulo. Pedidas apetitosas resultaram dessas experiências. Nas entradas, escolha entre os palitos de tapioca e queijo de coalho, acompanhados de melaço de cana (R$ 16,90, seis unidades), e a costelinha de porco desossada, servida na forma de cubos, sob saboroso molho barbecue feito de gengibre e rapadura, ao lado de purê de batata-baroa com queijo da Ilha de Marajó (R$ 21,90). Adiante, a paleta de cordeiro desossada ao molho rôti, guarnecida de cuscuz de farinha-d'água com legumes, castanha-do-pará e hortelã, além de batatas rústicas (R$ 52,90), revelou-se saborosa, mas poderia ter a carne mais cozida. Outra dica acertada, o risoto de cogumelos leva ainda linguiça mineira e queijo da Serra da Canastra (R$ 42,90). A ambientação, projeto do arquiteto João Uchôa, se completa com trilha sonora agradável, focada no cancioneiro nacional. A lamentar apenas a presença de televisores no salão, corpos estranhos em meio a detalhes charmosos, como o bar, com partes de contêiner, prateleiras de caixa de feira e o recurso sustentável da geração de energia solar.

Rua Prudente de Morais, 416, Ipanema,2522-0627, ? General Osório (120 lugares). 12h/1h (sex. e sáb. até 2h). Cc: todos. Cd: todos. ⑤ ↔ Aberto em 2014. $$

Fonte: VEJA RIO